Roger Responde 167 – Estados alterados de consciência e o desenvolvimento da mediunidade

167 – Pergunta (25/02/2013): Irmão Roger, primeiramente gostaria de parabenizá-lo pela sua dedicação a esta obra tão valorosa e que a cada dia ilumina mais irmãos nesta caminhada. Muito obrigado pelo teu esforço! Seus livros são um grande consolador e renovadores da fé em dias melhores! Na leitura do livro “Moisés – Em busca da terra prometida” nos é relatado a utilização do ouro transformado em pó branco, pela ação da corrente elétrica (eletrólise), misturado a água para estimular a glândula pineal. Dessa forma foi possível ao povo ingressar em avançado estado de consciência e favorecer contato com as dimensões extrafísicas. Como na atualidade já nos encontramos na Nova Era, temos maior facilidade para ingressar em estados mais avançados de consciência? Como fazê-lo? Além da nobreza de sentimentos é necessário algo a mais como o  jejum por exemplo? Há alguma técnica em especial?

Roger: Sim, neste livro, que considero um dos melhores que escrevemos, no momento em que Moisés retorna da montanha e encontra o povo cultuando o deus Amon, por meio da imagem de um bezerro de ouro, ele utiliza os seus fantásticos poderes para provocar um processo de eletrólise sobre o ouro, transformando-o de seu natural estado metálico para o de partículas monoatômicas. Esta “quebra molecular” transforma o ouro em um pó branco, de granulação muito fina, que era chamado pelos antigos egípcios e sumérios de “pedra sagrada”. Em seguida, o grande legislador mistura o ouro em pó à água e faz o povo bebê-la. Esta bebida, com propriedades fantásticas, rapidamente estimula a glândula pineal levando o povo a um surpreendente estado alterado de consciência que os permite vislumbrar o plano espiritual e presenciar claramente a ação das trevas, que sorrateiramente procurava destruir a recém liberta nação de Israel, que tinha a importante missão de implantar o monoteísmo na Terra.

Amigos, desenvolver a mediunidade é um processo que exige dedicação, disciplina, persistência e paciência. No entanto, algumas pessoas querem resultados imediatos. Não funciona assim… A mediunidade é uma conquista do ser, e não um processo pelo qual o indivíduo se sirva de recursos imediatos e inconscientes como esse para atingir tal fim. No caso de Moisés, o propósito era outro, como pode ser observado através da leitura deste livro. Para desenvolvermos um estado mais avançado de consciência, precisamos estudar e trabalhar para isso. Além de realizar muita meditação e busca interior. Uma pessoa que não procura autoconhecer-se e melhor perceber o mundo ao seu redor, terá pouca possibilidade de atingir o nível de consciência adequada para isso.

Vejo que muitos aspirantes a médiuns nos dias atuais não se dedicam ao aprendizado da mediunidade, como ocorria no passado, quando o estudo e desenvolvimento mediúnico era realizado com bastante critério, principalmente por meio dos estudos espíritas, que são muito bons para atingir este objetivo. O “livro dos Médiuns” de Allan Kardec e muitos outros são de extremo valor para atingir esse fim. A ansiedade da “era da Internet” tem prejudicado os candidatos a médiuns. Se não fosse o aprendizado sensato e coerente que obtive dentro do Espiritismo, certamente não teria alcançado o desenvolvimento mediúnico que possuo atualmente.

E mediunidade não é esquizofrenia. As vezes vemos pessoas que precisam de tratamento psiquiátrico sendo incentivados a serem médiuns, simplesmente porque “ouvem vozes”. A mediunidade é um fenômeno lúcido, e não perturbado. Não existe mediunidade sem equilíbrio, estudo e responsabilidade. Se a pessoa procurar estudar e desenvolver a sua mediunidade e prosseguir desequilibrada, deve ser tratada como paciente em casas espíritas e realizar os tratamentos psiquiátricos da medicina convencional. Mediunidade sadia leva ao equilíbrio, e não a situações tormentosas.

Tenho, também, recebido perguntas sobre a validade de tomar a bebida ayahuasca para atingir esses estados alterados de consciência. Não vejo problema em realizar essa cerimônia sacramental uma vez, ou algumas vezes, apenas com o objetivo de se entender como funciona esse processo de atingir escalas superiores de consciência. No entanto, na minha opinião, isso não deve se tornar um hábito. Da mesma forma que Moisés não serviu a “pedra sagrada” para o seu povo outras vezes. A busca da supraconsciência deve ser realizada através da meditação e estudo. A experiência da ayahuasca deve ser feita apenas para conhecer o que se procura atingir, e não como rotina. Os rituais não devem sobrepor-se à busca consciente de espiritualidade. Isto é um dos pressupostos básicos do Universalismo Crístico.

As condições levantadas na pergunta também são muito importantes. A nobreza de sentimentos e ideais, o jejum, o estudo em busca de uma conexão superior; tudo isso ajuda a desenvolver significativos avanços em nossa capacidade de percepção para atingirmos estes estados superiores de consciência. O jejum desintoxica o organismo e facilita o contato lúcido com os planos superiores. Jesus e os grandes mestres jejuavam regularmente para se conectarem com o Alto.

E, por fim, amigos, lembro que o prazo para contratar a viagem a Machu Picchu que realizaremos de 01 a 10 de maio encerra-se nesta sexta-feira (dia 01 de março). Portanto, aqueles que tem interesse em realizar esta fantástica viagem, onde buscaremos atingir, desenvolver e debater o que foi falado acima, devem entrar em contato o mais breve possível com a companhia de turismo “Machu Picchu Brasil”, pelos telefones e emails informados no roteiro da viagem disponibilizado neste site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *