Tag Nova Era

[caption id="attachment_3029" align="aligncenter" width="660"]Moradora desenvolve atividades para inclusão econômica e social em vila da Indonésia com índice raro de moradores com deficiências físicas e cognitivas Moradora desenvolve atividades para inclusão econômica e social em vila da Indonésia com índice raro de moradores com deficiências físicas e cognitivas.[/caption]

Em uma vila remota da Indonésia, um em cada quatro moradores tem deficiências físicas e cognitivas - um número alto e incomum. Por muitos anos, essas pessoas não tiveram a assistência necessária, mas um homem transformou suas vidas. (...)

Estatísticas fora da curva

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), defeitos congênitos atingem cerca de 6% dos nascimentos, o que coloca Karangpatihan quatro vezes acima da média mundial.

"A maioria das pessoas com deficiências físicas e de aprendizagem nasceu nos anos 1950", diz Mulyadi. "Não havia médicos aqui naquela época, e a vila era muito pobre. Os moradores só começaram a perceber que seus filhos não eram como as outras crianças quando eles atingiam quatro, cinco anos.

"Eles imaginavam por que elas não conseguiam falar, por que não se desenvolviam como outras crianças. Não havia ajuda, então não havia escolas para crianças com necessidades especiais, postos de saúde ou médicos. Então essas crianças se tornaram párias."

Embora Mulyadi tenha crescido em meio a vizinhos com filhos com deficiências, ele só foi entender como a vida era para essas pessoas quando seu pai, um fazendeiro, se ofereceu para cuidar de uma criança com deficiência grave.

"Eu tinha apenas quatro anos quando ele veio morar conosco, mas instintivamente me senti muito triste por ele. Eu era uma das poucas crianças da vila a frequentar a escola, e esse menino costumava me acompanhar. Ele não falava, mas eu pude conhecê-lo e entendê-lo muito bem. Ele se tornou meu amigo. Foi quando notei todas as pessoas da vila que eram como ele", diz Mulyadi.

"Eles eram ignorados por suas famílias, simplesmente porque elas não sabiam o que fazer com eles. Elas os alimentavam, mas de resto os ignoravam e os deixavam à própria sorte."

À medida que crescia, Mulyadi passou a se preocupar mais com a situação.

"Outros moradores apenas pensavam que eram pessoas estúpidas, até loucas. Sempre me preocupei com elas. Eram tão pobres, e não acho que fossem felizes. Não posso dizer como se sentiam, mas acho que sofriam muito. Suas vidas eram tão difíceis. Estava preocupado sobre o futuro delas depois que seus pais morressem - quem cuidaria delas? Com quem viveriam?"

Causa invisível

Mulyadi foi o único adolescente da vila a completar a escola e ir à universidade. Quando voltou, se sentiu com a responsabilidade de fazer algo a respeito.

No começo, ele doou alimentos e dinheiro de seus próprios ganhos, mas logo percebeu que isso não mudaria a vida das pessoas de forma significativa. Então ele começou a se inscrever para tentar obter recursos do governo, mas nada foi para a frente. "Parecia que minha causa era invisível", conta.

Ele então recorreu a um jornalista local e o pediu que visitasse a vila para uma reportagem. (...)

Depois que a reportagem colocou Karangpatihan no mapa, as coisas começaram a mudar. (…)

Confira a íntegra da reportagem acessando o link:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160120_altruismo_vila_tg


Reflexão

Que com esse exemplo, possamos ser mais altruístas, pensar mais nos assuntos espirituais, 
para sermos a cada dia menos egoístas, atitude e hábito que infelizmente nos impede de evoluir. 
Sejamos altruístas e solidários.

Paz de Luz a todos!

 

Notícia da Semana – Como o altruísmo de um homem mudou vida de vila onde um quarto da população tem deficiência

Moradora desenvolve atividades para inclusão econômica e social em vila da Indonésia com índice raro de moradores com deficiências físicas e cognitivas

Moradora desenvolve atividades para inclusão econômica e social em vila da Indonésia com índice raro de moradores com deficiências físicas e cognitivas.

