Vibração Coletiva (22/05/2019) – Sentidos Humanos: Olfato

Os Sentidos Humanos

O Sentir consciente – O Olfato.

            Voltando as nossas reflexões dos sentidos de nosso corpo, presente da Criação para termos as experimentações, desenvolvermos e evoluirmos através destas, na condição de nos tornarmos seres mais conscientes.

            Nossa primeira reflexão foi sobre o sentido do tato e suas repercussões em nosso cotidiano.

O que podemos dizer sobre o Olfato, quando nascemos nossos sentidos estão começando sua formação para com o mundo e as respostas que teremos a ele. O olfato, faz parte da nossa percepção de ambiente, quando sentimos o cheiro das flores, os odores dos alimentos, quando limpamos nossas casas e nossos corpos. Interagirmos com o “universo dos cheiros” e este molda desde cedo nossa aceitação ou rejeição ao ambiente, se sentimos um odor forte a tendência é o rejeitarmos pelo nosso instinto de sobrevivência, que nos alerta que aquilo não é bom para nós.

            Já nos perfumes e cheiros que nos lembram nossa infância, nos apegamos a eles, nos fixamos a eles, querendo repetir aquele odor que nos causa aquela sensação, o olfato é um sentido de absorção, sentimos o que tem fora de nosso corpo e o trazemos para nosso mundo interior. Ultimamente esse sentido tem sido muito usado para entorpecer consciência, sabemos que qualquer efeito químico pelo olfato nos altera o estado de consciência, as drogas, os agrotóxicos, o ar poluído, tudo isso compromete nossa percepção interna, se não temos consciência do que fazemos com nosso real “templo” o corpo, que nos foi doado pelo Criador para a Vida terrestre.

            Com o olfato aprendemos, sobre o que devemos absorver para dentro de nosso interior, o que “cheiramos diariamente” e nos confundem na ilusão dos sentidos, se nos acostumamos a sentir, o “cheiro” da raiva, do ódio, da indiferença, e elas tem cheiro, sim elas tem a sensação do cheiro que associamos a eles pela emoção, assim também vamos construindo nosso mundo interior das sensações inconscientes e comodismo do sentir.

            Um ditado popular nos diz que: “O mundo não é um mar de rosas” mesmo assim elas existem.

O que escolhemos para que nosso interior absorva é o reflexo do que teremos em nós também.

            Se vibramos no sentir consciente das trocas com todas as possibilidades planetárias, que o Criador nos permite, com os seres em interação até mesmo em nosso autoconhecer nosso primeiro “projeto de vida”, podemos construir uma base de trocas mais conscientes.

            Assim perceberemos aquilo que permanece em nós e aquilo que sai de nós.

            Vibremos para que a humanidade não perca sua conexão na sensibilidade do sentir, nos dado para desenvolver nossas capacidades humanas e não nos iludir por elas, nem utilizá-las como desfoque de nossa caminhada espiritual na Terra.

Paz e Luz!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *