Notícia da Semana – A História de Dobri Dobrev que doou 40.000 euros e vive como mendigo

Gláucia Andare
São Paulo, 19 de março de 2014
Colaboração: Roger Bottini Paranhos

Recebemos como missão para a notícia desta Semana,discorrermos sobre as ações beneficentes de Dobri Dobrev, que doou uma grande quantidade de dinheiro, para orfanatos e para restauração de velhos mosteiros na Bulgária. Segundo constam este valor chega a casa de 40.000 euros. Ufa! Uma boa quantia, não!?.  De primeira mão acreditaríamos estar falando de mais um milionário excêntrico, que resolveu ser solidário e abraçou mais uma causa nobre.

Porém o que nos chama atenção é o perfil socioeconômico deste benfeitor. Dobri Dobrev é um senhor de 99 anos, que participou da segunda guerra mundial e como conseqüência herdou da guerra a surdez. Mas o mais chocante é que ele vive como mendigo e caminha todos os dias aproximadamente 10 quilômetros até a cidade de Sófia para mendigar.  Foi com estas doações de dinheiro da mendigação que ele conseguiu juntar os 40.000 euros e simplesmente doar tudo e não ficar com nada para si. Pois consegue sobreviver com 80 euros da pensão que recebe.

A principio ficamos em dúvida da autenticidade desta notícia, que está na internet deste agosto de 2013. Por isso fizemos uma busca e encontramos vários vídeos no youtube, vários sites que o mencionam e ainda o site e-farsas.com que tem como objetivo desmascarar as farsas publicadas na Net, afirma que este caso é real.

Então resolvemos publicá-la em nosso canal para refletirmos o que leva um homem carente e doente, doar tudo o que tem e viver na miséria material.

Sinceramente especular o que  realmente o motiva a tomar esta atitude é um tanto quanto mesquinho de nossa parte.

Apenas consigo ver neste homem, coragem de observar  e vivenciar, que a vida é muito mais do que viver em conforto e opulência, enquanto outros nada tem ou muito pouco possuem.

Talvez o fato de ter participado dos horrores de uma guerra como a Segunda Guerra, o fez ver o quanto os desejos de poder e riqueza não nós traz felicidade e não nos torna melhores como seres humanos, quanto mais, como seres que buscam um sentindo maior para a nossa existência.

Talvez, ele tenha se desprendido de todo este paradigma ilusório em  que estamos mergulhados e age desta forma para chamar a nossa atenção. Talvez esta seja a única forma que ele encontrou para nós dizer.

Por favor, parem! Olhem para si, olhem para o  mundo que construímos. Este não é o mundo da nossa verdadeira essência. Somos muito mais que tudo isto. Vamos mudar! Ainda há tempo!  Se eu consegui, vocês também podem.

Não dizem que aprendemos melhor com os exemplos, do que com as teorias das palavras. Eis um exemplo palpável para servir de espelho as nossas reflexões.

Acompanhem neste link a notícia, mas há outros sites para pesquisa.

2 Responses
  • Quem somos para saber quanta bondade se sabemos que quando formos
    daqui só levamos o que aprendemos e praticamos [Até esse momento se
    eu partir vou de mãos vazia]

    [Reply]

    Responder
  • Carlos Alberto
    mar 20, 2014

    Sem demérito a atitude do tal mendigo. Mas já dizia Jesus, o trabalho dignifica o homem. Viver tanto tempo a custa dos outros, (pensão estatal) e ainda mendigar mesmo com o propósito relevante de doar a outros, é perda de tempo. Deveria estar trabalhando e estudando para crescer, espiritualmente.Ai, talvez pudesse fazer muito mais para si e para os seus semelhantes. É minha opinião!

    [Reply]

    Carlos Alberto mar 20, 2014
    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *