Author admin

Amados irmãos, hoje reuniremos nossas energias para a dissipação do medo que insiste em reinar dentro de nossas mentes e corações. Criado e cultivado por nós mesmos, esse sentimento tem prejudicado o nosso dia-a-dia, assim como nossa evolução pessoal e consequentemente coletiva.

Começando com os gestos mais simples, temos deixado de transmitir sentimentos, de batalhar novas conquistas, de seguir a nossa própria essência por medo do que as pessoas irão pensar ou dizer em relação a nós. Insistimos em supervalorizar a opinião dos outros em detrimento das nossas próprias impressões. O mais complicado é quando percebemos que, um dos motivos para agirmos assim, é o fato de estarmos inseridos em uma sociedade acostumada com a terceirização de praticamente tudo, você já parou para pensar sobre isso?

Antigamente as pessoas plantavam e produziam seus próprios alimentos, desenvolviam móveis e decorações para as suas casas, consertavam qualquer coisa que estragasse, inventavam brincadeiras, cantarolavam em grupo, mesmo que não houvesse técnica, pois o importante era que houvesse a diversão e a troca de experiências. Em nosso modo de vida atual, a nossa comida é “feita” pelo micro-ondas, as coisas que estragam são descartáveis e contratamos os serviços alheios para várias coisas que teríamos capacidade de fazer. Só o que fazemos é trabalhar, trabalhar e trabalhar para que possamos bancar as nossas terceirizações. Com isso não apontamos críticas, mas alguns padrões que desenham a nossa realidade que, às vezes, nos fazem esquecer de que existem coisas que ninguém pode fazer por nós e uma delas é o pensar.

É necessário que comecemos a refletir sobre os acontecimentos, ao invés de repetir as notícias que ouvimos. Precisamos conhecer mais as pessoas, antes de absorver as opiniões de terceiros. Muito importante é o ato de avaliar as nossas atitudes, qualidades e defeitos, no lugar de esperar que pintem para nós as nossas características e aprovação ou negativa sobre os nossos atos. Com a facilidade do nosso dia-a-dia de termos tudo nas mãos, tecnologias que nos oferecem respostas imediatas, como se o poder estivesse nas “pontas de nossos dedos” fazem com que percamos o hábito precioso da reflexão.

Sem o pensar começamos a estagnar moralmente e nos aproximamos, cada vez mais, de nossos amigos animais irracionais. Nos tornamos mais instintivos e menos senhores de nós mesmos, como se estivéssemos sendo guiados por forças pelas quais desconhecemos. Sem reflexão, não há conhecimento, sem o conhecimento sobra, em abundância, o medo. O medo de errar, o medo do que vão falar, do que vão pensar, o medo de nós mesmos e de tudo aquilo que algum dia nos foi apresentado como algo certo ou errado a se fazer. Nossos valores se esvaem na necessidade de adaptação ao meio e aos objetivos finais daquilo que achamos que é primordial para a nossa felicidade.

Vibremos para que nossos medos em excesso sejam substituídos por coragem de mostrar a nossa essência divina, que consigamos derrubar as barreiras que nos prendem na ilusão de almejar um mundo que não queremos e de conquistar coisas que não serão úteis para a nossa evolução. Peçamos para que haja mais reflexão, mais conhecimento, menos animalidade e mais humanidade. Encontremos a nossa essência, façamos as pazes com quem somos de verdade e percamos a vergonha de reconhecer os nossos defeitos, assim como o medo de mostrar a beleza de nossas potencialidades.

Que a paz de Deus esteja conosco, hoje e sempre!!! _/\_ <3

Vibração Coletiva (09.09.2015) – Libertação do Medo

Amados irmãos, hoje reuniremos nossas energias para a dissipação do medo que insiste em reinar dentro de nossas mentes e corações. Criado e cultivado por nós mesmos, esse sentimento tem prejudicado o nosso dia-a-dia, assim como nossa evolução pessoal e consequentemente coletiva.

Começando com os gestos mais simples, temos deixado de transmitir sentimentos, de batalhar novas conquistas, de seguir a nossa própria essência por medo do que as pessoas irão pensar ou dizer em relação a nós. Insistimos em supervalorizar a opinião dos outros em detrimento das nossas próprias impressões. O mais complicado é quando percebemos que, um dos motivos para agirmos assim, é o fato de estarmos inseridos em uma sociedade acostumada com a terceirização de praticamente tudo, você já parou para pensar sobre isso?

