Tag despertar

DESPERTANDO

Como é mágico o momento em que abrimos os olhos aos primeiros raios de Sol. Quando olhamos ao redor e contemplamos as coisas, fatos e pessoas sob nova luz e novo olhar - o olhar da consciência e mente despertas. É como se estivéssemos olhando para tudo aquilo pela primeira vez.  E a partir deste novo olhar, toda a nossa vida é renovada e adquire nova cor, novo significado... mas também novos desafios.

Percebemos então, que durante toda a nossa vida estivemos adormecidos. Olhamos para trás e vemos os dias, meses e anos vividos sem um propósito maior, sem uma noção mais profunda da vida real - a vida integral, a vida espiritual - sem fazermos um esforço real e intencional em sermos melhores e mais amorosos a cada dia. Dormíamos. Dormíamos mesmo quando pensávamos estar despertos e não podíamos então compreender porque sentíamos um vazio tão grande no peito. Este vazio era na verdade o nosso Sol interior, nos chamando para este despertar de consciência. E cada dia se renova com novos desafios, novas oportunidades de despertar um pouco mais, de erguer um pouco mais o véu de Isis.

Hoje vibramos com todo nosso amor pelos irmãos que ainda dormem. Por aqueles que ainda não podem ver seu Sol interno. Por aqueles que acreditam ainda que a vida é mera repetição de gestos mecânicos; que ainda não pararam um momento sequer para se dedicar a reflexões mais profundas e por isso vivem reativamente; que ainda crêem que há algum benefício em tirar vantagem sobre tudo e todos; que não descobriram a alegria de fazer alguém sorrir; que não saborearam ainda a mais absoluta vitória de todas: a vitória sobre si mesmo.

Vibremos para que uma nova e gloriosa manhã se descortine para estes queridos irmãos, trazendo-lhes suavidade, amor e fraternidade. Trazendo-lhes o ímpeto pelo autoconhecimento, pela busca da verdade, pela compreensão e tolerância do outro. Vibremos de toda nossa alma e de todo nosso coração, para que este primeiro contato, este primeiro despertar, encontre terra fértil. E que a partir dele um novo mundo cheio de bondade, significado e responsabilidade finalmente resplandeça. E que diante dos desafios, das desilusões e da incompreensão que encontrarem, sintam-se ainda mais motivados e fortificados em sua busca pela Verdade e pelo Amor.

Que a partir desse despertar espiritual e consciencial, a atenção e o foco de cada ser humano se volte para seus pensamentos e sentimentos diários, na busca por purificar sua conduta em todas as situações e no esforço contínuo em aprender a amar cada ser e elemento da Criação como uma parte querida de nós mesmos.

Importante, no entanto, na vida cotidiana, saibamos respeitar o tempo de despertar de cada um. Muitos ainda não chegaram na sua aurora espiritual. Como uma linda criança que dorme e sonha com um mundo de fantasia, sem se dar conta da existência do mundo real, de seus deveres e responsabilidades. A querida criança não sabe que dorme e acorda-la de maneira brusca e forçada poderia lhe causar tristes transtornos.

Por isso, velemos com carinho por aqueles que ainda dormem. Mas estejamos prontos de braços abertos esperando por eles no dia em que decidirem despertar e ver de fato e pela primeira vez, a vida em toda sua riqueza e oportunidades de crescimento! Que tenhamos a sabedoria e a abnegação para ampará-los no primeiro abrir de olhos, para que a Luz não os cegue. E que então, com os olhos e coração acostumados à Luz, possamos caminhar todos juntos, unidos no mesmo ideal.

Paz e Luz a todos!

Vibração Coletiva (14/01/2015) – Despertando

DESPERTANDO

Como é mágico o momento em que abrimos os olhos aos primeiros raios de Sol. Quando olhamos ao redor e contemplamos as coisas, fatos e pessoas sob nova luz e novo olhar – o olhar da consciência e mente despertas. É como se estivéssemos olhando para tudo aquilo pela primeira vez.  E a partir deste novo olhar, toda a nossa vida é renovada e adquire nova cor, novo significado… mas também novos desafios.

Percebemos então, que durante toda a nossa vida estivemos adormecidos. Olhamos para trás e vemos os dias, meses e anos vividos sem um propósito maior, sem uma noção mais profunda da vida real – a vida integral, a vida espiritual – sem fazermos um esforço real e intencional em sermos melhores e mais amorosos a cada dia. Dormíamos. Dormíamos mesmo quando pensávamos estar despertos e não podíamos então compreender porque sentíamos um vazio tão grande no peito. Este vazio era na verdade o nosso Sol interior, nos chamando para este despertar de consciência. E cada dia se renova com novos desafios, novas oportunidades de despertar um pouco mais, de erguer um pouco mais o véu de Isis.

Hoje vibramos com todo nosso amor pelos irmãos que ainda dormem. Por aqueles que ainda não podem ver seu Sol interno. Por aqueles que acreditam ainda que a vida é mera repetição de gestos mecânicos; que ainda não pararam um momento sequer para se dedicar a reflexões mais profundas e por isso vivem reativamente; que ainda crêem que há algum benefício em tirar vantagem sobre tudo e todos; que não descobriram a alegria de fazer alguém sorrir; que não saborearam ainda a mais absoluta vitória de todas: a vitória sobre si mesmo.

Vibremos para que uma nova e gloriosa manhã se descortine para estes queridos irmãos, trazendo-lhes suavidade, amor e fraternidade. Trazendo-lhes o ímpeto pelo autoconhecimento, pela busca da verdade, pela compreensão e tolerância do outro. Vibremos de toda nossa alma e de todo nosso coração, para que este primeiro contato, este primeiro despertar, encontre terra fértil. E que a partir dele um novo mundo cheio de bondade, significado e responsabilidade finalmente resplandeça. E que diante dos desafios, das desilusões e da incompreensão que encontrarem, sintam-se ainda mais motivados e fortificados em sua busca pela Verdade e pelo Amor.

Que a partir desse despertar espiritual e consciencial, a atenção e o foco de cada ser humano se volte para seus pensamentos e sentimentos diários, na busca por purificar sua conduta em todas as situações e no esforço contínuo em aprender a amar cada ser e elemento da Criação como uma parte querida de nós mesmos.

Importante, no entanto, na vida cotidiana, saibamos respeitar o tempo de despertar de cada um. Muitos ainda não chegaram na sua aurora espiritual. Como uma linda criança que dorme e sonha com um mundo de fantasia, sem se dar conta da existência do mundo real, de seus deveres e responsabilidades. A querida criança não sabe que dorme e acorda-la de maneira brusca e forçada poderia lhe causar tristes transtornos.

Por isso, velemos com carinho por aqueles que ainda dormem. Mas estejamos prontos de braços abertos esperando por eles no dia em que decidirem despertar e ver de fato e pela primeira vez, a vida em toda sua riqueza e oportunidades de crescimento! Que tenhamos a sabedoria e a abnegação para ampará-los no primeiro abrir de olhos, para que a Luz não os cegue. E que então, com os olhos e coração acostumados à Luz, possamos caminhar todos juntos, unidos no mesmo ideal.

Paz e Luz a todos!

Roger Responde 193 – A suposta descoberta da Atlântida na região do Triângulo das Bermudas.

193 – Pergunta (26/08/2013): Roger, você leu sobre as pirâmides encontradas no Triângulo das Bermudas? http://piramidal.net/2013/03/13/antiga-cidade-submersa-e-encontrada-no-triangulo-das-bermudas-seria-atlantida/ “No fundo do oceano, na área do Triângulo das Bermudas, um grupo de cientistas canadenses descobriu uma cidade perdida. A noroeste da costa de Cuba, a 700 metros de profundidade, um robô submarino tirou as fotografias das ruínas de edifícios, quatro pirâmides gigantes e um objeto parecido com uma esfinge. Especialistas sugerem que os edifícios pertencem ao período pré-clássico do Caribe e da história da América Central. A antiga cidade podia ser habitada por uma civilização semelhante aos habitantes de Teotihuacán (cidade fantasma de cerca de 2000 anos, localizada a 50 km da cidade do México). Apesar de ainda ser cedo, os cientistas afirmam que as ruínas pertencem a uma antiga civilização da América Central do período pré-clássico; já os pesquisadores independentes afirmam que as ruínas provavelmente são de Atlântida, o lendário continente desaparecido mencionado pela primeira vez pelo filósofo Platão. Independentemente das suas origens, o achado é revolucionário, uma das maiores descobertas arqueológicas dos últimos tempos”. Você poderia nos acrescentar algo?