Em uma vila remota da Indonésia, um em cada quatro moradores tem deficiências físicas e cognitivas – um número alto e incomum. Por muitos anos, essas pessoas não tiveram a assistência necessária, mas um homem transformou suas vidas. (…)

Estatísticas fora da curva

Segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), defeitos congênitos atingem cerca de 6% dos nascimentos, o que coloca Karangpatihan quatro vezes acima da média mundial.

“A maioria das pessoas com deficiências físicas e de aprendizagem nasceu nos anos 1950”, diz Mulyadi. “Não havia médicos aqui naquela época, e a vila era muito pobre. Os moradores só começaram a perceber que seus filhos não eram como as outras crianças quando eles atingiam quatro, cinco anos.

“Eles imaginavam por que elas não conseguiam falar, por que não se desenvolviam como outras crianças. Não havia ajuda, então não havia escolas para crianças com necessidades especiais, postos de saúde ou médicos. Então essas crianças se tornaram párias.”

Embora Mulyadi tenha crescido em meio a vizinhos com filhos com deficiências, ele só foi entender como a vida era para essas pessoas quando seu pai, um fazendeiro, se ofereceu para cuidar de uma criança com deficiência grave.

“Eu tinha apenas quatro anos quando ele veio morar conosco, mas instintivamente me senti muito triste por ele. Eu era uma das poucas crianças da vila a frequentar a escola, e esse menino costumava me acompanhar. Ele não falava, mas eu pude conhecê-lo e entendê-lo muito bem. Ele se tornou meu amigo. Foi quando notei todas as pessoas da vila que eram como ele”, diz Mulyadi.

“Eles eram ignorados por suas famílias, simplesmente porque elas não sabiam o que fazer com eles. Elas os alimentavam, mas de resto os ignoravam e os deixavam à própria sorte.”

À medida que crescia, Mulyadi passou a se preocupar mais com a situação.

“Outros moradores apenas pensavam que eram pessoas estúpidas, até loucas. Sempre me preocupei com elas. Eram tão pobres, e não acho que fossem felizes. Não posso dizer como se sentiam, mas acho que sofriam muito. Suas vidas eram tão difíceis. Estava preocupado sobre o futuro delas depois que seus pais morressem – quem cuidaria delas? Com quem viveriam?”

Causa invisível

Mulyadi foi o único adolescente da vila a completar a escola e ir à universidade. Quando voltou, se sentiu com a responsabilidade de fazer algo a respeito.

No começo, ele doou alimentos e dinheiro de seus próprios ganhos, mas logo percebeu que isso não mudaria a vida das pessoas de forma significativa. Então ele começou a se inscrever para tentar obter recursos do governo, mas nada foi para a frente. “Parecia que minha causa era invisível”, conta.

Ele então recorreu a um jornalista local e o pediu que visitasse a vila para uma reportagem. (…)

Depois que a reportagem colocou Karangpatihan no mapa, as coisas começaram a mudar. (…)

Confira a íntegra da reportagem acessando o link:

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/01/160120_altruismo_vila_tg


Reflexão

Que com esse exemplo, possamos ser mais altruístas, pensar mais nos assuntos espirituais, 
para sermos a cada dia menos egoístas, atitude e hábito que infelizmente nos impede de evoluir. 
Sejamos altruístas e solidários.

Paz de Luz a todos!

 

Notícia da Semana – Papa convida 2 mil moradores de rua, refugiados e ciganos ao circo

Missionários acompanham moradores de rua, refugiados e ciganos durante espetáculo do Rony Roller Circus, em Roma, na quinta (14) (Foto: AFP Photo/Tiziana Fabi)

Missionários acompanham moradores de rua, refugiados e ciganos durante espetáculo do Rony Roller Circus, em Roma, na quinta (14) (Foto: AFP Photo/Tiziana Fabi)

O Papa Francisco convidou na quinta-feira (14/01) ao circo de Roma dois mil moradores de rua, refugiados, grupo de presos e uma multidão de crianças ciganas a uma tarde dedicada à arte e à magia do circo.

