Tag evolução

Aceitando as diferenças

Somos todos filhos do mesmo Pai, provenientes da mesma Fonte Criadora e, portanto, todos irmãos. Porém cada um traz consigo sua própria bagagem e vivências. Cada um de nós é uma face do Todo Cósmico a evoluir e, assim, todos diferentes em cores, experiências, linguagens a nos unirmos em um só coração.

Aprender a aceitar as diferenças é um exercício de amor incondicional, pois são elas que nos ajudam a crescer, evoluir em sabedoria e amor. Devemos lembrar que nessa caminhada ninguém é portador da verdade absoluta, pois enxergamos a vida dentro de nossas limitadas visões e crenças.

Por isso, o respeito deve ser a base de toda nossa experiência evolutiva, pois ele é parceiro do amor.

Vamos hoje unir nossos pensamentos vibrando pela dignidade no nosso mundo rico em diferenças, onde podemos nos expressar com liberdade e bem-estar!

Paz e Luz a todos!

Vibração Coletiva (15/07/2015) – Aceitando as diferenças

Aceitando as diferenças

Somos todos filhos do mesmo Pai, provenientes da mesma Fonte Criadora e, portanto, todos irmãos. Porém cada um traz consigo sua própria bagagem e vivências. Cada um de nós é uma face do Todo Cósmico a evoluir e, assim, todos diferentes em cores, experiências, linguagens a nos unirmos em um só coração.

Aprender a aceitar as diferenças é um exercício de amor incondicional, pois são elas que nos ajudam a crescer, evoluir em sabedoria e amor. Devemos lembrar que nessa caminhada ninguém é portador da verdade absoluta, pois enxergamos a vida dentro de nossas limitadas visões e crenças.

Por isso, o respeito deve ser a base de toda nossa experiência evolutiva, pois ele é parceiro do amor.

Vamos hoje unir nossos pensamentos vibrando pela dignidade no nosso mundo rico em diferenças, onde podemos nos expressar com liberdade e bem-estar!

Paz e Luz a todos!

Roger Responde 269 – Jesus evoluiu em linha reta ou cometeu deslizes em sua jornada como todos nós?

269 – Pergunta (25/05/2015):  Bom dia, no livro O consolador pelo Espírito: EMMANUEL, médium: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER, consta a seguinte pergunta: 243 –Todos os Espíritos que passaram pela Terra tiveram as mesmas características evolutivas, no que se refere ao problema da dor? -Todas as entidades espirituais encarnadas no orbe terrestre são Espíritos que se resgatam ou aprendem nas experiências humanas, após as quedas do passado, com exceção de Jesus-Cristo, fundamento de toda a verdade neste mundo, cuja evolução se verificou em linha reta para Deus, e em cujas mãos angélicas repousa o governo espiritual do planeta, desde os seus primórdios. Mas segundo Ramatis, Jesus não evoluiu em linha reta…. Então como entender estas divergências entre estas informações?

Roger: Querido amigo, as nossas paixões e crenças muitas vezes nos pregam peças… o excesso de religiosidade, em algumas vezes, é prejudicial, porque faz com que terminemos endeusando criaturas, enquanto somente o Criador deve ser visto na condição de absoluta e perfeita divindade. Jesus foi o espírito mais excelso a pisar no solo deste nosso mundo, mas não podemos negar que há milhões de anos, em outros mundos, ele realizou a sua jornada evolutiva, assim como nós, entre erros e acertos, até obter o discernimento necessário para atingir o seu estado de plenitude para os padrões espirituais da Terra. Considerar Jesus a personificação de Deus é um erro tremendo. Jesus está a milhões de quilômetros de distância Deus, e nós estamos a bilhões de quilômetros de distância. Esta é uma metáfora que demonstra a distância que estamos de Deus e de Jesus.

Jesus não evoluiu em “linha reta” para Deus, caso fosse assim, ele não conheceria as agruras e dificuldades do pecado, para ser tão misericordioso e compreensivo com as falhas de seus irmãos menores. Quem nascesse na condição de anjo, desconheceria as dificuldades do caminho, e, portanto, não teria credenciais para estar em tão alto patamar. Por isso somos categóricos em afirmar: a classe dos anjos não existe. Anjos são os espíritos comuns, que devido a sua longa jornada pelo caminho da luz, terminam por alcançar este título. Nada mais que uma evolução tão darwinista quanto a evolução das espécies de nosso mundo, que não foi criado por Deus em sete dias, mas em 4,5 bilhões de anos, através de um lento processo de aperfeiçoamento das espécies, desde seres unicelulares até o homem. O tempo não é nada para Deus. E existem infinitas escolas como a Terra por todo o Universo. Não há porque ter pressa na formação de novos mundos.

A excessiva adoração religiosa dos homens, fez com que perdessem a dimensão das coisas. Da mesma forma que o homem achava que a Terra era o centro do Universo e hoje compreende que o nosso mundo é apenas um pequeno planeta em uma das infindáveis galáxias do Universo, assim temos que analisar a distância que nos separa de Deus. O Espírito Criador é infinitamente maior que qualquer um de nós, inclusive Jesus. E o grande mestre Jesus pode ter evoluído de forma “mais reta” que todos nós, mas certamente também cometeu erros e enganos que são naturais a todo aquele que está peregrinando da ignorância para a plenitude da consciência.

Vibração Coletiva (29/04/2015) – “Indivíduo – Em busca do Fraterno Ser”

Indivíduo -? Em busca do Fraterno Ser.
A alma, o receptáculo do espírito fractal universal de ser, que encarnado se torna um indivíduo terrestre com o aprendizado experimental no autoconhecimento humano. Na realidade coletiva humana, faz com que o ser cresça neste planeta seguindo as normas e os critérios, as bases estabelecidas na sociedade dos conceitos de humanidade.
Pai e Mãe, irmãos, vidas que conjuntas geram as famílias, famílias que se encontram e geram os amigos, amigos que se tornam conhecidos, reconhecidos, queridos, verdadeiros, se unem, se afastam e geram o nosso crescimento como ser humano.
As trocas humanas, gerador da energia potencial da experiência para evolução, física, psicológica e emocional de todo humano.
As escolhas, as decisões, os caminhos, a forma, a conduta, a formação de nossos valores internos que vão nos guiar em todo nossa vida nas consequências de nossas ações.
As ilusões, os desejos, os anseios, enganos e desenganos do que somos, para o que viemos e o que queremos com nossa vida?
Se o mais lindo tesouro nos fosse presenteado pela Criação, qual seria este?
“Porque, onde estiver o teu tesouro, aí também estará o teu coração’’. Mateus 6;21
Onde você decidir ser e estar, odiar ou não odiar, amar ou não amar, viver à vida ou sobreviver, ai se encontra a construção de sua evolução como ser.
Para quem vibrar? Para o que mentalizar? O que se quer ser?
São estas as bases, que possibilitam formar o Ser que assumirá a conduta fraterna ao planeta, quando esta conduta interna for para consigo, assim como para o seu próximo.
Queremos o nosso bem? Queremos o bem ao próximo?
Lembremos a chave que o Mestre Amor nos repassou:
“Não faça ao teu próximo, aquilo que não gostaria que fizessem contigo”.
“Dai à César o que é de César e a Deus o que é de Deus”
O que é esse Deus em nosso interior? Um Deus de Amor ou de Dor, o que queremos que seja?
O Livre Arbítrio é nosso, e não existem prisões, existem prisioneiros de nossa própria ignorância e padrões estabelecidos na manutenção de nosso “Infantil Controle” que não existe, pois se o Criador nos deu o Livre Arbítrio, como dizer que não podemos, em verdade a decisão é sempre nossa.
Nessa Vibração Coletiva, convidamos a todos nossos irmãos e irmãs de humanidade e em fraternidade de vivência Planetária, a mentalizarmos no aqui e agora esse “Ser o que queremos Ser”, projetando a todos as almas, que se encontrem em ser a verdade daquilo que almejam, mas não se permitem, por não se autoconhecer em sua própria Luz.
Consciência para todos nós, em Paz e Fraternidade!!

Roger Responde 238 – É possível um animal reencarnar no futuro como humano?

238 – Pergunta (25/08/2014):  Na pagina 309 do livro Universalismo Crístico Avançado existe um parágrafo onde esta relatado que um animal poderá no futuro reencanar como humano. Isto não contraria os ensinamentos do Evangelho Segundo espiritismo que deixa claro isto ser impossível?

Roger: Sinceramente não lembro que no Evangelho Segundo o Espiritismo exista esta afirmação contraditória a todo o trabalho de “cunho darwinista” de Allan Kardec. Sinceramente creio que Kardec jamais fez tal afirmação. Ele apenas enfatizou, de forma sábia e verdadeira, que o espírito jamais “involui”! Ou seja, jamais regride da condição de homem para reencarnar como um animal, assim como crê o Hinduísmo e outras religiões orientais que afirmam podermos voltar reencarnados como um boi ou uma formiga.

Os profundos livros ditados pelo espírito Ramatís, ao médium Hercílio Maes, demonstram com clareza este cenário evolutivo da alma. E vemos também esta afirmação através do respeitável pensador espírita Leon Denis, quando afirma: “o espírito segue de forma ascendente por estágios e experiências, acumulando informação, estruturando-se psiquicamente, passando pelo estado de mineral, seguindo pela experiência psíquica no vegetal, organizando-se no animal e evoluindo pelo reino hominal, nos desperta quanto à ocorrência do processo da evolução psíquica.”

