Tag Universalismo Crístico

136 – Pergunta (23/07/2012): Olá Roger, ao lermos e analisarmos a trilogia da implantação do monoteísmo da Terra, percebemos que qualquer implantação de novas ideias é sempre realizada por partes, porque somos ainda difíceis e avessos a novas mudanças. Porém, percebemos que a espiritualidade, que sempre inspirou a humanidade nesses momentos, sabia exatamente até que ponto aquela parte do projeto seria aceita. Entendo o Universalismo Crístico também como um projeto em “etapas”, que talvez sejam mais curtas e menos sofridas pelos novos eleitos que estão chegando e para chegar. Como podemos avaliar e compreender melhor quais são os passos que devemos realizar nesse momento atual? Akhenaton imaginou que conseguiria realizar seu projeto instituído pelo amor, mas o Plano Divino sabia que seria somente um primeiro passo, pela mentalidade da época. Qual então a orientação que você e Hermes podem nos dar sobre até qual ponto podemos e conseguiremos avançar nessa implantação da nova visão do terceiro milênio, nesse estágio em que ainda não temos os eleitos tão fortemente presentes?

Roger: Todas as mudanças precisam ser graduais. Sempre que uma nova verdade se revela, existe um período inicial de rejeição e, depois, de aceitação gradual até se tornar uma verdade aceita por todos. Ainda mais no caso de uma revelação que exige consciência e aceitação, ao contrário das religiões do passado onde terminava ocorrendo uma indisfarçável imposição da verdade.

O Espírito Criador é imutável! É o ser humano que modifica a sua percepção de Deus à medida que evolui, aproximando-se da verdade. No passado, com Moisés, tínhamos uma concepção de um Deus-justiceiro, que punia com rigor os seus filhos rebeldes. Depois, com Jesus, a humanidade amadureceu para a concepção do Deus-amor. A verdade absoluta do “ama ao teu próximo como a ti mesmo” tornou-se roteiro inquestionável de evolução espiritual. E, agora, na aurora da Nova Era, chega o momento da compreensão do Deus-consciência. A civilização futura perceberá que o Espírito Criador não é uma Entidade externa que pune ou ama os seus filhos. Ela se dará conta de que somos todos um com Ele. Estamos interligados e temos a responsabilidade de entender os mecanismos da vida e participar ativamente do processo de amadurecimento de toda a humanidade.

Moisés revelou ao mundo o Deus-justiça e Jesus o Deus-amor. Agora é a vez do Universalismo Crístico, através da sábia orientação de Hermes, revelar o Deus-consciência de forma popular e universal.

Porém, naturalmente, ocorrerá um processo semelhante ao que ocorreu na época de Jesus. As pessoas que estiverem em uma situação confortável dentro do velho sistema reagirão de forma feroz para manter tudo como está. Jesus foi crucificado por pregar uma mudança que exigiria uma nova postura da humanidade, que até hoje em dia ainda não foi bem aceita. Da mesma forma, o Universalismo Crístico apresenta uma visão de liberdade espiritual, mas que exige esforço consciente para libertar-se do casulo da ignorância, com o objetivo de evoluir, tornando-se uma pessoa melhor.

Como a nossa humanidade foi acostumada por séculos a ser conduzida por líderes religiosos (muitas vezes usando cabresto), então, esse é um processo de mudança bem difícil e que precisa ser realizado aos poucos. As religiões trazem mensagens importantes de mudança e crescimento espiritual. No entanto, as pessoas fazem que acreditam e as religiões fazem que estão cumprindo o seu papel. Já o Universalismo Crístico tem a função de “chacoalhar” consciências, despertando-as. Não existe espaço para o comodismo dentro da visão dinâmica do U.C.

Desse modo, assim como nos tempos do cristianismo primitivo, o Universalismo Crístico vem repetir as palavras de Jesus, quando nos diz que não veio “trazer a paz, mas sim, divisão”, que veio “separar irmão de irmão”. Ou seja, a nova consciência do UC mudará a forma de pensar daqueles que já despertaram, naturalmente fazendo-os viver e pensar de uma forma que não mais se coaduna com a alienação vigente nos dias atuais, desligando-os da sintonia hipnótica que ainda escraviza a humanidade em geral.