O convite papal ao Ronny Roller Circus foi feito através da Esmolaria Apostólica do Vaticano, que organizou o traslado dos convidados do pontífice, que estiveram acompanhados de voluntários e equipes de médicos e enfermeiros.

“Isto faz bem à alma. Precisamos de beleza”, afirmou Francisco no ano passado, ao receber em uma audiência especial os artistas de circo.

A tarde de circo deveria servir como um “alívio aos nossos irmãos mais pobres para que possam superar as provas e dificuldades da vida que com frequência nos parecem insuperáveis”, explicou, em um comunicado, a entidade vaticana encarregada das obras de caridade do papa.

Um serviço médico móvel foi instalado em frente à enorme tenda para atender consultas e um lanche foi oferecido ao final do espetáculo.

Segundo o site Vatican Insider, a frota de ônibus da Santa Sé, usados normalmente para transportar os prelados, foi usada para levar os espectadores.

Foi uma grande emoção para nós”, confessou a dona do circo, Daniela Vassallo, à Rádio Vaticano, após lembrar que, como os indigentes, a gente do circo também costuma ser marginalizada pela sociedade.

“Sabemos que são pessoas às quais podemos falar, que recebem a mensagem. Entram hesitantes e vão embora com um sorriso” comentou.

Link da notícia: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/01/papa-convida-2-mil-moradores-de-rua-refugiados-e-ciganos-ao-circo.html


Reflexão

A grande mudança está dentro de cada um de nós. Ao sermos melhores conosco, automaticamente, atingiremos as pessoas que nos cercam e assim, somando esforços, somos capaz de promover grandes transformações. Muitas vezes uma pequena ação, para muitos sem importância, representa um grande feito. Ao seu lado pode haver uma pessoa que precise apenas de um sorriso, uma palavra, um gesto simples como o representado nessa notícia, para encorajar-se a dar os primeiros passos em busca da sua transformação. Aquele que reconhece seus pontos conflitantes, está no caminho para entender o significado de amar seu próximo como a si mesmo.

Paz de Luz a todos!

 

Notícia da Semana – Gerente acha carta para Papai Noel na rua e realiza sonho de três crianças

Gerente de vendas encontrou cartinha jogada em uma calçada de Leme (Foto: Felipe Lazzarotto/EPTV)

Gerente de vendas encontrou cartinha jogada em uma calçada de Leme (Foto: Felipe Lazzarotto/EPTV)

Um gerente de vendas encontrou na rua, em Leme (SP), uma cartinha que havia sido escrita por uma criança a Papai Noel. Nela, um menino de 3 anos pedia um brinquedo e presentes para as duas irmãs. Caso não fosse possível, uma cesta de Natal bastava. As crianças receberam muito mais do que esperavam neste sábado (19). Em São Carlos, menino de 9 anos também pediu ‘algum alimento’ para salvar o seu Natal.

O papel, que iria para o lixo, ganhou um novo destino nas mãos de Anderson Martins Santos. Era um sonho de uma criança perdido em uma calçada da cidade. “Fiquei bem emocionado, tocou meu coração, e falei: tenho que ajudar. Acho que não foi por acaso que a carta veio parar nas minhas mãos”, disse.

Em Pirassununga, cidade vizinha onde mora, Santos pediu ajuda de amigos e parentes e, em menos de uma semana, arrecadou brinquedos e alimentos. O porta-malas do carro ficou lotado de presentes, que foram entregues na tarde de sábado após muita dedicação

Pedidos
Paloma da Silva, de 9 anos, foi quem escreveu a cartinha para o irmão caçula, Eduardo, de 3. As crianças costumam entregar os pedidos em lojas e casas da região, mas desta vez ela perdeu o papel. “Pensei que não fosse receber o presente, que alguém iria achar a cartinha e entregar em outra casa”, disse a menina, que ganhou vários brinquedos.