Temos também a afirmação de Allan Kardec no Livro dos Espíritos na pergunta 607:  “LE 607 – Foi dito que a alma do homem, em sua origem… Sua inteligência apenas desabrocha e ela ensaia para a vida… Onde o Espírito cumpre essa primeira fase? R- Em uma série de existências anteriores ao período que chamais humanidade. LE607a – Assim, pode-se considerar que a alma teria sido o princípio inteligente dos seres inferiores da Criação? R- Não dissemos que tudo se encadeia na natureza e tende à unidade? É nesses seres, que estais longe de conhecer inteiramente, que o princípio inteligente se elabora, individualiza-se pouco a pouco e ensaia para a vida… É de algum modo, um trabalho preparatório, como a germinação, em que o princípio inteligente sofre uma transformação e torna-se Espírito…

Recomendo, também, a leitura no Wikipédia da  “Lei da evolução” http://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_da_evolu%C3%A7%C3%A3o  Nela afirma: A Doutrina Espírita chama de “Espírito” ao “princípio inteligente” após alcançar o reino hominal, isto é, após atingir a consciência moral. Esta é a individualização da alma ao reencarnar no mundo hominal. As ciências que estudam o comportamento animal, tanto a Etologia, quanto a Psicologia Comparativa surgiram no século XX, após, portanto, Kardec ter escrito a Codificação. Assim sendo, para se ter uma melhor compreensão de como o princípio inteligente evolui através dos reinos da natureza, é recomendável um estudo das obras que constam de uma bibliografia não exaustiva sobre o assunto que consta ao final deste artigo. É importante observar, para compreensão dessas obras, que, para o Espiritismo, a humanidade está em um reino à parte dos demais animais, reino este que é chamado de hominal, como visto mais acima, uma vez que somente o ser humano possui a consciência moral.

Hermes também fala sobre a evolução das “almas grupos” nos reinos inferiores até a individualização de cada consciência para seu definitivo ingresso no reino hominal. Isto em nosso livro “A Nova Era – Orientações Espirituais para o Terceiro Milênio”. Outra frase amplamente divulgada, que apresenta uma visão coerente e elegante sobre o tema, nos diz: “O Espírito dorme no mineral, sonha no vegetal, agita-se no animal e desperta no homem”.

Vibração Coletiva (22.01.2014) – O libertar para a evolução

Abençoados irmãos de caminhada terrena, nesta semana concentremos nossas vibrações para que todos nós consigamos nos libertar das amarras que criamos ao longo de nossas existências, através dos vícios adquiridos, do apego material, dos pensamentos e das atitudes inferiores e de baixa vibração a fim de que sigamos rumo à evolução espiritual planetária. A jornada espiritual a que cada um de nós compete deve ser louvada e respeitada de acordo com os princípios morais e crísticos, priorizando a todo o momento a oportunidade de evolução conferida pelo Pai Maior.

O desenvolvimento geral do indivíduo é decorrente de três fatores, sendo eles: o intelectual, o moral e o espiritual. Portanto, cabe a cada um de nós buscar o equilíbrio entre estes elementos, para que possamos vivenciar o amor e os preceito crísticos de maneira mais completa e pura. Ao libertarmo-nos dos vícios atrelados aos planos de atmosferas mais densas e impuras, tais como o cigarro, o álcool, o sexo desregrado, as drogas ilícitas, os pensamentos sombrios e os atos imprudentes e impensados visaremos o sentido real da existência: o conjunto da evolução espiritual.

Os vícios adquiridos ao decorrer das vidas de cada espírito provocam uma série de consequências danosas a curto, a médio e a longo prazo, afetando o fluido corporal físico, mental e espiritual, visto que cada atitude tomada pelo ser humano é marcada na sua composição perispiritual, o que compromete a homeostase – equilíbrio do corpo físico – e provoca a materialização de energias condensadas e umbrosas no corpo presente ou futuro do encarnado. Esta corporização dos fluidos oriundos dos vícios terrenos justifica a origem de doenças no corpo físico decorrentes dos abusos cometidos pelas drogas já citadas e, na maioria das vezes, o indivíduo não reflete acerca da consequência de usá-las. O ser humano vive limitado quando alienado nessas vicissitudes, sem o conhecimento do plano espiritual, pensando apenas no risco a sua saúde física, mas sem cogitar a amplitude dos seus atos no seu corpo eterno – o espiritual.

O alçar voo rumo à evolução que tanto a humanidade almeja depende meramente das atitudes, dos objetivos e dos pensamentos emanados pela população terrena, visto que ao nos libertarmos de pequenas ações desnecessárias, de desejos e de matérias efêmeras que não são substanciais a nossa real essência, conseguimos purificar pouco a pouco nossa morada eterna. Sabemos que “A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória”, o que nos demonstra a vertente a ser seguida em nossas vidas, libertando-nos dos nós e das doenças causadas por erros ao decorrer da nossa caminhada ao aprimoramento espiritual.

Busquemos todos os dias desatar os nós que nos prendem ou que um dia nos prenderam aos vícios e desagrados terrenos trilhando a vereda do esclarecimento e da evolução espiritual.Queridos irmãos, que fiquemos em paz e com serenidade em nossos corações.

Paz e Luz a todos!

Vibração Coletiva (15.01.2014) – Evolução do planeta Terra

Queridos irmãos, os tempos são chegados e isso já sabemos, mas como ocorrerá essa evolução do planeta? Será mesmo que ocorrerá? O que fazer para contribuir com o plano espiritual superior? Convidamos a todos nessa semana, a refletir sobre como ocorrerá a transição planetária e como cada um de nós pode auxiliar nesse processo tão esperado por todos os homens de bem.

Nenhum planeta evolui se os seres que nele se encontram não evoluírem antes, o que torna algum ambiente agradável é principalmente os seres que nele estão presentes. Se você possui dois lugares iguaizinhos e cede cada um dos espaços para duas pessoas totalmente diferentes uma da outra e deixa-as vivendo lá, cada uma em um dos lugares, por um certo tempo, certamente quando voltar eles estarão modificados, adaptados de acordo com a personalidade e o caráter de cada um.

Assim ocorre com as moradas de nosso Pai, por isso todos os problemas e mazelas de nosso mundo, são uma consequência da moral da maioria dos habitantes encarnados atualmente em nosso Planeta. Para que venha a transformar-se de um mundo de provas e expiações para um mundo de regeneração, os espíritos que nele habitam terão que se modificar, caso contrário não conseguirão mantê-lo na mesma faixa vibratória, pois os hábitos serão os mesmos e nada mudará. Não adianta trocar o cenário, pois se os atores são os mesmos, sem qualificarem-se, a peça não melhorará.

É aí que surge a grande dúvida, será mesmo que ocorrerá essa grande mudança? Sabemos que para Deus nada é impossível, mas de que adiantará que o planeta Terra seja um lugar maravilhoso, um mundo de regeneração se não houver espíritos suficientemente aptos a habitá-lo?

Todos há muito já estão sendo chamados para trabalhar na sua própria evolução, desde a época de Moisés que a espiritualidade maior nos enviou e deixou a nossa disposição o grande manual da boa conduta para engrandecer nosso espírito, mas insistimos em continuar no ócio e atrasar cada vez mais a nossa evolução e em consequência a evolução do planeta.

PRECISAMOS VESTIR A TÚNICA NUPCIAL, ou seja, limpar o nosso perispírito de todas as manchas causadas pela nossa ignorância e curá-lo, deixando de lado costumes atrasados para vibrar no amor sempre praticando o ORAI E VIGIAI. Nosso pai está recrutando os TRABALHADORES DA ÚLTIMA HORA para que possamos junto aos nossos mentores, incansáveis trabalhadores da seara do Pai, fazer com que através de nossas atitudes, mais e mais espíritos iniciem a confecção de sua túnica e sejam merecedores de um lugar melhor. Se iniciarmos a mudança hoje, deixaremos para nossos herdeiros um terreno fértil para brotar cada vez mais conhecimento e amor em nosso planeta. Eis a nossa grande missão!

Enquanto houver tempo, seguirá reencarnando na Terra os que ainda têm chances de permanecer aqui, mas muitos estão vivenciando a sua última chance e caso não mudem, ao desencarnar já não voltarão mais, ficarão aguardando, pois sua nova morada será em um outro planeta, onde o RANGER DE DENTES SERÁ UMA CONSTANTE, começarão tudo do zero, onde não existirá tempo para excessos e através do árduo trabalho para a construção de uma nova civilização, naturalmente haverão de evoluir, cada um em seu tempo. Não existe equívocos na vida criada por Deus, A CADA UM SERÁ DADO SEGUNDO AS SUAS OBRAS!

Quando ouvimos… OS ÚLTIMOS SERÃO OS PRIMEIROS E OS PRIMEIROS SERÃO OS ÚLTIMOS, PORQUE MUITOS SÃO OS CHAMADOS E POUCOS OS ESCOLHIDOS, entendemos que não adianta só ter sido o primeiro a conhecer a realidade espiritual, não basta somente acreditar na vida maior, é necessário colocar em prática os ensinamentos adquiridos, é preciso trabalho desprovido de qualquer interesse futuro por amor ao próximo. De nada adianta o conhecimento sem o amor e é por isso que muitos podem ter sido os primeiros, mas acabarão por último se não souberem trabalhar e honrar o nome do Criador.

