Tag reencarnação

124 – Pergunta (30/04/2012): Boa Noite Roger! Estou iniciando um tratamento de fertilização in vitro e não havia me questionado o que fazer com embriões que possivelmente não sejam implantados,existe a possibilidade de congelamento ou doação para pesquisas, a minha duvida vem de uma reportagem que assisti em que espíritas condenam a doação para pesquisa ou o simples descarte por dizerem que já existe um espírito ligado a cada embrião, congelado ou não, segundo a reportagem isso seria o mesmo que um aborto, gostaria muito de saber a sua opinião, e da equipe espiritual, a respeito. Desde já agradeço!

Roger: Oi querida, essa tua pergunta já foi respondida em nosso livro “A Nova Era – Orientações espirituais para o terceiro milênio”, no capítulo 5. Segue abaixo a pergunta e resposta de Hermes.

PERGUNTA: A igreja católica critica a clonagem porque esta técnica utiliza-se, também, de células-tronco geradas a partir de embriões humanos. Logo seria uma técnica abortiva, pois interrompe o processo natural de desenvolvimento embrionário de uma futura vida. O que dizes a respeito?

HERMES: O que determina se há vida com finalidade evolutiva espiritual é a ligação do espírito reencarnante ao embrião. E isto se dá no início de seu processo de sucessivas divisões das células-tronco para geração do futuro ser, após o estágio pré-embrionário conhecido como blastócito. Antes disto temos apenas o princípio de um organismo biológico autômato. A partir do momento em que o espírito adapta o seu corpo espiritual ao futuro feto, através de um processo chamado de “redução perispiritual”, que influenciará no molde do corpo físico que está por formar-se, então, teremos vida propriamente dita e a sua extinção seria uma situação de aborto do processo reencarnatório de um filho de Deus.

Mas, obviamente, um espírito reencarnante não será ligado a um embrião que será utilizado para técnicas de clonagem terapêutica. Assim como ocorre com os embriões que estão congelados em clínicas de reprodução assistida (inseminação artificial). Se assim fosse eles ficariam aprisionados por tempo indeterminado! O mundo espiritual adapta-se aos avanços da humanidade, pois este é o rumo a seguir. O homem apenas descobre o que Deus já criou desde o princípio do mundo. Logo, todas as descobertas científicas são esperadas e assistidas pelos espíritos coordenadores da evolução planetária da Terra, que adaptam as técnicas espirituais de acordo com o amadurecimento científico da humanidade encarnada no plano físico. Nesses casos, o espírito, a essência divina que dá vida à maquina física, só é ligado ao corpo físico que está sendo gerado quando este for inseminado para um desenvolvimento embrionário com fins procriativos.

Se formos atacar os avanços da medicina, em breve nos veremos como alguns religiosos que não permitem a transfusão de sangue por acharem que isto é contra as leis divinas, mas todos sabemos que é um grande absurdo e um inquestionável desrespeito à vida.

Roger Responde 124 – Fertilização in vitro

124 – Pergunta (30/04/2012): Boa Noite Roger! Estou iniciando um tratamento de fertilização in vitro e não havia me questionado o que fazer com embriões que possivelmente não sejam implantados,existe a possibilidade de congelamento ou doação para pesquisas, a minha duvida vem de uma reportagem que assisti em que espíritas condenam a doação para pesquisa ou o simples descarte por dizerem que já existe um espírito ligado a cada embrião, congelado ou não, segundo a reportagem isso seria o mesmo que um aborto, gostaria muito de saber a sua opinião, e da equipe espiritual, a respeito. Desde já agradeço!

Roger: Oi querida, essa tua pergunta já foi respondida em nosso livro “A Nova Era – Orientações espirituais para o terceiro milênio”, no capítulo 5. Segue abaixo a pergunta e resposta de Hermes.

PERGUNTA: A igreja católica critica a clonagem porque esta técnica utiliza-se, também, de células-tronco geradas a partir de embriões humanos. Logo seria uma técnica abortiva, pois interrompe o processo natural de desenvolvimento embrionário de uma futura vida. O que dizes a respeito?

HERMES: O que determina se há vida com finalidade evolutiva espiritual é a ligação do espírito reencarnante ao embrião. E isto se dá no início de seu processo de sucessivas divisões das células-tronco para geração do futuro ser, após o estágio pré-embrionário conhecido como blastócito. Antes disto temos apenas o princípio de um organismo biológico autômato. A partir do momento em que o espírito adapta o seu corpo espiritual ao futuro feto, através de um processo chamado de “redução perispiritual”, que influenciará no molde do corpo físico que está por formar-se, então, teremos vida propriamente dita e a sua extinção seria uma situação de aborto do processo reencarnatório de um filho de Deus.

Mas, obviamente, um espírito reencarnante não será ligado a um embrião que será utilizado para técnicas de clonagem terapêutica. Assim como ocorre com os embriões que estão congelados em clínicas de reprodução assistida (inseminação artificial). Se assim fosse eles ficariam aprisionados por tempo indeterminado! O mundo espiritual adapta-se aos avanços da humanidade, pois este é o rumo a seguir. O homem apenas descobre o que Deus já criou desde o princípio do mundo. Logo, todas as descobertas científicas são esperadas e assistidas pelos espíritos coordenadores da evolução planetária da Terra, que adaptam as técnicas espirituais de acordo com o amadurecimento científico da humanidade encarnada no plano físico. Nesses casos, o espírito, a essência divina que dá vida à maquina física, só é ligado ao corpo físico que está sendo gerado quando este for inseminado para um desenvolvimento embrionário com fins procriativos.

Se formos atacar os avanços da medicina, em breve nos veremos como alguns religiosos que não permitem a transfusão de sangue por acharem que isto é contra as leis divinas, mas todos sabemos que é um grande absurdo e um inquestionável desrespeito à vida.

Roger Responde 107 – Como iniciar as pessoas no UC?

107 – Pergunta (02/01/2012): Grande Amigo Roger, estou com uma grande dificuldade em “iniciar” outras pessoas no Universalismo Crístico. Penso que para pessoas que não têm um entendimento espiritual básico, ou seja não conhecem conceitos básicos “espíritas”, se torna muito difícil aceitar o Universalismo e seus três pilares básicos. O próprio livro remete a esses conhecimentos quando trata do cordão prateado, reencarnação, perispírito, outras dimensões, padrões vibracionais, carmas, vidas passadas, magos negros… Para pessoas que “não conhecem” fica difícil assimilar e, principalmente, aceitar o UC. Essa é minha grande dúvida; como iniciá-los? Devo recomendar primeiro obras básicas espíritas?

Roger: Queridos amigos, para atingirmos uma universalização na busca de Deus e dos valores espirituais, tão necessários para resgatar os bons valores em nossa sociedade, é necessário nos afastarmos das crenças religiosas específicas. Ou seja, para os leigos, é necessário mudarmos a abordagem. Temos que falar menos de “crenças” e mais de “fatos palpáveis” do cotidiano. Por exemplo, falar de carma, reencarnação e magos negros pode parecer ficção para quem vive com a mente limitada aos conceitos da vida física. Eles acreditam apenas em um “Deus formal”, sem introspecção nenhuma. No entanto, o amor ao próximo é uma verdade universal e incontestável para a harmonia e o bem viver. Instigar a consciência espiritual, a partir do cultivo dos bons valores, é o caminho para “iniciar” as pessoas que se encontram completamente alienadas de sua caminhada evolutiva.

Temas como carma, reencarnação, ação dos magos negros, outras dimensões, etc… é um mundo completamente estranho para os leigos. No entanto, as suas vidas, como as de todos nós, necessitam urgentemente de um “novo pensar” no campo dos “valores espirituais”, que poderíamos chamar até mesmo de “valores humanos”, pois é um termo mais comum a eles. Nossas famílias, jovens em geral, sociedade, empresas, precisam absorver uma verdadeira e sensata filosofia espiritual, livre de crenças religiosas. Com o enfraquecimento gradual das religiões, a humanidade em geral está perdendo os seus valores mais básicos. E o papel exercido pelas religiões precisa ser rapidamente preenchido por uma compreensão espiritual moderna e livre de dogmas religiosos que venham a engessá-la de acordo com “crenças específicas” desse ou daquele grupo. Caso isso não ocorra, nas próximas décadas teremos uma grave deterioração de nossa civilização, tornando-a fria e insensível. O homem pensará somente em seu próprio interesse, fomentando guerras e uma desumanização de nossa espécie.

Tenho feito palestras dentro de empresas, com enfoque em treinamento, no qual sou convidado a falar sobre o tema “Espiritualidade”. Vejam como o mundo está mudando. Isso é muito positivo! Quando uma grande empresa se preocuparia em treinar seus funcionários sobre esse tema? No ambiente empresarial existem pessoas de todas as crenças religiosas e ateus também. Essa experiência está sendo interessante para eu moldar uma apresentação que atenda a um público verdadeiramente universal, enfocando em temas como o amor, respeito, amizade, tolerância, compreensão, “ação e reação” e todas as demais virtudes que nos levam à evolução espiritual. Para falarmos das coisas de Deus, não precisamos citá-Lo. É algo inerente ao homem compreender que amor e Deus, são exatamente a mesma coisa.

E permeando essa mensagem de valores espirituais, devemos, também, enfocar a divulgação da busca do desenvolvimento da consciência espiritual nessas pessoas. Quem somos, de onde viemos, para onde vamos? Qual a finalidade da vida? Somos apenas animais instintivos como nossos irmãos menores, ou somos seres conscientes que possuem uma alma que transcende a vida física? O que são as experiências paranormais? Como explicar os fenômenos realizados por grandes mestres como Jesus? Que força movia Chico Xavier a psicografar duas cartas ao mesmo tempo, com ambas as mãos, sobre temas diferentes, em línguas diferentes e algumas escritas de “trás para adiante”? Vou contar-lhes um segredo: mais vale fazermos perguntas reflexivas às pessoas do que tentar doutriná-las com nossas crenças…

Roger Responde 094 – Kardec reencarnará novamente?

094 – Pergunta (03/10/2011): Minha pergunta é relativa à informação que revelaste no livro “Moisés – Em busca da terra prometida”. Revelaste que o sacerdote Amenófis (Akhenaton na encarnação anterior) reencarnaria posteriormente como Allan Kardec, sendo esta a última encarnação dele. No entanto, em Obras Póstumas, o espírito da verdade traz a informação de que Kardec teria que reencarnar para completar a tarefa de divulgação do Espiritismo. Gostaria que diluísse essa minha dúvida. Desde já muito grato, esperando que continue com muita fé e amor em seus propósitos.

Roger:  A afirmação do livro “Moisés – Em busca da terra prometida” é de que até o momento aquela era a última encarnação de Akhenaton. Em nenhum momento afirmamos que seria a última. Fizemos essa afirmação contundente porque na época do lançamento desse livro havia um grande número de espíritas afirmando que Chico Xavier seria a reencarnação de Allan Kardec, devido a grande emoção por seu recente desencarne. Então fomos enfáticos afirmando que a reencarnação de Akhenaton como Allan Kardec tinha sido a sua última até aquele momento, mas não que ele não encarnaria mais. Como já afirmamos na pergunta 14, do dia (15/03/2010), Chico Xavier não foi Kardec. E nessa pergunta fizemos uma referência ao excelente texto da pedagoga espírita Dora Incontri que fez um estudo bem interessante sobre esse tema. Veja no site: www.opiniaoespirita.org/cnek_di.htm

Certamente Akhenaton (Kardec) retornará para prosseguir com sua missão de esclarecimento espiritual da humanidade. Mas não carregando bandeiras de religiões. Essa era a visão da humanidade na época em que Kardec viveu. No século 19, ainda não havia como vislumbrar como seria o futuro espiritual de nossa humanidade. Apesar de que ele, sabiamente, trouxe-nos o Espiritismo como uma ciência e uma filosofia. Seus seguidores, principalmente no Brasil, que o transformaram fundamentalmente em uma religião. E isso não é uma crítica. Talvez se não fosse assim, o Espiritismo teria morrido no Brasil, assim como aconteceu na França, pois naquela época não estávamos preparados para uma visão além das religiões.

Kardec não voltará pelo Espiritismo, mas sim pela divulgação da Espiritualidade no mundo, de forma ampla e desprendida de agremiações. Até porque, quando ele retornar, a visão que o mundo terá de Espiritualidade já estará muito além das crenças religiosas que temos hoje. O Espiritismo, assim como as demais religiões, serão procuradas apenas por conservadores tradicionais, que seguem essa ou aquela religião, na maioria das vezes, apenas para seguir o legado de seus pais e avós, pouco se importando com a essência espiritual, que realmente transforma.

O leitor deve compreender que os espíritos nos trazem comunicações plenamente verídicas, mas as assimilamos de acordo com a capacidade de discernimento que temos na época. As nossas percepções do mundo são limitadas e vão se ampliando à medida que evoluímos. Assim caminha a humanidade! O Espírito da Verdade, que se manifesta nas obras de Kardec, é o próprio Jesus, portanto, quem somos nós para discordar da informação de que Akhenaton (Allan Kardec) encarnará novamente na Terra?

Roger Responde 080, 081 e 082 – Por que a lei do amor deve ser aceita como uma verdade absoluta? Por que precisamos reencarnar e evoluir? O que significa o processo de redução vibracional de um espírito de luz?

080/081/082 – Perguntas (27/06/2011 , 04/07/2011 e 11/07/2011): Em primeiro lugar, gostaria de agradecer-lhe pela oportunidade de recuperar a minha religiosidade há muito deixada em segundo plano. Li o livro “Akhenaton” e gostei bastante da história e me abriu a porta para conhecer um pouco melhor o “Universalismo Crístico”. Conversando com meu cunhado – que foi quem me indicou o livro e a “Doutrina” Crística, me surgiram muitas dúvidas. Abaixo seguem elas compiladas em resumo: 1 – Não que eu discorde da lei “ame ao próximo como a si mesmo”, mas por que ela necessariamente deve ser aceita como uma verdade absoluta? O “UC” não diz que devemos refletir e meditar para encontrarmos as respostas? 2 – Em sua palestra, tu comentaste que os planetas são como anos escolares, então se não conseguimos evoluir em determinado planeta, somos reprovados (exilados) e tentamos de novo. Continuando nesta analogia, sabemos que a escola é para aprendermos e termos mais chances de termos um futuro melhor. A pergunta é: qual é o objetivo de reencarnarmos, encontrarmos o caminho da luz etc.? Os espíritos “arcanjos” já foram imperfeitos como nós e assim haverão para todo o sempre? Se sim, qual é o grande objetivo disso? 3 – Em “Akhenaton” tu cita que há um grande espírito de luz em processo de redução vibracional. Como é isso? Peço-lhe perdão pela ignorância de minhas perguntas, mas a grande pedra que fica em meu caminho sempre que penso em minha espiritualidade é neste objetivo maior. Simplesmente não me faz sentido. E sempre deixei de lado este aspecto de minha vida, pois todas as respostas que obtive até hoje foram vagas, ou simples “É assim porque Deus quis.”.

Roger:  Caros leitores, hoje postaremos uma resposta tripla com três perguntas, abrangendo as próximas 3 semanas, devido a nossa viagem para o Egito com o grupo de leitores que se permitiu essa inesquecível experiência. Os sonhos só fazem sentido quando nos mobilizamos para realizá-los. Parabéns a todos que batalharam para realizar esse sonho há tanto tempo acalentado. Hoje embarcamos para a terra dos faraós e amanhã acordaremos de frente para as pirâmides de Gizé. Onze dias inesquecíveis nos aguardam.

Sobre a primeira pergunta do leitor, basta entendermos que o amor e Deus são sinônimos. E isso é uma verdade amplamente defendida por todas as religiões, em todas as épocas. A unanimidade das religiões a respeito do amor já nos leva a crer que essa é uma verdade absoluta. Sem amor, a harmonia não existe; guerras se instalam, o progresso se interrompe e a felicidade, objetivo de todas as almas, deixa de existir. Aqui não falamos no amor como os gestos ou comportamentos pessoais de cada um. As vezes, pessoas meigas e delicadas entendem que o amor é algo somente compreendido como sendo o seu comportamento doce e conciliador. Amor, em sua mais ampla expressão, significa gerar equilíbrio e harmonia, promovendo ações que visem o bem comum. E em algumas vezes é necessário posturas mais firmes. Uma mãe doce que não repreende e educa o filho rebelde não está agindo com amor.  Se o leitor procurar conhecer a concepção do amor em sua mais ampla abrangência perceberá que a lei espiritual que nos ensina a “amar ao nosso próximo como a nós mesmos” é a mais perfeita regra de harmonia universal. Claro que dentro da estrutura de livre pensar do Universalismo Crístico qualquer um pode questionar inclusive essa verdade absoluta. No entanto, creio ser muito difícil alguém tecer argumentos lógicos e racionais a respeito desse tema.

Na segunda questão, esse é um tema central de nossos livros também. Os planetas são escolas de evolução planetária. Qual a finalidade disso? Creio que o mesmo objetivo pelo qual estudamos em uma escola do mundo humano, ou seja, para termos um futuro melhor e mais feliz e nos tornarmos dignos cidadãos de nossa nação e, consequentemente, do mundo. A maior riqueza que podemos obter é o desenvolvimento de nossas consciências para assim termos uma participação mais digna e atuante na vida. Se fôssemos seres irracionais, talvez viver uma vida exclusivamente biológica, seria suficiente. Mas com a evolução individual de cada um, passamos naturalmente a buscar algo mais. E é isso que nos faz conhecer o grande mistério da vida criada por Deus. O objetivo da evolução é dar sentido as nossas próprias vidas e, ao mesmo tempo, contribuirmos com toda a obra de nosso Pai, o Criador Incriado. Todo o arcanjo já foi um espírito primário, assim como todo espírito primário um dia se tornará um arcanjo. A felicidade só é conquistada quando conhecemos amplamente a obra de Deus. Em uma comparação simples, seria algo como aquela pessoa que conhece um vinho altamente elaborado. Antes de conhecer, ela se contentava em beber qualquer tipo de vinho, depois de conhecer algo muito melhor, entende que aquele já não o faz mais feliz. O homem só é feliz em sua ignorância por desconhecer a grandeza que o espera quando obter elevado grau de consciência. Como diria Einstein: uma mente aberta a novas ideias, jamais volta ao seu tamanho original. Somos incapazes de involuir.

E na terceira pergunta referente ao livro Akhenaton, creio que o leitor está se referindo a preparação da reencarnação do “Grande Espírito”, que no livro refere-se a Jesus de Nazaré. Espíritos muito evoluídos  necessitam realizar um intrincado processo de redução de sua luz para poder habitar os limitados corpos da dimensão física. A consciência superdesenvolvida de Jesus teve dificuldades incríveis para manter-se aprisionada a um corpo ainda tão primário como os nossos. Por isso ele suou sangue em seus últimos momentos da vida física, demonstrando que seu cérebro físico não mais suportava a intensa energia espiritual que jorrava de seu excelso espírito.

A medida que fores lendo todos os nossos nove livros, encontrarás respostas bem detalhadas para todos esses questionamentos. Boa viagem em tua busca pelo conhecimento espiritual.

Roger Responde 062 – A reencarnação deve ser vista como uma verdade relativa?

062 – Pergunta (21/02/2011): Revendo o livro Universalismo Crístico algo me chamou a atenção. Akhenaton, ao comentar o segundo pilar do UC, diz que a “reencarnação ainda deve ser qualificada como uma verdade relativa no mundo físico, por causa da falta de comprovação categórica…”. Tudo bem! Todavia, o físico indiano Amit Goswami, PhD em Física Quântica, em seu livro A FÍSICA DA ALMA, comprova cientificamente a reencarnação utilizando-se desta disciplina. Uma consulta rápida na internet mostrou que ele é bem conhecido do público brasileiro, já tendo sido, inclusive, entrevistado em um programa de televisão. Não seria o caso de considerar a reencarnação como já comprovada cientificamente e que mais comprovações virão se somar a esta?

Roger: Entendo a tua colocação e também concordo com ela. Entretanto, a ciência tradicional ainda reluta em aceitar os postulados da física quântica. Tratam-na como objeto de estudo, e não como verdade acadêmica indiscutível. Como estamos lidando com crenças de diversas religiões, é prudente aguardarmos manifestações de outros pesquisadores ou, até mesmo, uma aceitação oficial sobre o tema.

Esses dias, um professor de psicologia social da universidade Cornell, chamado Daryl J. Bem, apresentou um estudo tentando comprovar a parapsicologia, ao apresentar fortes evidencias de Percepção Extrasensorial (PES), ou seja, a capacidade de pressentir o futuro. Por ser um tema que foge o ramo da ciência tradicional, a tese está sofrendo diversos ataques e sendo alvo de ironias. Sem dúvida, qualquer comprovação cientifica de abordagens espirituais terá que lutar contra os céticos até o último instante, por vários anos; até o momento em que seja apresentada uma comprovação definitiva e indiscutível.

Mas, com certeza, no nosso próximo livro sobre o Universalismo Crístico avançado faremos essas considerações que tu argumentas sabiamente em tua pergunta. Não fizemos antes porque as verdades relativas precisam ser trabalhadas gradualmente para que a humanidade possa entrar de forma equilibrada na visão espiritual do terceiro milênio. Uma nova verdade precisa ser enraizada com cuidado em solos áridos, caso contrário, virá a se perder.