Roger: Estranho receber tantos e-mails e mensagens no Facebook com este mesmo questionamento. Esta é uma informação antiga que até hoje não foi comprovada. Mas, como foram vários e-mails, então vamos lá… Os nossos dois livros sobre a Atlântida (“Atlântida – No Reino da Luz” e “Atlântida – No Reino das Trevas”) foram os dois mais surreais que escrevemos. Neles, abordamos com profundidade aspectos da vida de um avançado povo que viveu há milhares de anos na Terra. Relatamos o uso de energias e poderes ainda incompreensíveis ao homem moderno. Explicamos que a Atlântida era muito mais que uma pequena ilha próxima ao “portal de Hércules”. Esta foi a pequena ponta que os gregos antigos conheceram, pois a Atlântida era um vasto continente que abrangia das ilhas Canárias, na Europa, até próximo da costa da Flórida, mais especificamente na região do triângulo das Bermudas, onde existia a grande pirâmide de Posseidon, que rachou durante a submersão da Grande Ilha e passou a liberar a poderosa energia Vril, fato que até hoje causa os fenômenos já conhecidos, como o desaparecimento de barcos e a rotineira alteração da leitura dos instrumentos de navegação.

Em determinado trecho do livro “Atlântida – No Reino da Luz” afirmamos: “Essa condição especial da Atlântida é um dos motivos pelos quais os arqueólogos não conseguem localizá-la nos dias atuais. Inclusive a Grande Pirâmide, submersa na região do triângulo das bermudas, “brinca” com aqueles que a buscam, aparecendo e desaparecendo, em meio à névoa submarina, por ser de natureza semi-material”.

Logo, nada mais posso dizer a respeito dessas revelações que surgem todos os anos, pois existem muitas especulações e, algumas, são um tanto imaginárias. No momento em que a Alta Espiritualidade da Terra achar pertinente revelar a Atlântida ao mundo atual, todos saberemos de forma clara e inconteste. Portanto, prefiro me isentar destes debates. Já basta as infindáveis polêmicas sobre o período de Akhenaton, que relatamos no livro “Akhenaton – A Revolução Espiritual do Antigo Egito”. Neste outro livro, apresentamos informações amplamente defendidas pelos arqueólogos, com clareza de detalhes, mesmo assim, recebo e-mails com certa frequência defendendo teorias imaginárias de outros livros. Ou então os debates sem fim sobre quem é mais poderoso: magos negros ou dragões.

O que tínhamos que escrever sobre estes temas, já escrevemos. E o que teremos de escrever sobre Jesus e outros momentos marcantes da história de nossa humanidade, nós também relataremos no momento oportuno. Logo, deixo os debates sobre a veracidade ou não dos fatos, para vocês, leitores, que apreciam e (devem apreciar) buscar respostas em todos os caminhos. O meu papel é o de trazer as mensagens espirituais que consigo captar; já o papel dos leitores é estudá-las e buscar respostas sensatas e coerentes em sua instigante jornada pelo caminho do despertar espiritual.