Sabemos que mesmo iniciando agora, teremos chance de desfrutar desse novo mundo, pois O AMOR COBRE UMA MULTIDÃO DE PECADOS, vibremos no amor para a evolução!!!

Tenham uma abençoada semana, paz e luz a todos!

Roger Responde 197 – Foram os antigos atlantes os responsáveis pela evolução do macaco ao homem, o tão famoso “elo perdido” da ciência?

197 – Pergunta (23/09/2013): Olá Roger, tudo bem? Uma dúvida que fiquei ao término da leitura dos dois livros Atlântidas (Luz e Trevas). Arnach sempre dizia que nunca iria encarnar junto aos “macacos-falantes”, ou seja, entre nós terrícolas. Então fiquei pensando, os atlantes não eram humanos, não como nós. Seriam eles algum tipo de inumanos ou humanoides, ou nós, os homens dos dias de hoje que somos “feitos à imagem e semelhança deles”? Seriam as experiências genéticas deles justamente o nosso “elo perdido”? Poderia me tirar esta duvida? Grato desde já.

Roger: Sim! Exatamente isto. No texto da quarta capa do livro “Atlântida – No Reino da Luz”, afirmamos: “O leitor, neste livro, tomará conhecimento do trabalho desse elevado povo na criação da raça humana da terceira dimensão, através de engenharia genética, milênios antes, promovendo a misteriosa evolução do macaco ao homem: o “elo perdido” da ciência.” Ou seja, não foram extraterrestres ou a simples evolução darwinista que criou o homem e, sim, um milenar e gradual trabalho de interferência no código genético dos símios realizado pelos atlantes, com o objetivo de chegarmos à condição humana dos dias atuais, de forma gradual. Quando os espíritos exilados do sistema de Capela chegaram ao planeta Terra, doze mil anos atrás, a matriz humana já estava em um período médio de aperfeiçoamento. Por isto relatamos que havia duas classes distintas, em dimensões distintas: a dos evoluídos atlantes e as do homem do “mundo primevo”, que eram seres primitivos com limitada racionalidade.

Arnach, que se transformaria posteriormente em um dos mais temíveis magos negros atlantes, afirma em determinado trecho do livro, com sarcasmo, devido a sua personalidade arrogante,: “De forma teatral e com olhar espantado, ele afirmava, enquanto ajeitava os seus longos cabelos loiros ondulados: — Sim! Eles são pouco mais do que animais. Os nossos cientistas realizaram experiências de engenharia genética no mundo primevo com macacos para elaborar essa forma bizarra de manifestação física para espíritos embrutecidos. E, sacudindo a cabeça em tom reprovador, falou com convicção: — Jamais encarnarei a minha nobre alma em um corpo decadente, pouco mais que um macaco. Sou filho da Luz! Minha alma jamais habitará o corpo de um macaco falante”.

Em outro trecho do livro, eu mesmo, na personalidade de Andrey, pergunto à nobre Ártemis: “Eu segurei firme a mão de Ártemis e perguntei-lhe ao pé do ouvido: — Minha mãe, por que tanta deformidade nos corpos dessas crianças e jovens? Trata-se de alguma falha no processo de engenharia genética para transformar os macacos da dimensão primeva em hominídeos racionais? A sábia mentora colocou a mão sobre o meu ombro e disse: — Não, meu filho! O trabalho de aperfeiçoamento genético foi um sucesso e os espíritos primários designados por Deus para encarnar na matriz genética que aperfeiçoamos durante séculos se adaptou perfeitamente. Estes que você vê com as mais diversas deficiências são os exilados do sistema de Capela, de onde você veio também.”

Logo, percebe-se que os atlantes não vieram da mesma herança genética do homem atual. Viviam em uma dimensão superior, assim como os reinos mitológicos das fadas, elfos e duendes. As lendas não surgem do nada. Sempre existe um fato real que as constrói no imaginário popular. E tua colocação está certa! Sim. Nós fomos, de certa forma, adaptados a imagem e semelhança deles. Estes nossos “irmãos mais velhos” adaptaram a matriz genética do homem terreno para que pudéssemos no futuro termos corpos de manifestação física mais adequados às nossas necessidades evolutivas. Claro que tudo isso, sempre, seguindo a Vontade Divina.

Em outros trechos desta instigante e intrigante obra, mais especificamente no volume 2, “Atlântida – no Reino das Trevas”, afirmamos que os discípulos dos mestres atlantes fugiram antecipadamente à inevitável submersão da Grande Ilha, seguindo para outros continentes do planeta. Ao chegarem em novas terras, por serem seres mais avançados, tornaram-se “reis divinos” destes povos, como relatamos com relação aos vikings, conforme segue: “Os primeiros vikings, oriundos da Escandinávia, eram descendentes diretos dos atlantes da raça branca que migraram antes do apocalíptico fim da Atlântida. Eles se miscigenaram com o povo local fundindo a beleza e inteligência dos atlantes brancos com a virilidade dos habitantes daquela região do mundo primevo, estabelecendo uma poderosa linhagem que ficou imortalizada através dos grandes deuses guerreiros mitológicos como Odin e seu filho Thor. Eles eram conhecidos como os deuses supremos do reino de Asgard, que era o paraíso espiritual de suas crenças”.