Antigamente as pessoas plantavam e produziam seus próprios alimentos, desenvolviam móveis e decorações para as suas casas, consertavam qualquer coisa que estragasse, inventavam brincadeiras, cantarolavam em grupo, mesmo que não houvesse técnica, pois o importante era que houvesse a diversão e a troca de experiências. Em nosso modo de vida atual, a nossa comida é “feita” pelo micro-ondas, as coisas que estragam são descartáveis e contratamos os serviços alheios para várias coisas que teríamos capacidade de fazer. Só o que fazemos é trabalhar, trabalhar e trabalhar para que possamos bancar as nossas terceirizações. Com isso não apontamos críticas, mas alguns padrões que desenham a nossa realidade que, às vezes, nos fazem esquecer de que existem coisas que ninguém pode fazer por nós e uma delas é o pensar.

É necessário que comecemos a refletir sobre os acontecimentos, ao invés de repetir as notícias que ouvimos. Precisamos conhecer mais as pessoas, antes de absorver as opiniões de terceiros. Muito importante é o ato de avaliar as nossas atitudes, qualidades e defeitos, no lugar de esperar que pintem para nós as nossas características e aprovação ou negativa sobre os nossos atos. Com a facilidade do nosso dia-a-dia de termos tudo nas mãos, tecnologias que nos oferecem respostas imediatas, como se o poder estivesse nas “pontas de nossos dedos” fazem com que percamos o hábito precioso da reflexão.

Sem o pensar começamos a estagnar moralmente e nos aproximamos, cada vez mais, de nossos amigos animais irracionais. Nos tornamos mais instintivos e menos senhores de nós mesmos, como se estivéssemos sendo guiados por forças pelas quais desconhecemos. Sem reflexão, não há conhecimento, sem o conhecimento sobra, em abundância, o medo. O medo de errar, o medo do que vão falar, do que vão pensar, o medo de nós mesmos e de tudo aquilo que algum dia nos foi apresentado como algo certo ou errado a se fazer. Nossos valores se esvaem na necessidade de adaptação ao meio e aos objetivos finais daquilo que achamos que é primordial para a nossa felicidade.

Vibremos para que nossos medos em excesso sejam substituídos por coragem de mostrar a nossa essência divina, que consigamos derrubar as barreiras que nos prendem na ilusão de almejar um mundo que não queremos e de conquistar coisas que não serão úteis para a nossa evolução. Peçamos para que haja mais reflexão, mais conhecimento, menos animalidade e mais humanidade. Encontremos a nossa essência, façamos as pazes com quem somos de verdade e percamos a vergonha de reconhecer os nossos defeitos, assim como o medo de mostrar a beleza de nossas potencialidades.

Que a paz de Deus esteja conosco, hoje e sempre!!! _/\_ <3

Vibração Coletiva(20/05/2015) – Gotas de sabedoria no oceano da Vida.

Queridos amigos e amigas, nessa vibração vamos reverberar reflexões do pelo que estamos vibrando, no que estamos fazendo, relembrando os preceitos do Universalismo Crístico:
Os princípios básicos são:
I- O amor ao próximo como a si mesmo buscando cultivar as virtudes crísticas de forma verdadeira e incondicional refletindo diretamente o amor do próprio Criador.
II- A crença na reencarnação do espírito e do carma, pois sem esses princípios não existe justiça divina.
III- A busca incessante pela sabedoria espiritual aliada ao progresso filosófico e científico com o objetivo de promover a evolução integral da humanidade.
Os princípios avançados são:
I – A compreensão profunda e verdadeira do amor;
II – O pleno desenvolvimento pessoal através da busca do autoconhecimento;
III – A compreensão do modo de pensar de nossos semelhantes, com o objetivo de aceitá-los com mais tolerância
Além desses pilares principais, o Universalismo Crístico deve ser norteado por duas premissas fundamentais:
I – A primeira é a lei do amor. Tudo que foge da maior das virtudes deve ser descartado, pois não provém de Deus.
II – A segunda é a busca da verdade. Jesus nos ensinou: Conhece a verdade e a verdade te libertará. A verdade está onde estão o bom senso e a lógica.
O Universalismo Crístico é principalmente uma ação individual que visa o coletivo. A aceitação do outro, mas com respeito e diálogo, pois ao final, compreenderemos que somos todos células de um mesmo corpo: a humanidade.
Nesse momento que temos a possibilidade de vibrar coletivamente, vamos unir nossas mentalizações, para que mesmo os que não conheçam o Universalismo Crístico, possam refletir sobre o que nos falta? E o que já alcançamos em nossa caminhada evolutiva, percebendo em o que podemos melhorar nossas ações diárias, os preceitos são altos, mas a realidade é fazermos o nosso melhor, isso já vibra e enaltece nossa caminhada, ajudando na caminhada de nossos irmãos que sentiram, o reforçar de nossa “senda de luz” que compartilhamos em vibração.
Juntos em mentalização!
Paz e luz!

Vibração Coletiva (13/05/2015) – Planeta Terra – Ao encontro da vida.

Planeta Terra – Ao encontro da vida.

Nosso amado, destratado, cultivado, consumido, destruído, adorado Planeta Terra. “Sua manifestação, Vida. Seu ensinamento, Ecologia. “Suas excelências, a Essência e a Estética no equilíbrio da forma ética”. Nessa vibração, vamos perguntar ao coração, o que fazemos por nossa imprescindível possibilidade de vida, o Planeta Azul. No refletir de nossa vida, a importância deste Ser planetário é mais que isso, o que estamos desvalorizando em nossa vida. Nossa mãe de coração e evolução. O planeta é doação em entrega a nós, seus seres de muitas moradas estelares em aprendizado de amar. Seu corpo e alma nos permite na nossa ratificação como alma em evolução, que buscamos consciente ou inconsciente o autoconhecimento na encarnação de nossa forma física, corpo este criado pela matéria terrestre, que há tudo possibilita as suas criaturas, desvelar a si mesmo, como a Criação. Que se encontra em perfeição no amor presente do Criador, que recebemos em vida através da doação deste ser, que chamamos Terra. Nessa jornada, nossa caminhada de cada dia, que ao acordar e viver, olhamos ao céu, nos deslumbrando com a natureza, nos enchendo de graça e beleza do todo que nos abraça, aliviando nossas dores, incentivando nosso amor, aquele que real sem confusões, vem do coração que não busca ter, mas ser assim como “plantinha no jardim” que nasce e floresce por saber em si, que cresce por algo muito maior, o complementar com o todo, na autonomia de ser. Nessa vibração, irmãs e irmãos de humanidade, vamos nos permitir sensibilizar por tão amado planeta, que está aqui para nos ajudar, ajudar a evoluir, ajudar a sentir, o que o nosso comprometimento com nossa evolução nos faz ver, ouvir, intuir, nesse nosso universo de escolhas e vivências, que somente germinam e crescem no paraíso, que transformamos a cada dia em inferno, por nossa ignorância em Ser humano. Lembrando também nessa vibração, das Mães, os dias das mães é comercial, mas a valorização a nossa mãe é real, ela não precisa de dia, mas sim de amor e compreensão, no perdão e auto-perdão, lembremos de todas as mulheres que assim como a Terra geram vida!

Oremos em fraterna vibração coletiva. Pelo comprometimento de Ser humano ao Planeta que nos gera Vida.

“Amado planeta azul deste orbe universal, receba hoje e sempre de meu coração, a gratidão pela doação em forma mentalizada por mim, na ratificação do comprometimento de minha evolução contigo, em trajetória de Alma universal que Eu sou”. Que assim seja! A união não faz a força, mas gera a energia, que direcionada pelo Alto se transforma em mudanças. Amor e paz, para lembrarmos o que já somos em alma. Luz!

Vibração Coletiva (06/05/2015) – “No despertar das Consciências Coletivas.”

No despertar das Consciências Coletivas.

“Quem clama por vida? Senão a própria vida planetária, nos alertando das transformações necessárias ao ser humano, no ratificar de sua existência em evolução”.

Queridos irmãos e irmãs, neste momento que passamos por muitas movimentações terrestres que afetam diretamente ou indiretamente a sobrevivência humana de muitos de nossos irmãos, a Equipe do Universalismo Crístico em mentalização conjunta e direcionada, compartilha reflexão sobre o acontecimento no Nepal, um local de concentração energética e espiritual e as mudanças terrestres.