Roger Responde 157 – As transformações desejadas para a Nova Era dependem de nós mesmos

157 – Pergunta (17/12/2012): Os presídios estão a cada dia mais lotados, o crack domina os moradores de rua, a corrupção predomina nos governantes, as famílias se esfacelam, assassinatos aumentam entres os maridos e mulheres e até os filhos, uma competição predatória como se fossem animais prevalece no mercado de trabalho e até entre colegas, os jovens se iludem com uma propaganda maciça da aparência e dos últimos lançamentos tecnológicos… tendo que adquiri-los de qualquer forma, mesmo que os pais não tenham condições de lhes proporcionar… e ao mesmo tempo os mesmos não educam os filhos para enxergarem os verdadeiros valores do ser humano… Então ! Vive-se um caos, predominante na atual civilização,… o ser humano perdido nos caminhos da sua vida material e na essência de sua alma… Bem sabemos que cabe a cada um a cura da ignorância em relação aos verdadeiros valores, que nos distancia da sublime caminhada para o entendimento o do porque existimos e porque encarnamos… A alma primitiva não possui ainda a noção e nem tem o desenvolvimento do Amor, da Ternura e da Fraternidade… Jesus assim enxergava cada ser, sabia das limitações de cada um,… sua missão foi elucidar o caminho para as verdades da alma… Cabe então a nós, sermos mais um nessa dura, mais gratificante missão de levarmos a luz que irá apagar as trevas, o céu que irá sobrepor os abismos da alma, o Amor sobre o ódio, A Ternura sobre o mal. Precisamos acreditar nisso ! Precisamos ter a esperança de que tudo que citei no início seja vencido Que saibamos contribuir e agradecer , dia a dia , tudo que o Mestre nos deu. Muita evolução pra você Roger !

Roger: No final do novo livro “Universalismo Crístico Avançado” fazemos a seguinte reflexão:

“Hermes nos ensinou há milênios, na famosa “Tábua de Esmeraldas”, a Lei da Correspondência. “O que está em cima é como o que está embaixo. E o que está embaixo é como o que está em cima”. A nossa atenção está tão concentrada no microcosmo, o nosso pequeno mundo, o nosso umbigo, como se diz, que não percebemos o imenso macrocosmo à nossa volta. O princípio da correspondência afirma que o que é verdadeiro no macrocosmo também o é no microcosmo, e vice-versa. Portanto, podemos aprender as grandes verdades do Cosmo observando o modo pelo qual elas se manifestam em nossa vida. Se sabemos que cada célula do corpo contém o conhecimento e a estrutura de todo o organismo, podemos, na qualidade de células de Gaia, o grande organismo planetário, mudar a face da matrix a partir de nossa ação individual, como se fôssemos cordas que mudam a sua vibração, trazendo uma nova e transformadora música. É fato! O microcosmo pode influenciar e mudar o macrocosmo! Basta termos consciência disso. O sistema fará oposição à mudança por causa da sua inércia e desconhecimento. Porém, é possível, sim, promover a Grande Mudança, assim como o massoterapeuta é capaz de harmonizar todo o corpo apenas estimulando pontos específicos dos pés e das mãos, utilizando técnicas de reflexologia. O Todo mora na intimidade de cada unidade! Cada célula de nosso corpo tem, na sua estrutura íntima, o código de todo o organismo. Desse modo, nós, filhos da Terra, temos esse mesmo código em nossa alma com relação à Gaia. Apenas ainda não temos consciência disso. Quando tivermos, o mundo nunca mais será o mesmo… Mudar o mundo depende apenas da ação consciente que cada um de nós puder promover.”

Eis o grande sentido e importância da vibração coletiva por um mundo melhor que realizaremos nessa semana, na virada de quinta para sexta-feira, dia 21, entrada da Terra na “Era da Luz”. Para mudarmos o mundo precisamos “construir uma nova realidade”. Termos a consciência de que fazemos parte desse grande corpo que é a humanidade terrena, e que podemos a partir de nossas intenções e pensamentos mudar a sintonia do mundo e estabelecer uma nova consciência. O resultado estará diretamente ligado ao engajamento sincero de todos nesse esforço.

No novo livro, citado acima, expomos até a exaustão que a Nova Era se concretizará na Terra a partir da tomada coletiva de consciência da humanidade. Para vencer as sombras, o ódio e o medo; precisamos da Luz, do amor e do autoconhecimento para assim despertarmos e fazermos a nossa parte.