Creio que muitas das dúvidas sobre a origem da humanidade terrena e sobre as incríveis construções que intrigam a nossa humanidade atual, entre elas as pirâmides do Egito, podem ser compreendidas através da leitura dos nossos livros “Atlântida – No Reino da Luz” e “Atlântida – No Reino das Trevas”. Como já afirmei em perguntas anteriores “não eram os deuses astronautas”. Os “deuses” das civilizações do passado eram os avançados atlantes. Nesta obra em dois volumes esclarecemos, também, como surgiu a crença na deusa Ártemis dos antigos gregos.

Roger Responde 195 – Explicação mais detalhada sobre a natureza de Jesus e o Cristo Planetário da Terra.

195 – Pergunta (09/09/2013): Roger, primeiramente muito obrigada por nos esclarecer com seus livros. O meu questionamento é a respeito de Jesus Cristo, que segundo você faz parte do Cristo planetário, e que por fazer parte do Cristo planetário teve uma trajetória diferenciada. Tenho também uma conhecida que leciona no curso da doutrina espirita e que mencionou o fato de a trajetória de Jesus Cristo ter sido linear, portanto diferente dos demais. Como isso pode ocorrer se fomos feitos da mesma forma e semelhança e estamos passiveis de errar e acertar de igual maneira? Em seu livro A Nova Era fica claro que poderá ser feito um trabalho tratando do tema Jesus Cristo e suas várias experiências, mas você tem algum prazo em vista?

Roger: Querida amiga, pelo teor da sua pergunta, posso afirmar que houve um entendimento errôneo das informações contidas em nossas obras. Em nenhum momento eu disse que “Jesus Cristo faz parte do Cristo Planetário”. Jesus é um espírito e o Cristo é outro. Nenhum “faz parte do outro”, assim como fulano não faz parte de beltrano. São dois seres independentes. O que afirmei sobre Jesus e o Cristo Planetário está claramente explicado, de forma detalhada, na pergunta número 45 do dia 25/10/2010. E de forma ainda mais aprofundada em vários de nossos 10 livros.
Além disto, não disse que “Jesus, “por fazer parte do Cristo Planetário”, teve uma trajetória diferenciada”. Como essa informação está bem clara em nossas obras, provavelmente a leitora deve ter lido em outros livros e confundido com os nossos. Afirmamos categoricamente em todos os nossos livros que Jesus passou por um processo evolutivo exatamente igual ao de todos nós. Há milhares e milhares de anos ele viveu experiências como nós, de erros e acertos, até atingir o estado de angelitude em que vive hoje, por seu próprio merecimento evolutivo.
Para bem explicar essa questão, transcrevo aqui uma das perguntas do livro A Nova Era e a resposta dada por Hermes:
“Pergunta: Algumas religiões e seitas defendem a ideia de que os arcanjos e anjos são entidades que evoluem em uma linhagem à parte, sem jamais encarnarem no mundo físico. O que dizes a respeito?
Hermes: – Caso assim fosse, Deus não seria a Suprema Justiça e Sabedoria, pois permitiria condições diferenciadas aos Seus filhos durante a jornada evolutiva. Podemos afirmar com convicção que todos os filhos do Criador seguem exatamente o mesmo processo evolutivo, passando por todos os estágios primários de despertamento espiritual, em que o espírito individualiza-se para as suas primeiras encarnações no reino chamado “hominal”. Com o despertar da razão e da emoção, o espírito inicia o seu processo de libertação dos grilhões da animalidade, estágio em que vive a Terra.
A  centelha espiritual individualizada no Cosmo surge simples e ignorante para avançar do instinto animal primitivo à conquista da razão e da emoção no mundo dos homens. Após essa vitória, procura adquirir o amor e a sabedoria espiritual para avançar ao estágio dos anjos e, por conseguinte, tornar-se a personificação de Deus, na configuração dos arcanjos, dos técnicos siderais, dos espíritos criadores, responsáveis pela evolução dos mundos do Universo.
Os espíritos iluminados sentem-se honrados por terem evoluído na matéria assim como todos os seus irmãos. Caso contrário, eles seriam tão reprováveis como aqueles que obtêm cargos públicos sem merecimento nas organizações humanas. Inclusive Jesus, o maior espírito a pisar o solo terrestre na dimensão em que viveis, muito valoriza a batalha que realizou para iluminar-se há milhares de anos, em outros mundos.”
Esta teoria da evolução linear de Jesus (citada pela leitora) teve início na época de Allan Kardec, quando um contemporâneo do codificador do espiritismo, chamado Jean Baptiste Roustaing, defendeu esta teoria de que Jesus jamais pecou. Roustaing afirmava que Jesus foi criado por Deus simples e ignorante como todos nós, só que jamais errou, ou seja, evoluiu em “linha reta”. O que é um grande absurdo. Todos nós cometemos erros no período de nossa infância espiritual. Creio que esta teoria se fundamentou pelo mesmo excesso de admiração à mensagem de Jesus que levou os cristãos tradicionais a crerem que Jesus era o próprio Deus. Outro absurdo sem tamanho. Jesus não é Deus e também não é o Cristo.
Em sua pergunta, a leitora ainda afirma: “Em seu livro A Nova Era fica claro que poderá ser feito um trabalho tratando do tema Jesus Cristo e suas várias experiências”. Mais uma vez uma avaliação confusa. O espírito do “Cristo Planetário” nunca encarnou na Terra. Ele inspirou grandes mestres como Jesus, Krishna, Buda, Zoroastro, Moisés Hermes, Maomé, Akhenaton etc… E Jesus encarnou apenas uma única vez em nosso mundo, na exclusiva personalidade de Jesus. Portanto, quando formos elaborar os relatos sobre Jesus, será sobre sua única experiência em nosso mundo. Falamos também sobre a diferença entre Jesus e o Cristo Planetário em nossos livros e nas perguntas número 15 do dia 22/03/2010 e na de número 26 do dia 14/06/2010.
No novo site que a nossa equipe está desenvolvendo, estamos elaborando uma forma de pesquisa mais eficiente para a seção “Roger Responde”, onde todos poderão realizar pesquisas e obter as respostas sobre assuntos que já abordamos, evitando, assim, que se façam perguntas repetitivas e, também, permitir que o leitor possa obter as informações de seu interesse nesse amplo banco de dados de quase 200 perguntas de leitores que respondi nestes quase quatro anos da seção “Roger Responde”.
Por fim, peço a todos que, sempre que tiverem dúvidas sobre as informações contidas em nossas obras, enviem os seus questionamentos para serem respondidos na seção Roger Responde, a exemplo do que fez a nossa amiga leitora. Isso propiciará um correto entendimento do conteúdo que divulgamos de forma a evitar interpretações equivocadas que possam causar um impacto negativo, sobretudo entre aqueles que têm uma visão ortodoxa e apegada às suas religiões, e até mesmo afastar vários leitores por classificarem negativamente o nosso trabalho.