Quem despertar para a consciência espiritual do terceiro milênio, dificilmente ficará satisfeito com a vida como ela é hoje. Um sentimento de idealismo irresistível o fará se engajar na tarefa de libertar os seus demais irmãos, através de ações conscientes que todos construiremos juntos a partir do projeto Universalismo Crístico na Terra.

Entretanto, o Universalismo Crístico é uma iniciativa espiritual de amor, paz e respeito. Os passos terão que ser graduais e realizados de forma pacienciosa. As pessoas devem aceitar o U.C., através de profunda compreensão e entendimento. Seria ilógico impormos uma ideia que prega a liberdade. O Universalismo Crístico precisa ser enraizado lentamente nas consciências, pois ele deve ser como uma árvore frondosa, bem enraizada, que os ventos fortes e as tempestades da incompreensão humana não conseguirão derrubar. Ao mesmo tempo, deverá ser flexível como os bambus, que se vergam para adaptar-se à vida, porém jamais se quebram.

Portanto, temos que avançar, gradualmente, anos após ano, observando o amadurecimento da humanidade e a sua capacidade de absorver a nova verdade. Como já afirmamos em outras oportunidades, a verdade absoluta está nas mãos de Deus. O que temos no momento são verdades relativas que atendem ao nível atual de compreensão e evolução da humanidade. Nossa tarefa é ampliar o entendimento da verdade, impulsionando o homem a crescer passo a passo, para assim tornar-se apto a ingressar na consciência espiritual do terceiro milênio.

O novo livro “Universalismo Crístico Avançado”, que será lançado no dia 15 de setembro deste ano, abordará com profundidade tudo o que falamos nessa pergunta.

Roger Responde 136 – Implantação do Universalismo Crístico na Terra.

136 – Pergunta (23/07/2012): Olá Roger, ao lermos e analisarmos a trilogia da implantação do monoteísmo da Terra, percebemos que qualquer implantação de novas ideias é sempre realizada por partes, porque somos ainda difíceis e avessos a novas mudanças. Porém, percebemos que a espiritualidade, que sempre inspirou a humanidade nesses momentos, sabia exatamente até que ponto aquela parte do projeto seria aceita. Entendo o Universalismo Crístico também como um projeto em “etapas”, que talvez sejam mais curtas e menos sofridas pelos novos eleitos que estão chegando e para chegar. Como podemos avaliar e compreender melhor quais são os passos que devemos realizar nesse momento atual? Akhenaton imaginou que conseguiria realizar seu projeto instituído pelo amor, mas o Plano Divino sabia que seria somente um primeiro passo, pela mentalidade da época. Qual então a orientação que você e Hermes podem nos dar sobre até qual ponto podemos e conseguiremos avançar nessa implantação da nova visão do terceiro milênio, nesse estágio em que ainda não temos os eleitos tão fortemente presentes?

Roger: Todas as mudanças precisam ser graduais. Sempre que uma nova verdade se revela, existe um período inicial de rejeição e, depois, de aceitação gradual até se tornar uma verdade aceita por todos. Ainda mais no caso de uma revelação que exige consciência e aceitação, ao contrário das religiões do passado onde terminava ocorrendo uma indisfarçável imposição da verdade.

O Espírito Criador é imutável! É o ser humano que modifica a sua percepção de Deus à medida que evolui, aproximando-se da verdade. No passado, com Moisés, tínhamos uma concepção de um Deus-justiceiro, que punia com rigor os seus filhos rebeldes. Depois, com Jesus, a humanidade amadureceu para a concepção do Deus-amor. A verdade absoluta do “ama ao teu próximo como a ti mesmo” tornou-se roteiro inquestionável de evolução espiritual. E, agora, na aurora da Nova Era, chega o momento da compreensão do Deus-consciência. A civilização futura perceberá que o Espírito Criador não é uma Entidade externa que pune ou ama os seus filhos. Ela se dará conta de que somos todos um com Ele. Estamos interligados e temos a responsabilidade de entender os mecanismos da vida e participar ativamente do processo de amadurecimento de toda a humanidade.

Moisés revelou ao mundo o Deus-justiça e Jesus o Deus-amor. Agora é a vez do Universalismo Crístico, através da sábia orientação de Hermes, revelar o Deus-consciência de forma popular e universal.