Aqueles que desejam um mundo melhor, façam a sua parte nesse dia 21, direcionando os seus mais puros pensamentos e sentimentos para criar a egrégora de Luz que erigirá um mundo melhor.

E como o mundo não vai acabar no próximo dia 21 e, sim, vamos entrar na Era da Luz, de prosperidade e avanço da humanidade, informo a todos os queridos amigos do Universalismo Crístico que estamos projetando uma viagem de oito dias para Machu Pichu, no Peru,  em maio de 2013. Reservem esse período em suas agendas. Em breve, traremos mais informações neste site.

Paz e Luz a todos e boas entradas para todos nós no dia 21, que será uma data mais importante para a Terra que a tradicional virada do ano.

Roger Responde 141 – Reflexões sobre o papel do Universalismo Crístico

141 – Pergunta (27/08/2012): Atualmente vivo na França e fiquei perplexo ao saber que aqui a maioria das pessoas (pelo menos as que têm menos de 50 anos) são ateias. Desconsiderando Portugal e Espanha, parece ser muito difícil encontrar pessoas na Europa que acreditem em qualquer coisa que remeta à espiritualidade. Não me impressiona a ideia de o Espiritismo ter morrido na França, uma vez que aqui, as igrejas que foram frequentadas por séculos hoje não passam de museus. Também aqui conheci inúmeras pessoas do extremo oriente que não creem em nada. Fica evidente a necessidade urgente de conscientização espiritual da humanidade que seja coerente e lógica como é o caso do Universalismo Crístico. Mas o que me preocupa é como conseguiremos triunfar diante desse quadro de total alienação das verdades espirituais. Qual o real papel do Brasil nessa missão? Sempre que encontro corações que estejam em sintonia com as novas ideias, eu apresento os ideais do UC. Fico feliz a cada novo encontro, como quando frequentei o grupo de estudos do UC em São Paulo. Trabalho como posso para ajudar a alta espiritualidade e elevo frequentemente meus pensamentos para que triunfe teu trabalho sob a orientação do mestre Hermes.

Roger: Realmente estamos vivendo um final de ciclo em que o modelo religioso do passado não atende mais aos anseios da humanidade. O problema não é que as novas gerações não tem Deus no coração, como afirmam alguns religiosos, mas, sim, que a linguagem impositiva das religiões do passado nada mais tem a lhes dizer. Está chegando ao fim a era das religiões impositivas.

Por isso, sem dúvida, a consciência espiritual do terceiro milênio, o Universalismo Crístico, precisa ser divulgado e implantado nas consciências de pessoas que são do bem, mas encontram-se afastadas do saber espiritual por ver nas religiões somente cerceamento da liberdade e imposição de dogmas ultrapassados e insensatos.

No livro “Universalismo Crístico Avançado”, lançado na semana passada, ( veja em http://www.universalismocristico.com.br/#!livros/vstc5=uca ) abordamos a necessidade  do estudo da filosofia e dos conceitos do Universalismo Crístico, que deveriam fazer parte das disciplinas educacionais das escolas e universidades. Creio que somente plantando esses conceitos na mente de nossas crianças é que construiremos um futuro melhor. Nós deveríamos estimular nos jovens o saudável hábito de filosofar, em vez de apenas ensinarmos cultura religiosa, ainda que ela também seja importante para a formação humana, pois passamos a conhecer a história de nosso mundo, das civilizações e de suas crenças.

Hoje em dia, os homens parecem robôs, que são facilmente dominados por instrumentos de manipulação de massas. Tudo porque a filosofia, o ato de pensar e chegar a uma conclusão por reflexões próprias, foi completamente abandonado no modelo educacional vigente. As escolas precisam resgatar o modelo educacional filosófico e reflexivo. Hoje em dia, os alunos apenas decoram as matérias, sem “integrar o conhecimento”. Eles não compreendem o significado daquele saber para o seu desenvolvimento humano e espiritual.  Muitos nem sequer se lembram mais do que estudaram no ano anterior, tornando-se adultos sem opinião própria e sem capacidade de conceber reflexões que poderiam ser de grande valia em sua profissão e vida.

