Tag Paz

Vigiai e Orai

“Vigiai e Orai” como bem nos disse nosso amado Mestre Jesus.

Meus irmãos, neste momento em que nosso amado Brasil passa por momentos tristes diante de nosso governo, é de grande importância que não tomemos reações negativas que nos afastem da Luz.

É importante que nos mantenhamos em equilíbrio. O astral inferior usa destes momentos de pura energia negativa para causar o caos e manter as mentes cativas nestas energias por muito tempo até que façamos algo para mudar isso, afetando a todos. Somos Todos Um.

Devemos sim, emanar muita energia de AMOR, UNIÃO e muita PAZ, para que a Espiritualidade Maior possa trabalhar em nosso favor, como faz dia e noite. Com energias contrárias à força do amor, fica difícil sentirmos o socorro do Alto.

Meus irmãos Muito Amor, Muito Amor e Muito Amor neste momento.

Paz e Luz a Todos!

Vibração Coletiva (20/06/2018) – Vigiai e Orai

Vigiai e Orai

“Vigiai e Orai” como bem nos disse nosso amado Mestre Jesus.

Meus irmãos, neste momento em que nosso amado Brasil passa por momentos tristes diante de nosso governo, é de grande importância que não tomemos reações negativas que nos afastem da Luz.

É importante que nos mantenhamos em equilíbrio. O astral inferior usa destes momentos de pura energia negativa para causar o caos e manter as mentes cativas nestas energias por muito tempo até que façamos algo para mudar isso, afetando a todos. Somos Todos Um.

Devemos sim, emanar muita energia de AMOR, UNIÃO e muita PAZ, para que a Espiritualidade Maior possa trabalhar em nosso favor, como faz dia e noite. Com energias contrárias à força do amor, fica difícil sentirmos o socorro do Alto.

Meus irmãos Muito Amor, Muito Amor e Muito Amor neste momento.

Paz e Luz a Todos!

Vibração Coletiva (15/02/2017) – Paz

Paz

Quando falamos em paz o que pensamos? O que acreditamos como sendo paz? Apenas a falta de guerra no mundo? Mas junto com a guerra não vem um sentimento? Então para onde precisamos olhar para que este sentimento ruim cesse? Não seria em nosso próprio coração? Em nossa própria consciência? Em nosso comportamento? Pensemos nisso irmãos… A paz começa quando estamos em paz com nós mesmos.

A paz é muito mais que apenas um sintoma externo, ela começa em nosso interior. Nosso ego está diretamente ligado a nosso estado de espírito. Se nosso ego está predominando em nossa vida, menos em paz estaremos e menos paz proporcionaremos aos que interagem conosco diariamente, pois sempre estaremos agitados mentalmente fazendo com que a todo custo, nossos desejos e vontades sejam atendidos em primeiro plano. Mais insatisfeitos estaremos com a vida, mais propensos estaremos de ficar cuidando da vida dos outros e espalhando fofocas improdutivas sobre a vida de nosso irmão e até em determinado momento chegando a prejudica-lo em sua caminhada evolutiva.

Mas paz é aquele silêncio que não fazemos, é quando não sentimos necessidade de impor nossos pontos de vista aos outros, é quando paramos e percebemos que temos muito mais a agradecer do que a pedir ou reclamar. Ela se apresenta de diversas maneiras, possui diversas faces, o que precisamos é ter olhos para percebê-la e o sincero sentimento de querer estar de alma leve e tranquila.

Temos que vigiar os nossos comportamentos, as nossas atitudes, respeitar o estado de ser (existir) de nosso irmão, respeitar seus pontos de vista, assim como queremos que tratem com respeito os nossos. E exercer o perdão.

A paz começa pequena, assim como as grandes guerras. Se queremos a paz no mundo, comecemos com o nosso pequeno mundo particular que inevitavelmente se expandirá ao mundo exterior, o das formas.

Como nos disse Buda: “A Paz vem de dentro. Não a procures à tua volta”.

Paz e Luz a Todos!

Vibração Coletiva (27/04/2016) – Paz

Paz

Quando falamos em paz o que pensamos? O que acreditamos como sendo paz? Apenas a falta de guerra no mundo? Mas junto com a guerra não vem um sentimento? Então para onde precisamos olhar para que este sentimento ruim cesse? Não seria em nosso próprio coração? Em nossa própria consciência? Em nosso comportamento? Pensemos nisso irmãos… A paz começa quando estamos em paz com nós mesmos.