Porém, naturalmente, ocorrerá um processo semelhante ao que ocorreu na época de Jesus. As pessoas que estiverem em uma situação confortável dentro do velho sistema reagirão de forma feroz para manter tudo como está. Jesus foi crucificado por pregar uma mudança que exigiria uma nova postura da humanidade, que até hoje em dia ainda não foi bem aceita. Da mesma forma, o Universalismo Crístico apresenta uma visão de liberdade espiritual, mas que exige esforço consciente para libertar-se do casulo da ignorância, com o objetivo de evoluir, tornando-se uma pessoa melhor.

Como a nossa humanidade foi acostumada por séculos a ser conduzida por líderes religiosos (muitas vezes usando cabresto), então, esse é um processo de mudança bem difícil e que precisa ser realizado aos poucos. As religiões trazem mensagens importantes de mudança e crescimento espiritual. No entanto, as pessoas fazem que acreditam e as religiões fazem que estão cumprindo o seu papel. Já o Universalismo Crístico tem a função de “chacoalhar” consciências, despertando-as. Não existe espaço para o comodismo dentro da visão dinâmica do U.C.

Desse modo, assim como nos tempos do cristianismo primitivo, o Universalismo Crístico vem repetir as palavras de Jesus, quando nos diz que não veio “trazer a paz, mas sim, divisão”, que veio “separar irmão de irmão”. Ou seja, a nova consciência do UC mudará a forma de pensar daqueles que já despertaram, naturalmente fazendo-os viver e pensar de uma forma que não mais se coaduna com a alienação vigente nos dias atuais, desligando-os da sintonia hipnótica que ainda escraviza a humanidade em geral.

Quem despertar para a consciência espiritual do terceiro milênio, dificilmente ficará satisfeito com a vida como ela é hoje. Um sentimento de idealismo irresistível o fará se engajar na tarefa de libertar os seus demais irmãos, através de ações conscientes que todos construiremos juntos a partir do projeto Universalismo Crístico na Terra.

Entretanto, o Universalismo Crístico é uma iniciativa espiritual de amor, paz e respeito. Os passos terão que ser graduais e realizados de forma pacienciosa. As pessoas devem aceitar o U.C., através de profunda compreensão e entendimento. Seria ilógico impormos uma ideia que prega a liberdade. O Universalismo Crístico precisa ser enraizado lentamente nas consciências, pois ele deve ser como uma árvore frondosa, bem enraizada, que os ventos fortes e as tempestades da incompreensão humana não conseguirão derrubar. Ao mesmo tempo, deverá ser flexível como os bambus, que se vergam para adaptar-se à vida, porém jamais se quebram.

Portanto, temos que avançar, gradualmente, anos após ano, observando o amadurecimento da humanidade e a sua capacidade de absorver a nova verdade. Como já afirmamos em outras oportunidades, a verdade absoluta está nas mãos de Deus. O que temos no momento são verdades relativas que atendem ao nível atual de compreensão e evolução da humanidade. Nossa tarefa é ampliar o entendimento da verdade, impulsionando o homem a crescer passo a passo, para assim tornar-se apto a ingressar na consciência espiritual do terceiro milênio.

O novo livro “Universalismo Crístico Avançado”, que será lançado no dia 15 de setembro deste ano, abordará com profundidade tudo o que falamos nessa pergunta.

Roger Responde 133 – Necessidades das viagens para financiar o Universalismo Crístico

133 – Pergunta (02/07/2012): Caríssimo! Meu coração anda inquieto! Vejo com olhos diferentes o que muitos veem, mas nem por isso deixo de me sentir – até certo ponto – desconfortável em relação ao que te venho dizer. Há quem diga que as tuas viagens ao Egito, coisa que eu também gostaria de fazer, porque além dos teus magníficos relatos mediúnicos sobre Moisés e Akhenaton, há quem diga que também andei por lá, na modesta condição de auxiliar de algum sacerdote curandeiro, preparando ervas para as cerimônias; não sei se isso é verdade, mas sinto uma atração muito grande pela velha terra de Akhenaton, Moisés e a Rainha Hatshepsut, com quem tive uma experiência mediúnica há cerca de 45 anos; uma experiência através de uma médium amiga que, até onde sei, era séria.
Bem. Voltando ao assunto: há quem diga que as tuas viagens com grupos de seguidores te colocam em pé de igualdade com padres e pastores evangélicos que as fazem apenas com olhos financeiros, o que, convenhamos, é desalentador. E te peço, caro Roger: Faça algum comentário onde as pessoas possam ter esclarecida essa dúvida; pelo bem do Universalismo Crístico, da tua Mediunidade Extraordinária, da tua Obra e das pessoas que, como eu, te admiram, respeitam e – de certo modo – seguem. Perdoe a ousadia, mas há tempo que isso me incomoda. Grande abraço! Paz e Luz.