Se o desenvolvimento filosófico do ser humano pode torná-lo um homem consciente dentro dos cenários da política, economia, sociedade, ecologia, psicologia, ética, antropologia, ciência e a vida em geral, imagina o quanto pode fazer pelo homem se ele desenvolver também esse viés no campo da metafísica, ou seja, da espiritualidade. Sem dúvida, tornar-se-á um novo homem e um candidato perfeito à felicidade e à paz.

Roger Responde 072 – Como o Universalismo Crístico atuará em relação ao desenvolvimento e educação da mediunidade?

072 – Pergunta (02/05/2011): Prezado Roger, quero expressar a emoção que estou sentindo nesse momento, ao terminar seu livro UNIVERSALISMO CRÍSTICO. Sinto-me com o peito iluminado, inundado pelo amor e pelo contentamento em ter encontrado, finalmente, uma literatura que se coadune com meus sentimentos e pensamentos. Já passei pelo catolicismo e por alguns centros espíritas. Porém, confesso, não consegui me encaixar em nenhum deles. A filosofia, em si, é maravilhosa. Porém, carregada de culpa, de lógicas matemáticas quanto à lei de ação e reação e, muito mais, pela carga emocional dos homens que a interpretam. Sempre acreditei em um Deus soberanamente justo e bom e, por isso, quando ouvia certas interpretações, aquilo me doía na alma. Há anos estou buscando meu crescimento espiritual, libertando-me, procurando ascender pelo amor. Ao ler o seu livro, senti que mais alguém também pensa e sente como eu. Em minha vida, muitas vezes acabei adoecendo por me fechar e negar, quando não consegui me encaixar em certos padrões sociais e religiosos. Fechei-me em meu “casulo”, adormecendo certos sentimentos. Mas, a vida é um ciclo ascendente e o adormecido acorda, desperta. Estou vivenciando agora, mais uma vez, e graças a você, a experiência do despertar. Porém, tenho uma dúvida. Neste despertar, também despertou, novamente, minha mediunidade. Tenho sentido no peito uma sensação diferente. Tem dias que estou em um verdadeiro torpor. Recebi alguns convites para trabalhar mediunicamente em centros espíritas, mas… como sempre, fico com receio. Minha pergunta é: Como o Universalismo Crístico atuará em relação ao desenvolvimento e educação da mediunidade? Ainda precisaremos das casas espíritas para isto? Ou, como você disse, tudo é mental e temos que aprender por conta própria (às vezes sinto que não conseguirei…)?

Roger:  Temos recebido cada vez mais manifestações como essa. E isso é uma agradável surpresa! Quando estabelecemos o roteiro de implantação do Universalismo Crístico na Terra, sempre com o sábio aconselhamento de Hermes e dos demais mentores espirituais, definimos como meta inicial que o Universalismo Crístico deveria ser um ideal que permeasse todas as religiões, revitalizando-as, para que atendessem às necessidades de seus fiéis. A função do Universalismo Crístico, nesse momento, não era de substituir as religiões, mas auxiliá-las a evoluírem em um mundo em constante movimento. Qualquer pessoa desavisada, mesmo com a força atual das igrejas de massas, se fizer uma sincera reflexão, livre de paixões, perceberá que esse modelo está em franco declínio. Uma pessoa lúcida não tem como negar essa evidência. Basta apenas uma mínima conscientização espiritual para perceber que as religiões, da forma em que se encontram, pouco tem a oferecer para o real progresso espiritual de seus seguidores.

Acreditávamos que somente na próxima geração a humanidade estaria totalmente liberta de rótulos religiosos e da visão patriarcal das religiões. Mas, para a nossa agradável surpresa, percebemos um número expressivo de pessoas, de todas as idades, desejando prosseguir em sua jornada de crescimento espiritual independente das religiões. Contudo, isso não nos isenta do compromisso de dar subsídios aqueles que desejam prosseguir em suas religiões, contudo, provocando os debates internos oferecidos pelo ideal do Universalismo Crístico. As religiões precisam ser instigadas a esse debate filosófico. E o apoio, de seus membros que já conseguem ver mais além, é essencial.