Roger Responde 128 – Qual o objetivo de evoluirmos?

128 – Pergunta (28/05/2012): Qual o verdadeiro e maior objetivo da evolução? Onde vamos parar ou em que nos transformaremos (daqui a milhões e milhões de anos) quando tivermos evoluído o máximo possível? Qual o objetivo de Deus ou dessa Grande Organização (como gosto de chamar) em evoluir tudo? É por acaso acabar com toda energia negativa que existe em todo o Universo? Tá! Mas e depois? Depois que tudo estiver na paz e completo? Obrigada!

Roger: Essa pergunta é daquelas bem complicadas de responder, simplesmente porque transcende a nossa capacidade de entendimento. Ela é o mesmo que perguntar o que é Deus? Qual a sua Natureza? Como pode Ele não ter tido um princípio? É possível sempre existir? O nosso entendimento de “criaturas” é limitado, por isso não conseguimos conceber o “Criador Incriado”! Como fomos criados em determinado momento, torna-se difícil conceber Deus, que sempre existiu. Absolutamente fora do espaço-tempo, sem princípio nem fim.

O objetivo da evolução é nos tornarmos seres semelhantes ao Pai, através de um processo longo e infinito de evolução. Nunca chegaremos até Deus, porque ele também está em constante processo evolutivo, assim como o Universo, seu corpo físico, está em constante expansão. Somos partes de Deus, centelhas divinas, mas jamais conseguiremos igualá-lo, porque ele é o Todo, nós somos partes incompletas, sem Ele e sem a integração com a família universal. Somos todos um!

Em nosso atual momento evolutivo lutamos para perceber e aprender os valores crísticos, contudo, nos séculos futuros ingressaremos em um processo de aprendizado que hoje em dia nem conseguimos sonhar, muito menos compreender. Atualmente nos é impossível compreender Deus em sua absoluta magnitude. Por isso as religiões possuem verdades relativas. Elas são aquilo que conseguimos compreender. Explicar Deus e o objetivo da evolução é o mesmo que explicar a grandiosidade dos oceanos a um peixe que vive confinado ao limitado mundo de seu aquário.