Roger: Querido amigo, respondo essa tua pergunta com atenção e carinho, porque te conheço e sei o quanto és uma pessoa boa de coração e de intenções. Sei o quanto te preocupas com o nosso trabalho e a credibilidade dele. Porém, te digo para não dar tanta atenção assim a essas críticas. Nesses anos todos de trabalho divulgando verdades espirituais, já percebi que quem faz esse tipo de comentário geralmente são pessoas hipócritas ou que nada fazem de concreto para ajudar na divulgação das verdades espirituais no mundo. Em geral são pessoas amargas e invejosas, que na verdade se tivessem oportunidade de realizar algo semelhante, estariam lá, sem pudor nenhum.

Já informei em outras oportunidades que o Universalismo Crístico não tem apoio financeiro de nenhuma religião ou instituição, portanto, para realizarmos folders, marca páginas e outros instrumentos de divulgação, temos que contar com recursos próprios. Eu tenho o meu emprego e o meu salário, que graças a Deus dá e sobra para os meus gastos. Os parcos recursos que obtemos para divulgar o Universalismo Crístico é que ainda são insuficientes. Pode ter certeza que tudo o que ganho com essas viagens e direitos autorais dos livros vai para o projeto Universalismo Crístico. E é por não conseguirmos ir além, por falta de recursos, que a tendência é realmente fundarmos uma Ong ou instituição com esse objetivo. Aí sim, essas pessoas vazias que criticam terão bastante argumentos, porque mobilizaremos muitos recursos para realizar o trabalho de divulgação do Universalismo Crístico, através de criação de programas de rádio, divulgação de livros, obras educacionais e assistenciais por todo o Brasil etc. E essa instituição terá conselheiros íntegros que zelarão pelo patrimônio dela, impedindo que uma pessoa só, no caso eu, venha a enriquecer de forma ilícita.

É interessante perceber que as pessoas compram pilhas de rádio e shampoo’s com valores mais altos para pagar 3 milhões de reais para Neymar e Gisele Bundchen fazerem comerciais de 30 segundos com o objetivo apenas de aumentarem os seus ganhos pessoais. Agora, quando nos é solicitada uma pequena parcela de uma viagem ou ação para promover a mudança da consciência espiritual das pessoas, achamos absurdo e exploração.

E eu creio que esses padres e pastores evangélicos fazem essas viagens para ajudar nas obras assistências de suas paróquias e comunidades. Não me preocupo com isso. Confio neles. Se fizerem algo de errado, sua comunidade logo perceberá e eles responderão por isso. Além disso, as pessoas não estão pagando nem um centavo a mais por essa viagem. Apenas os padres, pastores e eu estamos recebendo a comissão da venda do pacote turístico, que caberia ao vendedor da agência de turismo. Apenas isso. Pergunte a qualquer pessoa que foi comigo na viagem, e ela vai dizer que o pacote turístico ao Egito foi mais barato que nas grandes companhias de turismo. 15 dias de viagem em hotéis e cruzeiro 5 estrelas, com quase todas as refeições e passeios incluídos por 5 mil dólares. Façam o orçamento e me digam onde encontrar um valor igual ou menor? E ainda, viajarem com pessoas com a mesma busca e identidade espiritual?

Sem contar que observamos todos os dias traficantes de drogas e outros comerciantes ilícitos enriquecendo… É hora de pensarmos se queremos fazer uma ação que mude consciências ou apenas deixar que tudo permaneça assim como está. Se não investirmos em um novo mundo, o mundo novo que tanto sonhamos para trazer progresso humano e espiritual a nossa humanidade não chegará tão cedo. A pergunta é: se queremos construir um mundo novo, vamos esperar que ele aconteça sentado e de braços cruzados? Ou vamos colocar a mão na obra?

Acho desrespeito não remunerar o trabalho honesto. Se criarmos uma Ong, quem nela trabalhar será remunerado dignamente. A escolha é de vocês: enriquecer jogadores de futebol e artistas de televisão ou apostar em uma terceira via de trabalho em nome da consciência espiritual do nosso país, gerando emprego através de trabalhos sociais e educacionais que mude a consciência de nossa sociedade alienada.