A paz é muito mais que apenas um sintoma externo, ela começa em nosso interior. Nosso ego está diretamente ligado a nosso estado de espírito. Se nosso ego está predominando em nossa vida, menos em paz estaremos e menos paz proporcionaremos aos que interagem conosco diariamente, pois sempre estaremos agitados mentalmente fazendo com que a todo custo, nossos desejos e vontades sejam atendidos em primeiro plano. Mais insatisfeitos estaremos com a vida, mais propensos estaremos de ficar cuidando da vida dos outros e espalhando fofocas improdutivas sobre a vida de nosso irmão e até em determinado momento chegando a prejudica-lo em sua caminhada evolutiva.

Mas paz é aquele silêncio que não fazemos, é quando não sentimos necessidade de impor nossos pontos de vista aos outros, é quando paramos e percebemos que temos muito mais a agradecer do que a pedir ou reclamar. Ela se apresenta de diversas maneiras, possui diversas faces, o que precisamos é ter olhos para percebê-la e o sincero sentimento de querer estar de alma leve e tranquila.

Temos que vigiar os nossos comportamentos, as nossas atitudes, respeitar o estado de ser (existir) de nosso irmão, respeitar seus pontos de vista, assim como queremos que tratem com respeito os nossos. E exercer o perdão.

A paz começa pequena, assim como as grandes guerras. Se queremos a paz no mundo, comecemos com o nosso pequeno mundo particular que inevitavelmente se expandirá ao mundo exterior, o das formas.

Como nos disse Buda: “A Paz vem de dentro. Não a procures à tua volta”.

Paz e Luz a Todos!

 

Notícia da Semana – Como o altruísmo de um homem mudou vida de vila onde um quarto da população tem deficiência

Moradora desenvolve atividades para inclusão econômica e social em vila da Indonésia com índice raro de moradores com deficiências físicas e cognitivas

Moradora desenvolve atividades para inclusão econômica e social em vila da Indonésia com índice raro de moradores com deficiências físicas e cognitivas.

Em uma vila remota da Indonésia, um em cada quatro moradores tem deficiências físicas e cognitivas – um número alto e incomum. Por muitos anos, essas pessoas não tiveram a assistência necessária, mas um homem transformou suas vidas. (…)

Estatísticas fora da curva

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), defeitos congênitos atingem cerca de 6% dos nascimentos, o que coloca Karangpatihan quatro vezes acima da média mundial.

“A maioria das pessoas com deficiências físicas e de aprendizagem nasceu nos anos 1950”, diz Mulyadi. “Não havia médicos aqui naquela época, e a vila era muito pobre. Os moradores só começaram a perceber que seus filhos não eram como as outras crianças quando eles atingiam quatro, cinco anos.

“Eles imaginavam por que elas não conseguiam falar, por que não se desenvolviam como outras crianças. Não havia ajuda, então não havia escolas para crianças com necessidades especiais, postos de saúde ou médicos. Então essas crianças se tornaram párias.”

Embora Mulyadi tenha crescido em meio a vizinhos com filhos com deficiências, ele só foi entender como a vida era para essas pessoas quando seu pai, um fazendeiro, se ofereceu para cuidar de uma criança com deficiência grave.

“Eu tinha apenas quatro anos quando ele veio morar conosco, mas instintivamente me senti muito triste por ele. Eu era uma das poucas crianças da vila a frequentar a escola, e esse menino costumava me acompanhar. Ele não falava, mas eu pude conhecê-lo e entendê-lo muito bem. Ele se tornou meu amigo. Foi quando notei todas as pessoas da vila que eram como ele”, diz Mulyadi.

“Eles eram ignorados por suas famílias, simplesmente porque elas não sabiam o que fazer com eles. Elas os alimentavam, mas de resto os ignoravam e os deixavam à própria sorte.”

À medida que crescia, Mulyadi passou a se preocupar mais com a situação.