A mãe dela, Simone Priscila da Silva, também foi lembrada e presenteada com alimentos. “Ele é uma pessoa muito boa, maravilhosa, que vai receber em dobro. Não é qualquer um que faz isso”, disse, emocionada.

O olhar solidário do gerente de vendas e dos demais voluntários deu uma grande oportunidade à família, que vive em um bairro carente de Leme.

A vendedora Cristiane Alves Pereira, que ajudou o amigo a arrecadar as doações, também se emocionou com tantos sorrisos de agradecimentos. “Graças a Deus hoje eu posso dar uma presente para minha filha, mas tem muitas mães que não podem fazer isso, uma ceia. Isso mexe e a gente poder fazer essa corrente e trazer um pouco de alegria para essa família foi demais, foi muito bom”, declarou.

Link da notícia: http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2015/12/gerente-acha-carta-para-papai-noel-na-rua-e-realiza-sonho-de-3-criancas.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=g1


Reflexão

Trazemos essa notícia como exemplo entre inúmeras outras que vemos nessa época do ano, em que o Espírito Natalino brota nos corações e as pessoas passam a ter um olhar mais atencioso para com o próximo. Certamente o caminho da humanização passa por relações humanas mais fraternas. Em um caminhar muito crescente, vemos a sensibilidade agrupando as pessoas para o bem comum. Que o Espírito Natalino, de amor e comunhão, possa prevalecer nos 365 dias do ano.

Feliz Natal, Paz e Luz a todos!

Roger Responde 186 – Manifestações populares são indícios de aproximação do astro intruso (processo de seleção do joio e do trigo).

186 – Pergunta (08/07/2013): Prezado Roger, boa noite. Sou um grande admirador de seu trabalho de divulgação do Universalismo Crístico. Gostaria de saber sua opinião sobre as recentes mudanças ocorridas no planeta, as quais têm desencadeado uma série de manifestações. Lembro-me que no livro “Atlântida – No Reino das Trevas”, algo semelhante acontecia quando da chegada do Astro Intruso, ou seja, as pessoas começaram a perder-se em verdadeiras “bagunças” sociais. Na sua opinião, esses últimos acontecimentos possuem relação direta ou indireta com a aproximação de Hercólubus? Abraços e luz!

Roger: O período de “fim dos tempos”, como nos relata o Evangelho de Jesus e o livro do Apocalipse, naturalmente estimula inconscientemente a psique coletiva da humanidade. No entanto, mais uma vez reforço que as manifestações ocorridas no Brasil nas últimas semanas não são negativas. Pelo contrário, elas são muito positivas. No entanto, cada um dos manifestantes vibra com a índole de seu próprio coração.

Durante todo o período de transição para a Nova Era aqueles que “forem bons serão ainda mais bons” e os que “forem maus serão ainda mais maus”. Por este motivo vemos tantas atitudes doentias como assassinato de crianças, estupros, queimar pessoas vivas etc. Além de atitudes de vandalismo, drogadição, roubo e destruição por manifestantes com o rosto coberto. Isso faz parte de um processo inconsciente onde os futuros exilados para um mundo inferior sentem no íntimo da alma que seu tempo na Terra está acabando, fazendo-os agir de forma tresloucada e maléfica. São gestos inconscientes de vingança e despeito por terem que prestar contas ao Criador de suas atitudes maléficas por séculos.  Falamos sobre isso na pergunta da semana passada.