Por isso só nos resta caminhar passo a passo, compreendendo e evoluindo a cada dia. Buscando nos tornarmos pessoas melhores e sintonizadas com o Grande Plano. E meditar e refletir sobre a grandiosidade de Deus, do Universo e da vida criada por Ele. Contudo, mergulhem com cuidado e os pés no chão. O tema é tão transcendental e além de nossa compreensão que pode nos levar à loucura.

Roger Responde 098 – Reflexões sobre a teoria evolucionista

098 – Pergunta (31/10/2011): Prezado Roger, começando a assistir a sua palestra no simpósio realizado no mês de abril em Brasília, observei que você afirmou que o homem é uma evolução do macaco. Foi dito da seguinte forma: “como vocês sabem, o nosso corpo biológico evoluiu através de um processo do mundo dos macacos; tem gente que não acredita nisso, mas o “homo sapiens” veio através da evolução dos primatas”. Roger, peço desculpas, mas afirmo que o homem não é produto da evolução dos macacos. O corpo humano é produto de uma alta tecnologia das consciências extraterrestres, ou seja, o “Comando Planetário Terra”, através dos engenheiros siderais, produziu este nosso corpo para que o espírito vivenciasse uma determinada missão no sistema denso da matéria. O espírito humano é distinto do espírito dos animais. A linhagem humana é uma, e a linhagem dos animais é outra totalmente diferente. Deus se manifesta no cosmos de diversas formas que a maioria dos homens não tem condições de assimilar e entender.A linhagem dos animais, que muitos exotéricos denominam de “reino dos devas”, já existia no planeta Terra muito antes do homem. O homem começou a vivenciar experiências neste planeta a mais ou menos trinta mil anos atrás. Antes disso, somente os grandes animais é que habitavam o nosso planeta. Existe, no astral do nosso planeta, um comando de espíritos que controlam o reino dos animais. Por exemplo: se você quiser conversar com o seu cãozinho de estimação com esta nossa linguagem, o animal não irá compreender, salvo em raríssimas exceções num processo de telepatia. No entanto, se você fizer uma projeção astral e tiver contato com os espíritos do reino dos devas, este espírito poderá dar um comando ao seu cão e ele obedecerá instantaneamente, sendo que você compreenderá todo o processo de comunicação. Infelizmente, os homens ainda não têm compreensão de tudo o que se passa no astral do nosso planeta. Existe uma tecnologia tão avançada, tão avançada, que nenhuma ciência, atualmente, seria capaz de compreender. É por isso que quando um determinado ser humano é abduzido por nossos irmãos das estrelas, fica totalmente perdido e não compreende qual o verdadeiro papel dos extraterrestres junto ao planeta Terra.

Roger:  Em nossos livros “Atlântida – No reino da luz” e “Atlântida – No reino das trevas” afirmamos que os antigos atlantes advinham de uma outra linhagem, superior, oriunda da quarta dimensão. E foram eles que realizaram as manipulações genéticas necessárias para estabelecer o “elo perdido” da nossa humanidade, aperfeiçoando a matriz genética dos “macacos” para dar origem ao homo sapiens. Leia o livro para ter uma ideia melhor do que propomos. Pegar uma frase solta em uma palestra pelo youtube torna difícil uma boa avaliação sobre nosso trabalho.

Afirmamos também que os “deuses gigantes que vinham dos céus” no início de nossa humanidade eram também os atlantes que tinham a função de promover o progresso desses povos incipientes. Em nenhum momento extraterrestres vieram nos visitar e abduzir, pelo menos não em nossa dimensão, como se especula até hoje. Inclusive já respondemos sobre tudo isso nessa coluna. E existem estudos bem atuais questionando a veracidade desses relatos: http://noticias.terra.com.br/ciencia/noticias/0,,OI5438777-EI8147,00-Cientistas+dizem+ter+provado+que+ETs+sao+produto+da+imaginacao.html

De qualquer forma, respeito tua opinião. Mas te alerto para que reflitas sobre ela.  Tu a defende como verdade indiscutível, como se tu tivesse alguma prova definitiva e absoluta a respeito dela. Tu estás lindando com “crenças”, e não com “fatos”, portanto sempre é importante analisar com cuidado e abrir a mente para outras possibilidades.

E segundo a análise da ciência, cada vez mais se confirma a teoria evolutiva de Darwin. Acreditar em algo diferente é como crer na teoria do “criacionismo”, que afirma que o mundo foi criado em seis dias por Deus a pouco mais de dez mil anos, como afirma a Bíblia. Basta analisar fósseis e rochas para verificarmos que a Terra tem milhões de anos, tornando essa teoria absurda. Sem contar que a matriz genética dos humanos e dos macacos é quase idêntica, segundo se verificou através do mapeamento do genoma humano, comprovando a nossa ancestralidade em comum.

← Previous Page