Se nos questionarmos, o que o planeta está nos alertando? Nestas grandes movimentações que a cada momento ocorre, por muitas regiões planetárias de várias formas, inclusive na destruição das estruturas estabelecidas.

Qual seria o motivo dessa manifestação?

Se observarmos por todo globo percebemos, que a violência, se torna a cada dia mais comum, as ações do humano como coletividade se agravam nos distanciamentos das relações humanas e qualidade de vida, no consumo constante e irresponsável da natureza planetária, que se doa pela evolução e o humano pela ambição por terra, por valores, por satisfação e comodismo do sistema social ,que leva ao sacrifício do perfeito ecossistema terrestre que se molda, ajusta, adapta-se para suportar com equilíbrio, o humano em sua busca incessante por poder.

Infelizmente, sabemos que como coletividade, essa é nossa realidade atual.

Sendo assim, como alertar aos que dormem? Que o limite do equilíbrio terrestre está chegando ao seu ápice?

Se pararmos agora e sentirmos em nosso coração, o que percebemos, o que o Cristo planetário nos diz? Sim, porque todos podemos ouvi-lo, a todo ser é dado, “Olhos de ver e Ouvidos de ouvir” basta o real querer.

A humanidade ao longo de sua trajetória evolutiva, construiu “seus passos” nas experimentações da dor, e agora, mesmo a dor se tornando quase insuportável por muitos humanos que vivem em miséria extrema no mundo, nós como humanidade, ainda não conseguimos mudar nosso conceito de sermos egoístas e buscar o prazer próprio, sem observar seu próximo, tanto que a própria Crista planetária, paga um preço por nossa evolução.

E como nos acordar como humanidade, que precisamos mudar?

O que mudar? Assumir nossa maturidade pelos conhecimentos que já somos cientes, exatamente assim o planeta nos acorda, sensibilizando a coletividade de seres humanos que somos, para lembrar de nossa fraternidade de povos, no que ainda seremos.

O Nepal é um dos lugares, que sofre de miséria e pobreza como muitos lugares do mundo, que são esquecidos por nós como humanidade, no momento que a Terra gera movimento nos mostrando, o quanto precisamos uns dos outros, e como é importante valorizarmos a vida neste e desta linda Planeta Azul, assim como os seus seres.

Fraternalmente nessa vibração coletiva, pedimos ao mestre Hermes e a Alta espiritualidade em unirmos nossos corações no Despertar das Consciências Coletivas, em doarmos um pouco de nossa energia mentalizada e direcionada, para nos libertamos deste sono hipnótico, “prisão de dor nossa e de nosso próximo” que nos impomos em inconsciência cômoda como humanidade.

Somos Luz, Somos Todos UM!!!

Em planeta, em humanidade, em vida!!

Vibração Coletiva (22/04/2015) : Sociedade – Em busca de um objetivo

Sociedade – Em busca de um objetivo, igualdade.

Sociedade, na linguagem matriz o latim; Societas, significando: ” associação amistosa com outros”, é o conjunto de seres que coexistem e compartilham, vidas, famílias, culturas, pensamentos e sentimentos, interagindo entre si, constituindo uma comunidade.

Uma comunidade global que interage, aprendendo a conviver consigo, com o próximo e o mundo.

A sociedade, construiu seus padrões baseados nas relações de sobrevivência e padrões de comportamento na identificação do que é ser um cidadão social.

O mundo foi estruturado nas culturas regionais e civilizatórias que formaram a “cadeia de princípios e valores sociais” que formam a globalização coletiva.

Construímos uma sociedade que preza princípios e valores, e estes valores fazem com que nos identifiquemo-nos como humanos e nas bases sociais, como cidadãos.

Mas o que, como sociedade, objetivamos?
Apos a construção dos princípios políticos e econômicos, em algum momento como humanidade, passamos a visar na sociedade mais ao “Lucro” do que ao “Humano”, perdendo em muito nossas capacidades de nos relacionar, valorizar e priorizar não o “poder monetário” do próximo, mas o próximo como um ser, com o qual podemos trocar nossas experiências, vivencias, aprendendo a crescer, amadurecer e se conhecer como ser humano.

A política e a economia fazem parte de nosso aprendizado de organização social, mas se acontece de superarmos nossa própria potencialidade como ser, o que fazer?
Objetivamos projetar que tipo de ser humano? Mais “humano” ou “máquina de lucro”?

Como sociedade, qual nosso objetivo?
Sobreviver? Ser feliz? Ou construir patrimônio próprio?
Não é errado decidir por um ou outro ou todos, mas o que realmente é capaz de construir uma sociedade, que possua o equilíbrio entre Ser e Ter, em um princípio de cooperação, igualdade e satisfação como ser.

Nesta reflexão, para mentalização, pensemos em nossos irmãos e irmãs de sociedade e nós, que a cada dia em nossas atitudes e pensamentos ajudam a construir os conceitos sociais por “aquilo que acreditamos ser o melhor” partindo do “ponto” de reflexão: Melhor para quem? Para mim? Para meu próximo? Ou para todos?

Se a resposta é dada em equilíbrio destes conceitos, nos ajudamos como humanidade, ao entendimento de qual nosso papel e “força social” e porque cada um de nós é direta ou indiretamente responsável por aquilo que construirmos no aqui e agora e no futuro que está por vir.

Mentalizemos por este equilibro, assim como a consciência de cada um de nós, que agora encarnado busca trilhar um caminho de verdade e vida, dentro de suas condições e possibilidade evolutivas.

Luz e esperança neste trilhar!

Vibração Coletiva (15/04/2015) – Humanidade – A busca por uma solução

Humanidade – A busca por uma solução, liberdade.

A nossa humanidade em toda sua trajetória de vida, busca soluções para suas dificuldades de sobrevivência e forma de coexistir.

No mundo antigo buscávamos, por uma caverna quente e comida, no mundo atual através do trabalho, por uma boa casa, alimentação e lazer, o grande diferencial de antes e agora, é o lazer, “o motivo para tudo acontecer”.

O lazer nos faz trabalhar incessantemente para tê-lo, na hora que quisermos. Mesmo assim, poucos o conseguem dessa forma. E mesmo o tendo, falta algo mais, a solução para a humanidade não chega, todos querem, poucos tem, muitos sofrem, não há uma solução, já que o lazer é um descanso para o excesso de exigências de uma humanidade que, “trabalha por tempo e não tem tempo para se trabalhar”, ou seja, se autoconhecer.

Desde os primórdios da humanidade, a primeira concepção conhecida é o território, “minha cerca, sua cerca” a marca do seu e do meu e junto com isso, muitos problemas.

A organização é oque nos faz sair do caos, porém junto a organização existe as desigualdades pela falta de maturidade da cidadania e cooperação.

O que liberta? Sermos únicos naquilo que fazemos e reter “o poder de saber apenas em nós”, ou ter várias pessoas que “sabem aquilo que fazemos”, e nos ajudam a melhorar e elevar “aquilo que sabemos fazer”.

A Cooperação, o Compartilhar, o Repasse, fazem com que muitos, não sejam apenas muitos, mas muitos que se entreajudam, para ser todos.

Uma reflexão, a liberdade é nós sermos livres de nossas responsabilidades? Ou a liberdade está em ter a responsabilidade e saber o que fazer com ela?

A grande prova para humanidade, a liberdade humana, sermos, permitindo que todos sejam.

Nessa reflexão, que não é única verdade, mas um ângulo de visão, compartilhando com os irmãos, vamos mentalizar juntos, para buscarmos nossa liberdade, nas soluções para humanidade.

Que nesse momento todos nós juntos, possamos pensar em “mente coletiva” para que os(as) educadores, as donas de casa, os cientistas, os lixeiros, os políticos, as executivas, os padeiros, os médicos, as secretárias, todos os profissionais das áreas aceitas ou não socialmente, possam onde quer que estejam, encontrar soluções para sua humanidade, nossa humanidade.

O todo de um oceano começa por uma gota, sejamos a gota do oceano de soluções para nossa humanidade individual e coletiva.

Muita luz, paz e esperança na confiança, que aquilo que fazemos pode mudar o “nosso mundo” se perseverarmos para que assim seja!.

Roger Responde 266 – Roger, Jesus não morreu crucificado? Tem uma mensagem circulando na Internet afirmando isso. O que nos diz a respeito?

266 – Pergunta (13/04/2015):  Oi Roger, tudo bem? Está circulando na Internet uma mensagem atribuída a Jesus em que ele mesmo diz não ter morrido na cruz. E que esse culto de sofrimento que realizamos todo ano na Páscoa é prejudicial para o mundo. A mensagem diz mais! Diz que “seres escuros” criaram essa realidade falsa de que Jesus foi crucificado e morreu na cruz para nos envolver em uma energia de dor e sofrimento para, assim, nos manter sob a influência depressiva e maléfica das trevas. A mensagem também afirma que deveríamos despertar deste sofrimento e nos conectar com o fato real: “o Caminho de Jesus com o Pai”. O que você nos diz sobre isto?

Notícia da Semana – Unilever promove doação de livros para Centro Educacional Luz e Lápis

Hoje a tarefa de casa será o resumo do livro XYZ, dizia a professora aos seus alunos. O tempo passou; tornamo-nos adultos; e para a grande maioria, o hábito da leitura, caiu no esquecimento; ficou apenas como uma obrigação escolar.

Poucos são os que incorporaram aos seus hábitos este delicioso entretenimento. Muitos alegam não ter tempo, outros que os preços praticados são inacessíveis. As justificativas são enumeras.

Na realidade, o prazer da leitura, vem desaparecendo da vida dos brasileiros; como comprova a pesquisa do Fecomercio-RJ.  Segundo a pesquisa, 70% dos brasileiros não leram um livro em 2014.

Talvez, a culpa seja da tecnologia: – dos smartphones e tabletes, que desviaram a atenção do público, para a nova coqueluche: – os aplicativos virtuais. Mas, para quem realmente gosta de uma boa leitura, há sempre outras opções: como os livros digitais.

Diante deste cenário desanimador, sempre ha uma luz no final do túnel.  Exemplo foi da empresa Unilever, que doou recentemente livros infantis ao centro Educacional Infantil Luz e Lápis, que atende gratuitamente as crianças de famílias de baixa renda.

Esta inciativa vem colaborar no enriquecimento e ampliação cultural destas crianças, além de proporcionar desenvolvimento intelectual, e a criação de hábitos saudáveis, como a leitura de bons livros.

Fica aí a dica. Se você gosta de ler, e quer colaborar para que o hábito da leitura não se torne historia. Doe os seus livros usados.  É uma das enumeras opções de incentivo.

Para obter mais informações sobre os assuntos abordados neste artigo, acesse os links da Fundabriq e do Portal G1.

Vibração Coletiva (08/04/2015) – A ressurreição de nossas consciências

A ressurreição de nossas consciências
Amados irmãos de caminhada! Hoje convidamos a todos a concentrarmos nossas atenções para a comemoração que chamamos de Páscoa. A Páscoa celebra a ressurreição de Jesus Cristo e, já que pouco lembrada em favor dos chocolates e coelhinhos, poderíamos aqui nos ater a questões como a inversão de valores da nossa sociedade, que faz com que, nessas datas comemorativas, sejamos os motores da ascensão e movimentação do comércio, mas resolvemos ir além, questionar se ainda necessitamos de uma data para lembrarmos da passagem Dele aqui na terra.
É visível a separação em que a maioria de nós nos encontramos: ou estamos perdidos saciando nossas vontades materiais, vivendo na superficialidade de datas como essas, contentando-nos em apenas cumprir com os rituais que cansamos de repetir, sem ao menos refletirmos sobre os mesmos, ou então, estamos envoltos em uma religiosidade que, erroneamente, evidencia o sofrimento, fazendo com que fiquemos vibrando na dor, vislumbrando a nossa salvação através do sofrimento e da culpa que devemos carregar, visto que crucificamos Àquele que veio para ser o nosso mestre.
Independente do que tenha acontecido na real história de Sua passagem pela terra, o que não resta dúvida, é que Jesus Cristo veio nos trazer uma mensagem de luz, a mensagem mais linda de todos os tempos, que é a do amor a si mesmo e ao próximo e assim, consequentemente, o amor a Deus. Essa é a mensagem mais limpa e mais pura que poderíamos receber de uma entidade de tamanho quilate espiritual e exatamente pela sua simplicidade, é reverenciada até os dias atuais.
Em meio a esses pontos que levantamos, fica visível que a preocupação de nosso amado Mestre não era receber uma data comemorativa, tão pouco o sofrimento infinito de seus irmãos diante do sentimento de culpa. Ele sabe que nada é por acaso e que, infelizmente, ainda não estávamos prontos para absorver tamanha sabedoria, mas, o que serve para o passado, já não se encaixa mais em nosso nível de entendimento atual.
Hoje podemos entender a mensagem que antes nos era tão difícil enxergar, TODOS NÓS SOMOS IRMÃOS e temos como missão de vida buscar evoluir no amor de Deus!!!
“…Cristo disse: eu vou mostrar a vocês uma maneira mais simples de chegar ao Pai. Se vocês aprenderem isto, podem fazer centenas de outras coisas sem medo de ofender a Deus. Amor. Se vocês amarem, estão cumprindo a lei, mesmo que não tenham consciência disto.
Podemos verificar por nós mesmos que este conselho funciona. Peguemos um mandamento qualquer: ‘Amar a Deus sobre todas as coisas.’ Eis o Amor. ‘Não tomar seu santo nome em vão.’ Ousaríamos falar superficialmente de alguém que amamos? ‘Guardar domingos e festas.’ Não ficamos muitas vezes ansiosos, esperando o dia de encontrar quem amamos para nos dedicarmos ao Amor? Então, se amamos Deus, o mesmo há de acontecer. O Amor exige que obedeçamos todas as leis de Deus. Quando um homem ama, é desnecessário exigir que honre seu pai e sua mãe, ou que não mate. Para o homem que quer bem a seu próximo é uma ofensa exigir que não roube – como poderia roubar quem ama? E seria supérfluo pedir que não levante falso testemunho – pois jamais faria isto, como seria incapaz de desejar a pessoa que o outro ama. Portanto, ‘o amor é o cumprimento da Lei’. O Amor é a regra que resume todas as outras regras. O Amor é o mandamento que justifica todos os outros mandamentos. O Amor é o segredo da vida.” ( Henry Dummond – Paulo Coelho; O Dom Supremo)

No momento em que focamos um único dia para meditarmos sobre a passagem de Jesus na terra, nos libertamos de qualquer compromisso nos outros dias, os que seguem e antecedem a data. É preciso que evidenciemos o amor infinitamente, todos os dias de nossas vidas, através das nossas atitudes, assim, essa data, a partir de agora, servirá sim para comemorarmos a ressurreição, mas ressurreição das nossas consciências no amor de nosso Pai, desperta através dos ensinamentos de nosso Irmão e Mestre Jesus.

“Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos…
Ainda que eu tenha o dom de profetizar e conheça todos os mistérios e toda a ciência…
Ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de transportar montanhas…
Ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue meu próprio corpo para ser queimado…
Se não tiver AMOR, nada serei !!!!!” (Paulo de Tarso. Bíblia Sagrada; 1 Coríntios 13:1-13)

Para quem desejar, disponibilizamos o link de uma música como complemento a reflexão apresentada: https://www.youtube.com/watch?v=6rjXkXpX8Wk

Notícia da Semana – Filho de catadora passa em 1º lugar em escola federal estudando com livros achados pela mãe no lixo.

Um exemplo de perseverança e luta, o garoto Thompson Vitor, 15 anos de idade, filho de uma catadora de lixo e de família simples, passou em primeiro lugar no exame de seleção do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), onde irá cursar Multimídia este ano. A história deste jovem nos ensina a não desistir dos nossos sonhos independentemente dos obstáculos que apareçam no caminho.

Falta de dinheiro não é desculpa para não estudar. O garoto acorda todos os dias as 05h30 e percorre 6 km de bicicleta para chegar à escola. A família mora em Alecrim, um bairro localizado na comunidade de Paço da Pátria, em Natal. Após voltar do colégio, ele passa a tarde toda estudando e utiliza livros que sua mãe trazia do lixão. “Eu pegava os livros que os ricos jogavam no lixo e trazia pra casa. Eu dava pra eles aqueles livros bonitinhos e colocava eles pra estudarem. Aí eu incentivei eles a gostarem de livro”, diz Rosângela, a mãe do garoto.

Fonte: Hypeness

Leia a reportagem na íntegra neste link.

Next Page → ← Previous Page