“Outros moradores apenas pensavam que eram pessoas estúpidas, até loucas. Sempre me preocupei com elas. Eram tão pobres, e não acho que fossem felizes. Não posso dizer como se sentiam, mas acho que sofriam muito. Suas vidas eram tão difíceis. Estava preocupado sobre o futuro delas depois que seus pais morressem – quem cuidaria delas? Com quem viveriam?”

Causa invisível

Mulyadi foi o único adolescente da vila a completar a escola e ir à universidade. Quando voltou, se sentiu com a responsabilidade de fazer algo a respeito.

No começo, ele doou alimentos e dinheiro de seus próprios ganhos, mas logo percebeu que isso não mudaria a vida das pessoas de forma significativa. Então ele começou a se inscrever para tentar obter recursos do governo, mas nada foi para a frente. “Parecia que minha causa era invisível”, conta.

Ele então recorreu a um jornalista local e o pediu que visitasse a vila para uma reportagem. (…)

Depois que a reportagem colocou Karangpatihan no mapa, as coisas começaram a mudar. (…)

Confira a íntegra da reportagem acessando o link:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160120_altruismo_vila_tg


Reflexão

Que com esse exemplo, possamos ser mais altruístas, pensar mais nos assuntos espirituais, 
para sermos a cada dia menos egoístas, atitude e hábito que infelizmente nos impede de evoluir. 
Sejamos altruístas e solidários.

Paz de Luz a todos!

 

Notícia da Semana – Papa convida 2 mil moradores de rua, refugiados e ciganos ao circo

Missionários acompanham moradores de rua, refugiados e ciganos durante espetáculo do Rony Roller Circus, em Roma, na quinta (14) (Foto: AFP Photo/Tiziana Fabi)

Missionários acompanham moradores de rua, refugiados e ciganos durante espetáculo do Rony Roller Circus, em Roma, na quinta (14) (Foto: AFP Photo/Tiziana Fabi)

O Papa Francisco convidou na quinta-feira (14/01) ao circo de Roma dois mil moradores de rua, refugiados, grupo de presos e uma multidão de crianças ciganas a uma tarde dedicada à arte e à magia do circo.

O convite papal ao Ronny Roller Circus foi feito através da Esmolaria Apostólica do Vaticano, que organizou o traslado dos convidados do pontífice, que estiveram acompanhados de voluntários e equipes de médicos e enfermeiros.

“Isto faz bem à alma. Precisamos de beleza”, afirmou Francisco no ano passado, ao receber em uma audiência especial os artistas de circo.

A tarde de circo deveria servir como um “alívio aos nossos irmãos mais pobres para que possam superar as provas e dificuldades da vida que com frequência nos parecem insuperáveis”, explicou, em um comunicado, a entidade vaticana encarregada das obras de caridade do papa.

Um serviço médico móvel foi instalado em frente à enorme tenda para atender consultas e um lanche foi oferecido ao final do espetáculo.

Segundo o site Vatican Insider, a frota de ônibus da Santa Sé, usados normalmente para transportar os prelados, foi usada para levar os espectadores.

Foi uma grande emoção para nós”, confessou a dona do circo, Daniela Vassallo, à Rádio Vaticano, após lembrar que, como os indigentes, a gente do circo também costuma ser marginalizada pela sociedade.

“Sabemos que são pessoas às quais podemos falar, que recebem a mensagem. Entram hesitantes e vão embora com um sorriso” comentou.

Link da notícia: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/papa-convida-2-mil-moradores-de-rua-refugiados-e-ciganos-ao-circo.html


Reflexão

A grande mudança está dentro de cada um de nós. Ao sermos melhores conosco, automaticamente, atingiremos as pessoas que nos cercam e assim, somando esforços, somos capaz de promover grandes transformações. Muitas vezes uma pequena ação, para muitos sem importância, representa um grande feito. Ao seu lado pode haver uma pessoa que precise apenas de um sorriso, uma palavra, um gesto simples como o representado nessa notícia, para encorajar-se a dar os primeiros passos em busca da sua transformação. Aquele que reconhece seus pontos conflitantes, está no caminho para entender o significado de amar seu próximo como a si mesmo.

Paz de Luz a todos!

 

Notícia da Semana – Gerente acha carta para Papai Noel na rua e realiza sonho de três crianças

Gerente de vendas encontrou cartinha jogada em uma calçada de Leme (Foto: Felipe Lazzarotto/EPTV)

Gerente de vendas encontrou cartinha jogada em uma calçada de Leme (Foto: Felipe Lazzarotto/EPTV)

Um gerente de vendas encontrou na rua, em Leme (SP), uma cartinha que havia sido escrita por uma criança a Papai Noel. Nela, um menino de 3 anos pedia um brinquedo e presentes para as duas irmãs. Caso não fosse possível, uma cesta de Natal bastava. As crianças receberam muito mais do que esperavam neste sábado (19). Em São Carlos, menino de 9 anos também pediu ‘algum alimento’ para salvar o seu Natal.

O papel, que iria para o lixo, ganhou um novo destino nas mãos de Anderson Martins Santos. Era um sonho de uma criança perdido em uma calçada da cidade. “Fiquei bem emocionado, tocou meu coração, e falei: tenho que ajudar. Acho que não foi por acaso que a carta veio parar nas minhas mãos”, disse.

Em Pirassununga, cidade vizinha onde mora, Santos pediu ajuda de amigos e parentes e, em menos de uma semana, arrecadou brinquedos e alimentos. O porta-malas do carro ficou lotado de presentes, que foram entregues na tarde de sábado após muita dedicação

Pedidos
Paloma da Silva, de 9 anos, foi quem escreveu a cartinha para o irmão caçula, Eduardo, de 3. As crianças costumam entregar os pedidos em lojas e casas da região, mas desta vez ela perdeu o papel. “Pensei que não fosse receber o presente, que alguém iria achar a cartinha e entregar em outra casa”, disse a menina, que ganhou vários brinquedos.

A mãe dela, Simone Priscila da Silva, também foi lembrada e presenteada com alimentos. “Ele é uma pessoa muito boa, maravilhosa, que vai receber em dobro. Não é qualquer um que faz isso”, disse, emocionada.

O olhar solidário do gerente de vendas e dos demais voluntários deu uma grande oportunidade à família, que vive em um bairro carente de Leme.

A vendedora Cristiane Alves Pereira, que ajudou o amigo a arrecadar as doações, também se emocionou com tantos sorrisos de agradecimentos. “Graças a Deus hoje eu posso dar uma presente para minha filha, mas tem muitas mães que não podem fazer isso, uma ceia. Isso mexe e a gente poder fazer essa corrente e trazer um pouco de alegria para essa família foi demais, foi muito bom”, declarou.

Link da notícia: http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/12/gerente-acha-carta-para-papai-noel-na-rua-e-realiza-sonho-de-3-criancas.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=g1


Reflexão

Trazemos essa notícia como exemplo entre inúmeras outras que vemos nessa época do ano, em que o Espírito Natalino brota nos corações e as pessoas passam a ter um olhar mais atencioso para com o próximo. Certamente o caminho da humanização passa por relações humanas mais fraternas. Em um caminhar muito crescente, vemos a sensibilidade agrupando as pessoas para o bem comum. Que o Espírito Natalino, de amor e comunhão, possa prevalecer nos 365 dias do ano.

Feliz Natal, Paz e Luz a todos!

Notícia da Semana – Um Milhão de Crianças Meditam pela Paz Mundial

 

meditaçãopazmundial

Change the World (Mude o Mundo, tradução livre) é um projeto que iniciou em 1997 e acontece anualmente com a participação de crianças e jovens em um templo budista na Tailândia para um dia de meditação.

Conhecido como V-Star (Virtuos Star, Estrela Virtuosa), o projeto conta com membros também de outros países da Ásia.

Em 2015 a prática foi realizada no dia 21 de Setembro no Templo de Wat Phra Dhammakaya, talvez mais ‘modernizado e polêmico’ da Tailândia, pouco mais de 15 km do aeroporto de Bancoc. Com o apoio de 5 mil escolas foram reunidos cerca de 1 milhão de crianças e jovens.

Membros do templo acreditam que a força energética gerada por 1 milhão de crianças simultaneamente é capaz de mudar o mundo.

Várias atividades são praticadas durante o evento que mostra com detalhes parte da cultura Budista, porém a meta principal é a Paz Mundial.

A imagem de Buda serve como uma referência de pessoa sábia e pacífica, e não apenas pelo cunho religioso.