Da mesma forma, aqueles que são bons e pacíficos sentem florescer no fundo de sua alma a esperança em um mundo melhor e tomam iniciativas para construir movimentos de integração, debate ordeiro e pacífico com o objetivo de elaborar uma agenda de desenvolvimento e progresso fraterno para o mundo. Só que estes movimentos, muitas vezes, estão sendo abafados pelo vandalismo de poucos. A mídia sempre vai dar mais destaque as notícias que impressionam, porque naturalmente o homem comum se interessa mais por dor e sofrimento, do que por mensagens conscientes de paz e crescimento.

Amigos, um dos poucos momentos em que o bem está vencendo o mal é justamente nestas manifestações populares. As pessoas de bem são a maioria. Só que elas fazem o seu protesto de forma pacífica, fato que não as destaca nas notícias. O que chama a atenção é a ação de meia dúzia de vândalos desequilibrados em meio aos protestos e outro tanto que acredita ser do bem e ter boa vontade, mas que não faz a sua parte por um mundo melhor. Apenas deseja colher os frutos, sem fazer a sua parte. Em geral realizam protestos negativos, queimam pneus nas estradas, interditam o trânsito, cometem crimes prejudicando os seus semelhantes para obter benefícios questionáveis de forma equivocada.

Contudo, tenham a certeza de que estes movimentos do bem são o embrião que gerará, com o passar das décadas, a saudável humanidade do futuro. Apoiem as manifestações do bem e condenem veementemente as ações de vandalismo e oportunistas. Assim construiremos o mundo novo que todos desejamos. A “democracia das ruas” fará com que os políticos acomodados e burocráticos mexam-se para realizar as mudanças necessárias, em vez de atender aos seus interesses e dos poucos grupos privilegiados que geralmente representam. A oportunidade que temos de construir através das redes sociais uma democracia direta, sem a intervenção de partidos políticos (geralmente comprometidos com interesses duvidosos), é maravilhosa. A Internet possibilita uma verdadeira democracia direta, sem a intervenção de políticos profissionais, mesmo com um Universo de milhões de habitantes (claro que ela precisa ainda ser levada a toda população, assim como a verdadeira educação, com foco no desenvolvimento do pensar).

Sem dúvida, é certo que a aproximação do “astro intruso” influenciará e excitará a toda a nossa humanidade durante os próximos cinquenta anos. Tanto de forma positiva, como negativa. Isto é inevitável.

O astro intruso, portal que determina o exílio das humanidades (separação do joio e do trigo) é chamado por alguns de Hercólubus. Preferimos nomeá-lo de Absinto, em alusão ao livro do Apocalipse 8:11: “E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.” Uma alusão aos dois terços de espíritos da humanidade terrena que sofrerá novo exílio, conforme relatamos no livro “A Nova Era – Orientações espirituais para o terceiro milênio”.

Roger Responde 160 – Reflexões sobre o atraso no despertar coletivo e a tarefa do Universalismo Crístico

160 – Pergunta (07/01/2013): Roger, como se dará esse avanço do Projeto Universalismo Crístico nessa entrada de nova era e nos acontecimentos carmáticos inevitáveis em que Gaya e a humanidade terá que passar, pois o que tudo indica é que a maioria da humanidade vive na ignorância de si mesmo e vai ser muito difícil um despertar consciencial coletivo dentro desse modelo cultural, religioso, materialista?

Roger: Nada muda na tarefa do projeto Universalismo Crístico. Continuaremos a trabalhar da mesma forma pelo despertar das consciências de nosso mundo. O atraso no despertar coletivo de nossa humanidade é um motivo a mais para continuarmos firmes trabalhando com este propósito. A derrota da humanidade no dia 21 de dezembro não é motivo para desanimarmos e, sim, um estímulo para trabalharmos com mais garra ainda.

Agora, em janeiro, toda a equipe reduzirá um pouco as atividades para termos um merecido descanso. Mas a partir do próximo mês voltaremos com força total.