A partir desse cenário de amplo crescimento de adeptos do UC sem religião, precisamos acelerar o nascimento e desenvolvimento dos núcleos regionais do Universalismo Crístico para que sejam criadas estruturas independentes para abrigar aqueles que desejam prosseguir em sua jornada espiritual livre das religiões. Só assim poderemos criar cursos e ambiente para um saudável desenvolvimento mediúnico, além de um espaço para divulgação dos conhecimentos espirituais de todos os grandes mestres da humanidade, e ,também, iniciativas para inclusão social e educacional das comunidades locais, etc. etc.

Cada vez mais todos que se sintonizam com o ideal do Universalismo Crístico, (fato que ocorre também pelo compromisso assumido no plano espiritual antes de reencarnarmos), devem partir para a ação, procurando apoiar os grupos regionais que já surgiram (veja os grupos já formados nesse site, link “grupos”), trazendo a sua contribuição e também partindo para o pioneirismo, estabelecendo os grupos em regiões que ainda não existem. Lembrem-se, estamos construindo a estrada por onde as gerações futuras trafegarão por séculos e séculos no futuro. Todos nós estamos fazendo história! Feliz daquele que participar ativamente desse grande momento evolutivo de nossa humanidade.

E sempre é importante lembrar que os grupos que se formarem e os atuais devem manter sempre uma visão e um perfil de atuação universalista, sem agregar as idiossincrasias das religiões. Os grupos regionais do UC devem ser livres de dogmas, procedimentos e rituais que venham a caracterizá-los como um apêndice de qualquer outra religião. O Universalismo Crístico é uma filosofia espiritual que utiliza-se de estudos universais para apoiar o desenvolvimento espiritual de seus adeptos. Todas as crenças específicas, não aceitas universalmente, devem ser apenas objeto de debate. Jamais devem tornar-se uma crença absoluta e arraigada dentro dessa agremiação que tem por função ser um fértil terreno de debates e estudos. O ideal do Universalismo Crístico é uma forma de pensar absolutamente livre. Jamais deve se aprisionar às crenças pessoais de quem quer seja.

Roger Responde 051 – Explicações sobre os magos negros

051 – Pergunta (06/12/2010):  Acabo de ler o livro “Atlântida – No Reino das Trevas” e, de antemão, cumprimento-o pela obra. Uma questão me deixa intrigado e gostaria de esclarecimento. A narrativa me deixou a impressão de que os magos negros atlantes, por seu conhecimento e poder, suplantaram de certa forma os padecimentos que seriam esperados tanto no plano astral como em futuras encarnações. Tome-se como exemplo o caso de Arnach. Após a queda do continente atlante, construiu para si um ‘império mental’ a seu gosto que perdurou por milênios; viveu sua ‘falsa’ realidade por longo tempo até retornar para a luz e viver a experiência física novamente. Certo é que não podemos nos afastar da colheita obrigatória nem de pagar nosso último ceitil; porém, o que nos pareceu com a narrativa é que o espírito avançado no campo psíquico/mental, ainda que imensamente atrasado no amor ao próximo, leva uma ‘vantagem’ sobre o espírito mais simplório. Reforço que esta é uma impressão que o livro me suscita; não creio que seja assim. Por isso, gostaria de mais explicações nesse ponto.

Roger:  O mundo espiritual é essencialmente de natureza mental, ou seja, um reflexo de nossa própria consciência. Se somos virtuosos, a nossa mente sintoniza-se com as esferas sublimes, entrando em uma frequência de luz. Porém, se vivemos em desacordo com a lei suprema “ama ao teu próximo como a ti mesmo e não faça aos outros o que não gostaria que te fizessem”, nossa mente, em sua estrutura inconsciente, cobra-nos por estarmos em conflito com esse principio divino, precipitando-nos às sombras, onde se fará presente em nossa tela mental todas as coisas que abominamos, entre elas, dor (na condição de remorso) e miséria.