Acesse a notícia no link: http://tonocosmos.com.br/um-milhao-de-criancas-meditam-pela-paz


Reflexão

É salientar, que as crianças dão um exemplo de amor e solidariedade, as mesmas formam uma imensa corrente de orações, em favor de nossos irmãos, muitos deles, irmão iludidos de ideias equivocadas, tomadas à conta de ideais sagrados. Quando existe o desejo de mudança, através da união e do amor, por meio da oração, o ambiente se ilumina. Essa união, faz tanta luz, que ajuda a neutralizar as sombras que se abatem sobre as regiões de conflito. Todos nós, somos capazes de transformar o ambiente, através de nossas vibrações de amor e paz. Você Já orou hoje?

Paz e Luz a todos!

Notícia da Semana – Meditação é usada como aliada no ensino nas escolas estaduais do ES

Estudantes fazem meditação nas aulas no Espírito Santo (Foto: Guilherme Ferrari/ A Gazeta)

Estudantes fazem meditação nas aulas no Espírito Santo (Foto: Guilherme Ferrari/ A Gazeta)

Doze escolas da rede estadual de ensino da Grande Vitória, no Espírito Santo, incluíram a meditação durante as aulas. O objetivo é ensinar crianças e adolescentes a lidarem com as emoções, perdas e aumentar a concentração dos estudantes.

A estudante Yasmin Dias, de 15 anos, é uma das alunas que aprova o novo método. “Meditar ajuda a gente a ficar mais concentrado e a fixar mais o conteúdo. Você passa a entender melhor o professor. Isso aconteceu comigo”, disse a adolescente que estuda em Jacaraípe, na Serra.

A professora da escola de Yasmin, Wanda Scarpatti, dá aulas de ensino religioso e contou que faz pequenos exercícios com os alunos uma vez por semana. Eles devem se tornar mais frequentes.

Wanda explicou também que trabalha com a postura, a respiração e o relaxamento. Em uma demonstração, pediu para que os alunos se imaginassem na areia, tentando tocar as ondas do mar. E eles eram pura concentração.

Projeto
A meditação nas escolas faz parte do projeto Educação em Valores, Desenvolvimento Humano e Cultura de Paz, realizado em parceria entre a Secretaria de Estado da Educação (Sedu), o Ministério Público e Arcelor Mittal. A capacitação para que os professores trabalhem com a ferramenta é fornecida pela Migliori Consultoria, especializada em neurociência, de São Paulo.

O objetivo principal é desenvolver nas crianças e nos jovens as competências socioemocionais. Sempre a escola desenvolve as competências cognitivas, mas percebemos que o século 21 demanda outras competências. Estamos falando de criatividade, trabalho em grupo, respeito às diferentes posições, capacidade de lidar com perdas entre outras”, disse Haroldo Corrêa Rocha, secretário de Educação.

Ele explicou que os professores estão sendo capacitados para trabalhar com a meditação e com outros aspectos do projeto até dezembro deste ano.

A intenção é que eles apliquem a prática à medida que forem avançando no curso.

No futuro, a ideia é expandir o projeto para outras escolas da rede. Uma escola municipal da Serra também participa.

É uma metodologia que também tem forte impacto nos professores. Trabalhar com as competências socioemocionais é uma luz na educação brasileira para lidarmos com as questões dos nossos alunos”, destacou Haroldo.

Acesse a notícia no link: http://g1.globo.com/espirito-santo/educacao/noticia/2015/09/meditacao-e-usada-como-aliada-no-ensino-nas-escolas-estaduais-do-es.html


Reflexão

Quando meditamos, nossa mente se volta para dentro, mesmo que por pouco tempo, ajudando no desapego aos objetos mundanos e principalmente na autorreflexão. Dessa forma, a mente se tornará cada vez mais pura, tornando o indivíduo mais humano e menos materialista.

Paz e Luz a todos!