Mesmo com esta leve redução no ritmo, teremos no dia 15 de janeiro a distribuição gratuita do capítulo adicional do livro “Universalismo Crístico Avançado” que relata exatamente a tentativa de desativação da última pirâmide hipnótica atlante no dia 21 de dezembro de 2012, que resultou em fracasso porque a humanidade não fez a sua parte. Preferiu adorar o mundo das ilusões, em vez de despertar para os seus compromissos evolutivos que a levaria à paz e felicidade. O relato já está concluído e agora está passando pelo processo de revisão.

Roger Responde 148 – Como preparar e educar as crianças para a Nova Era?

148 – Pergunta (15/10/2012): Poderia nos falar sobre a mudança de mentalidade no que diz respeito à importância exclusiva que damos à inteligência cognitiva, em detrimento a outras formas de inteligência, como a capacidade relacional ou inteligência emocional, e as artes? A lógica faz-me crer que na Era do Mentalismo, as pessoas estarão mais inclinadas ao desenvolvimento de toda sorte de inteligência, certo? Vejo almas que muito se desenvolveram no campo das artes, por exemplo, renascendo nos últimos anos de modo a despertar essa consciência nas pessoas e mesmo de lhes abrir os olhos para questões de espiritualidade, que de fato está em tudo. É o caso da jovem Akiane. Como essa mudança se dará? Serão esses espíritos, as crianças da Nova Era, os responsáveis por essa mudança em nossos mundos mentais? Qual será o melhor modelo pedagógico para adaptarmos as crianças da nova era com relação aos valores morais e espirituais, tão esquecidos na sociedade atual? De que forma vocês acreditam que esse novo modelo será implementado nas escolas? Será somente após a reencarnação sistemáticas dos novos eleitos?

Roger: Esta pergunta é muito interessante. A inteligência cognitiva é aquela mais prática, com conceitos lógicos e palpáveis, que baseia-se na manipulação de informações de forma eficiente. Ela foi fundamental para o desenvolvimento tecnológico da humanidade, permitindo-nos uma vida de maior conforto, ampliando os conceitos de civilidade. No entanto, não podemos esquecer que o homem voltado somente para o conhecimento técnico termina por atrofiar o lado espiritual e humano, prejudicando a sua harmonia e seu desenvolvimento integral. Boa parte das crises de stress, depressão e até mesmo suicídio tem por origem o excessivo enfoque da humanidade atual na valorização da inteligência cognitiva, em detrimento da emocional.

O resultado disso se reflete diretamente nas atitudes extremas de adolescentes que metralham escolas e cinemas por sofrerem distúrbio nessa inteligência que poderíamos considerar como sendo de natureza espiritual, que é voltada para a sensibilidade, e menos para a técnica e a racionalidade. O excesso de frieza e valorização exclusiva da inteligência cognitiva dos pais e da escola, levam alguns alunos ditos exemplares a terem esse tipo de comportamento. O problema não está em videogames e filmes violentos, mas sim no limitado (ou inexistente) desenvolvimento da inteligência emocional de nossas crianças e adolescentes. Algumas vezes são gênios no conhecimento cognitivo, mas incapazes no campo da inteligência emocional.

Na Nova Era, surgirão cada vez mais crianças com esses atributos da inteligência emocional naturalmente desenvolvidos, como é o caso da menina Akiane, que já se tornou um sinônimo de “criança Índigo” de sucesso, demonstrando elevado desenvolvimento nas inteligências ditas artísticas, relacionais e emocionais. E sem dúvida deve ter uma inteligência cognitiva brilhante também.

Logo, para atingirmos a plenitude e nossas crianças se tornarem adultos felizes e de sucesso, não basta apenas manipular informações técnicas de forma eficiente. O homem feliz, equilibrado e que possui desenvolvimento intelectual deve, também, desenvolver plenamente a sua capacidade relacional, aprendendo a conviver de forma crística com os seus semelhantes, primando pela defesa dos bons valores e do desenvolvimento conjunto da família universal. Em breve chegará o fim a Era da competitividade egoística para dar espaço ao desenvolvimento conjunto colaborativo. O homem compreenderá que somos todos partes de um Todo e só poderemos ser verdadeiramente felizes quando todos tiverem os mesmos direitos e possibilidades de também serem felizes!