Naturalmente esse é o destino das almas corrompidas, principalmente devido a carga trazida através de todos os relatos das religiões a cerca do Inferno. Assim é, para espíritos comuns, inevitável que a consciência cobre o seu preço, infligindo a ele até mesmo deformações no corpo perispiritual, por mais que o infrator deseje se enganar. No entanto, os magos negros atlantes são seres que sempre possuíram assombroso poder mental, desenvolvido com afinco em seus rituais de magia e hipnose. Após desencarnarem na extinta Atlântida, perceberam que poderiam controlar inclusive a área inconsciente de suas mentes, projetando para si um mundo ilusório de conforto, poder e requinte, mesmo vivendo no reino das sombras. E é essa a maior perdição das sombras… O prazer de viver na opulência. Caso não fosse assim, todos retornariam para a luz rapidamente. Mas Deus precisa dos senhores da escuridão para ajudar no trabalho de despertamento das almas primitivas, que estagnam no processo evolutivo. Assim como nós precisamos dos policiais e do exército para livrar os morros cariocas da criminalidade. Eles não ouviriam a mensagem evangélica. Pastores, padres e demais líderes espirituais não seriam ouvidos. Criminosos contumazes necessitam de forças mais intensas para serem chamados à razão. Assim ocorre também com as consciências mais primitivas de nosso mundo.

Certamente que ninguém foge da colheita daquilo que plantou, como sabiamente nos ensinou Jesus. No entanto, Deus permite esse “momentâneo” período de ilusão dos magos negros para que obtenham um aprendizado de acordo com as suas necessidades evolutivas incomuns. Deus não deseja o sofrimento e a autopunição de seus filhos. Nós é que nos flagelamos com os dramas de nossas próprias consciências. Deus não condena, apenas aguarda serenamente a nossa redenção espiritual. Ele espera pacientemente que retifiquemos os nossos erros e que aprendamos a viver em harmonia com o Universo.

Arnach pode ter passado ao leitor a ideia de impunidade; mas, no transcorrer desses séculos, também teve as suas amarguras, e se protegeu dela, da forma que lhe era possível, com a armadura da ilusão. Hoje em dia ele necessitará realizar uma grande tarefa transformadora no mundo dos homens para resgatar os seus erros. Ele pagará até o ultimo ceitil, como reza a Lei Maior, mas com um verdadeiro trabalho voltado para o Bem coletivo. É isso que Deus espera de nós… que nos tornemos pessoas melhores. Dor e sofrimento é uma construção da mente humana em desalinho com a sua natureza divina. Lembrem-se: culpa e medo são construções de nossas mentes. Deus não quer isso para nós. Nós construímos esses sentimentos deturpados e promovemos um autoflagelo que muitas vezes nem percebemos.

Se não fosse dessa forma, Deus teria privilegiado Paulo de Tarso, que era um assassino de cristãos até o seu encontro com Jesus na estrada para Damasco, onde modificou totalmente a sua vida para a Luz e foi recebido no plano espiritual como um grande vencedor e passou a habitar as paragens celestiais.

E como nos narra o livro, caso Arnach fracasse nessa missão abençoada, sofrerá a ação implacável da lei cármica, sem privilégios, porque a lei de Deus é igual para todos, mas sempre respeitando o momento evolutivo de cada um. Deus oferece o remédio de acordo com a enfermidade de cada alma. Carma é reeducação da alma. Não é punição! Depende somente de como vemos o mundo. Para alguns, nascer em situação menos favorável é castigo divino. Já para almas focadas no Bem é oportunidade de trabalho em nome do Cristo dentro de um cenário mais instigante. Existem médicos que preferem atuar na África ou em outras regiões assoladas pela miséria para levar o Bem a todos. Outros já preferem o conforto de seus consultórios. Quem está mais perto de Deus?