Vibração Coletiva (23.07.2014) – A paz é o caminho

Amados irmãos de caminhada, a tristeza invade nossos corações quando acompanhamos os noticiários de diversos países que estão em guerra. Ao realizarmos leituras nos jornais com o fim de entendermos os conflitos que vitimam milhares de pessoas em todo o mundo, temos a sensação de estarmos lendo informações de outras épocas, como se não fossem jornais atuais, mas apenas livros de história relatando acontecimentos passados de povos que viam a violência como a única forma de resolver os embates que surgiam. Chamamos a atenção de todos para o conflito entre Israel-Palestina para refletirmos sobre o grande contrassenso que impera nessa guerra que parece não ter fim, com o intuito de transmitirmos vibrações de amor e de entendimento para todos os envolvidos.

Sabemos que a origem desse conflito se dá a partir da luta pela ocupação da região chamada Terra Santa. Essa região atualmente ocupa o estado palestino e o estado de Israel, e é assim chamada porque é tida como a terra sagrada de três das principais religiões do mundo, sendo elas o Judaísmo, o Cristianismo e o Islamismo. A dúvida mais primária é como a região que tem como nome Terra Santa, há tanto tempo é palco de várias guerras?

Essa região foi invadida diversas vezes por diferentes povos com crenças distintas, e isso gerou sérios combates entre as religiões pela conquista do local. Atualmente a luta entre os territórios se dá principalmente entre palestinos, em sua maioria praticantes do Islamismo, e israelenses. Entre os israelenses, encontram-se os judeus, povo que foi espalhado por diversas regiões ao longo da história, mas que a partir de um movimento que se disseminou pela Europa no século XIX – o nacionalismo e a compreensão de que todo povo teria direito a ter o seu próprio estado – faz surgir o movimento sionista, em prol da criação do estado judeu, onde a proposta era que esse lar para os judeus fosse a Terra Santa. A partir daí, os judeus começaram a estabelecer-se na região de diversas formas, travando uma série de lutas contra os árabes que lá habitavam. Essas lutas sempre tiveram vários aliados e foram com o tempo agregando novos interesses e motivos para que persistissem até hoje.

Quando nos deparamos com conflitos, sejam eles de pequena dimensão, entre uma família, por exemplo, ou em grande proporção, como entre nações, nossa primeira reação é querer achar um culpado e escolher algum lado para tomar partido. O que não podemos esquecer é que em uma guerra todos são culpados, independente do motivo e de quem tenha iniciado qualquer conflito, no momento em que o agredido revida através da violência, os dois lados se igualam.

Vejamos o exemplo de Mohandas Karamchand Gandhi, mais conhecido como Mahatma Gandhi, do sânscrito “Mahatma”, “A Grande Alma”, que foi o idealizador e fundador do moderno estado indiano e foi um dos maiores defensores do princípio da não-agressão, forma não-violenta de protesto, como um meio de revolução. Ele provou a força de suas ideias através de muitos protestos pacíficos e uso da desobediência civil em massa pela causa indiana, gerando resultados concretos para a conquista da Independência da Índia. Quando lembramos dessa “Grande Alma” e de seus ensinamentos através dos seus grandes feitos, fica claro que a melhor forma de mudar o mundo é através da ampliação da consciência dos indivíduos e da prática do amor ao próximo.

Lembramos que os sete pecados sociais colocados por Gandhi, que acabam por destruir os seres humanos eram esses: política sem princípios, riqueza sem trabalho, prazer sem consciência, conhecimento sem caráter, comércio sem moralidade, ciência sem humanidade e culto sem sacrifício. O resultado de cometermos esses deslizes e continuarmos fechando os olhos para os sintomas apresentados de uma sociedade que está doente, tem como resultado desde conflitos com a extensão dos que estamos acompanhando em Israel, como todos os outros “distúrbios” em pequenas e grandes proporções apresentados no mundo todo.

Utilizando mais uma vez os ensinamentos de Mahatma, vibremos para que nossa humanidade enxergue que o desenvolvimento constante é lei da vida, e o homem que sempre tenta manter seus dogmas para parecer consistente se arrasta para uma falsa posição. Quem deseja um mundo melhor, deve antes de tudo começar a mudança por si mesmo. Precisamos entender de uma vez por todas que não existe um caminho para paz! A paz é o caminho! Mandemos nossas vibrações de amor para Israel e para o coração de todos os homens encarnados na Terra, onde cada um que recebê-lo e aceitá-lo iniciem uma grande revolução interna, que resultará na tão esperada Nova Era.

Paz, luz e muito amor a todos!!!