Assim como respondemos em pergunta anterior, o modelo pedagógico a ser desenvolvido para atender a essa visão de formar o homem integral (alma e corpo), através da inteligência cognitiva associada a inteligência emocional, deverá ser pensado pelos educadores com o objetivo de transformar as nossas crianças e adolescente em algo mais do que apenas robôs que decoram o conteúdo pedagógico sem pensar, sem integrar o conhecimento filosoficamente às suas vidas. Se queremos uma geração futura com melhores valores humanos e espirituais, precisamos educá-las através de um eficiente modelo de desenvolvimento de inteligência emocional aliado ao conhecimento cognitivo.

Roger Responde 035 – Pirâmides hipnóticas atlantes no astral.

35- Pergunta 5/5 (16/08/2010): “Atlântida- No reino das Trevas” começa de forma surpreendente. No capítulo introdutório você faz um relato sensacional sobre a desativação de uma das quatro pirâmides hipnóticas que foram construídas no astral pelos magos negros com a finalidade de manter a humanidade terrena entorpecida com relação às questões espirituais. Isso desde a época da Atlântida.
Como última pergunta dessa série de cinco sobre o novo livro, gostaríamos de saber o que você poderia adiantar aos leitores sobre essas informações que são relatadas com profundidade no capítulo introdutório?

Roger: O período de transição para a Nova Era se intensificará a partir do dia 21 de dezembro de 2012, momento em que a Terra ingressará definitivamente na “Era da Luz”, devido a entrar novamente na esfera de ação do cinturão de fótons da estrela Alcyone. Esse fato não é apenas um simbolismo. Ele realmente mudará a frequência de nosso planeta permitindo que as novas gerações possam integrar-se de forma mais plena ao futuro “mundo dos eleitos para a Nova Era”. As crianças que sofrem dificuldades comportamentais para se adaptar a esse “velho mundo”, respirarão aliviadas. Nesse novo período, a baixa frequência em que vivemos, marcada pela alienação espiritual e os hábitos distanciados dos verdadeiros valores espirituais, terá menos influência sobre a humanidade e passará a se extinguir gradativamente nas próximas décadas.

Essas pirâmides foram construídas em um passado remoto, logo após a vitória dos magos negros sobre os dragões e durante o início da regência destes no astral inferior da Terra. No entanto, nada ocorre sem a concordância de Deus. Esse era o carma de nossa civilização. Necessitávamos evoluir dentro desse modelo em que as pessoas teriam que realizar um significativo esforço para encontrar Deus dentro de si, através da fé e da vitória sobre o seu próprio ego. Era uma necessidade direta dos céticos exilados de Capela, que passaram a compor a grande maioria da população da Terra.

Com a chegada da Nova Era, e consequentemente um novo padrão de evolução espiritual, as novas gerações, aqueles que venceram as suas imperfeições em encarnações anteriores, terão uma percepção mais plena da realidade imortal. A desativação dessas pirâmides será importante nesse sentido, mas isso, também, depende da ampliação da consciência de cada um. As ditas “crianças Índigo”, que nada mais são do que esses espíritos aqui mesmo de nosso mundo, que se elegeram por seus méritos em encarnações anteriores, terão menos dificuldade para adaptar-se, porque o mundo mudará, deixando de receber alienados para receber espíritos conscientes de sua origem imortal e, consequentemente, dotados de dignos valores espirituais, baseados no respeito e no amor ao próximo. Essa nova ascendência de espíritos dignos sobre a humanidade é que mudará o cenário caótico e triste em que vivemos, onde o materialismo e a alienação espiritual vigoram. Essa será a verdadeira e definitiva vitória da luz sobre as trevas. E não o arcaico moralismo cultural das religiões, que procura estabelecer como verdade absoluta as suas limitadas crenças sectárias.