Tag livre-arbítrio

Luz aos que Partiram

Convidamos a todos nessa semana a unir o pensamento em prol de todos os nossos irmãos que já não se encontram mais nesse plano, para juntos gerarmos muita luz para que consigam seguir a sua caminhada. Os dias que antecedem e os que seguem após o feriado de 02 de Novembro, dia dos Finados, fazem com que todos os seres encarnados comecem a focar o pensamento nos seus entes queridos que já partiram para o plano espiritual. Acontece que alguns de nossos entes já estão preparados para receber essa carga energética - que atua através de nosso pensamento e de nossas emoções - mas, infelizmente, a maior parte ainda não está, e é aí que entra o grande problema de não termos o entendimento da vida maior, quando passamos por datas como essa.

Quem já tem entendimento é necessário colocá-lo em prática e se libertar de antigos rituais mecânicos; para quem não tem seria muito bom buscá-lo, caso o contrário, para as duas ocasiões, ao invés de auxiliar nossos irmãos que tanto amamos, apenas iremos perturbá-los e atrasá-los em seus caminhos para evolução.

Sabemos que todos nós temos o livre arbítrio e que após nossa partida continuamos realizando as escolhas que dão rumo à nossa caminhada. Se tivermos merecimento, após deixarmos a matéria, seremos auxiliados pelos espíritos amigos, que nos darão a livre escolha de acompanhá-los ou de permanecermos onde estamos. Alguns seguem com os espíritos amigos, são tratados e permanecem em colônias estudando, trabalhando, até que recebam novamente a oportunidade de reencarnar na Terra, onde terão nova oportunidade de sanar débitos do passado, tendências inferiores, ou dependendo de seu adiantamento, recebem a autorização de ter uma nova experiência em algum plano superior. Muitos outros, infelizmente, não aceitam o auxílio de espíritos amigos, não entendem o que aconteceu, não acreditam que há vida após a morte e ficam vagando pela Terra sentindo as dores e necessidades de quando encarnados, vivenciando o momento de sua partida, como se fosse somente um acidente e ainda estivessem lutando pela vida. Nesses casos, se conseguem encontrar seus parentes e amigos não entendem qual o motivo de eles não conseguirem lhe enxergar e nem lhe  ouvir, permanecendo nessa situação por tempo indeterminado.

Já para quem possui uma vida completamente desregrada, pratica o mal aos seus semelhantes e se encontra totalmente distante das leis de Cristo, faz mal uso de seu livre arbítrio, fazendo com que colha automaticamente a sua passagem direta para planos muito inferiores, onde momentaneamente o fazem perder a razão e somente o mal predomina.

Para qualquer um desses casos, a única forma de podermos auxiliar é mandando boas energias, focando nosso pensamento em todos os momentos bons que passamos nessa existência com os seres amados, pedindo ao Pai e aos espíritos de luz, que os ajudem, que lhes ofereçam uma nova oportunidade. Dependendo do caso, por nossa interferência, os desencarnados recebem um novo auxílio, mas o fato de serem resgatados ou não dependerá sempre da sua própria vontade. Saber se quem amamos está bem do outro lado, só mataria a nossa curiosidade, pois se ficarmos sabendo que estão mal e não estivermos preparados para entender que isso é parte de sua evolução, só aumentará o nosso desespero e o sofrimento deles. Se recebermos a oportunidade de saber que nossos entes estão bem, muitas vezes, nós ainda duvidamos, então, aquietemos o nosso coração, sabendo que Deus é justo e bom, que a cada um será dado conforme as suas obras e que é necessário que passemos pelas diversas etapas da vida, seja no plano espiritual, ou terreno para alcançar o nosso aprendizado.

As respostas que precisamos sobre nossos familiares e amigos que já partiram estarão sempre dentro de nós, é só pensarmos nas obras que eles construíram aqui, analisar o que sentimos quando nos lembramos deles, assim já teremos ideia de como eles estão do lado de lá. Independente da sensação que tivermos, sempre será útil uma oração sincera, pedindo a Deus que o preteja e que lhe dê muita luz para que siga a sua caminhada em paz, mas nunca deixar que o desespero da separação invada nossos pensamentos.

Quando não temos entendimento, nos desesperamos ao lembrar que não poderemos mais vê-los, e só deixamos a dor da separação prevalecer, perturbamos entes que já estavam sendo tratados, fazemos que voltem para o nosso plano e fiquem por aqui perdidos ou nos acompanhem até cemitérios e de lá depois não conseguem sair, caso ainda estiverem muito apegados a matéria.

Amados irmãos, nossos corpos carnais são apenas os equipamentos que nos foram emprestados para que pudéssemos atuar nesse plano, interagir e aprender com as provas e expiações que passamos. O nosso pensamento é a nossa grande força, que pode ser usada para o bem ou para o mal. Utilizemos esse poder com inteligência, para afastar todos os sentimentos que nos atrasam, se tivermos fé e seguirmos lutando com amor, nada irá nos afligir, além de ficarmos com a certeza de que não atrapalharemos aqueles que tanto amamos e que continuam tão vivos quanto nós.

As flores que levamos aos cemitérios para os que já partiram secam e as velas são uma luz mínima perto da que podemos emanar com o pensamento unido ao nosso coração. Para o plano espiritual não existe distância, o mundo é mental, então de onde estivermos, tenhamos a certeza de estarmos emanando luz a todos os irmãos desencarnados de nosso Universo para que possam seguir a sua caminhada rumo a luz de nosso Pai Maior.

Paz e Luz a todos!

Vibração Coletiva (29/04/2015) – “Indivíduo – Em busca do Fraterno Ser”

Indivíduo -̶ Em busca do Fraterno Ser. A alma, o receptáculo do espírito fractal universal de ser, que encarnado se torna um indivíduo terrestre com o aprendizado experimental no autoconhecimento humano. Na realidade coletiva humana, faz com que o ser cresça neste planeta seguindo as normas e os critérios, as bases estabelecidas na sociedade dos

Continue Lendo →

Roger Responde 199 – Quem criou o mal? Se nós nascemos de Deus, que é só bondade e amor, de onde surgiu o mal?

199 – Pergunta (07/10/2013): Prezado Roger, venho alguns dias questionando-me a respeito de um assunto que muito me intriga. Deus na criação dos espíritos os fez simples e ignorantes, ou seja, sem ciência de nada, como está escrito no livro dos espíritos. Esses espíritos também tinham o livre-arbítrio, como temos hoje, porém como um espirito criado

Continue Lendo →

Roger Responde 057 – Reflexões sobre o livre arbítrio

057 – Pergunta (17/01/2011):  Primeiramente, gostaria de dar parabéns pelo livro Atlântida no Reino das Trevas… Como sempre, muitas conexões feitas e dúvidas tiradas… e melhor ainda… novos questionamentos surgiram… No final de Atlântida no Reino das Trevas, vocês escrevem: “O Espírito Criador, em sua Mente Suprema, consegue prever com exatidão as ações de seus

Continue Lendo →