Mas, se continuarmos com esse ranço de que “dinheiro é algo sujo”, jamais chegaremos lá. Lembrem-se, o Universalismo Crístico transcende as religiões e tudo que já vimos em termos de Espiritualidade. É um ideal que, quando se tornar conhecido e respeitado por todos, terá força para mudar o mundo através de sua respeitabilidade, até mesmo dentro do cenário político. Portanto, eu jamais colocaria a integridade dele em risco. O valor do ideal do UC será exatamente da dimensão de sua respeitabilidade. Contudo, precisamos ter ações para realizar o que nos propomos. Conto com o apoio de quem está disposto a mudar o mundo! Aqueles que já se cansaram de toda essa alienação primitiva que vigora ainda até os dias de hoje, em nosso mundo.

Roger Responde 129 – Qual o papel dos demais seres vivos em nossa vida?

129 – Pergunta (04/06/2012): Qual o papel dos demais seres vivos em nossa vida e como devemos fazer para respeitá-los e auxiliá-los na sua caminhada?

Roger: A consciência ecológica e a espiritual devem estar intimamente ligadas. O homem à medida que evolui espiritualmente passa a compreender a importância de amar e respeitar a Natureza integralmente, de forma sincera e verdadeira. O Universalismo Crístico é uma instituição que abrange a vida como um todo. Ele não é somente ligado às questões espirituais ou religiosas. Para obtermos uma evolução integral, não podemos dissociar as questões humanas das espirituais. Por isso apoiamos e lutamos por todas as causas que visem construir um mundo mais harmônico e voltado para o Bem, independente de crenças.

Os reinos animal e vegetal também cumprem um processo evolutivo, na condição de nossos irmãos menores, filhos do Criador, portanto devem ser amados e auxiliados em sua jornada para que atinjam o crescimento traçado para suas existências. Eles não devem ser utilizados como instrumentos de nossos caprichos egoísticos, sendo vitimas de violências e abusos que consideramos intoleráveis para com a nossa própria espécie. E isso se torna mais claro à medida que ampliamos a nossa consciência espiritual. Evoluir é amar aos nossos semelhantes e a Criação como um todo, de forma verdadeira e incondicional.

Além do mais, a destruição das matas, a poluição dos recursos naturais e a violência contra os animais estimulam vibrações energéticas negativas no planeta, alimentando as ações e intenções das ordens espirituais do mal, estimulando guerras, violências e desequilíbrios psicológicos entre os homens.

No passado remoto, quando ainda vivíamos um padrão espiritual primitivo, essas ações condiziam com a vibração espiritual da humanidade. No entanto, nos dias atuais, utilizar os animais e a Natureza como um todo de forma vil, escravizando-os e explorando-os, tanto para interesses mercantilistas como alimentares, essa atitude, a cada nova década que se passar, estimulará maiores desequilíbrios energéticos, psicológicos e emocionais em nosso planeta. Sem dúvida, à medida que a consciência planetária evoluir, atitudes de ataques e desrespeito a Natureza causarão maiores danos à harmonia de todo o ecossistema, tanto no plano físico como espiritual. Somos todos um. As agressões contra o corpo de “Gaia” refletem diretamente em nossas próprias almas. Agir assim, é como ferir a nós mesmos e, à medida, que a consciência planetária aumentar, sentiremos mais intensamente as graves consequências disso.

Amar e respeitar a Natureza, dedicar aos animais, vegetais e demais recursos naturais do planeta carinho e respeito, é semear vibrações de luz que certamente todos colheremos no futuro, através de um mundo melhor para vivermos. Se queremos um mundo pacífico e melhor para se viver, isso passa diretamente pelo respeito a todas as formas de vida do planeta. Devemos refletir sobre isso.

 

Roger Responde 126 – Dificuldade dos educadores para despertar os jovens

126 – Pergunta (14/05/2012): Olá Roger! Sou professora numa Escola Pública do Estado de São Paulo e muitas vezes fico pensando como despertar nos adolescentes o interesse para uma aprendizagem significativa. As deficiências são tantas que às vezes torna-se muito difícil. Como uma educadora pode contribuir para a evolução destes jovens? Eu tento fazer o possível para despertá-los para o estudo mas confesso que poucos se dedicam. A prova são estes índices baixos que vemos nas avaliações! O que fazer?

Roger: Oi querida amiga, essa é uma das nossas principais preocupações também. No novo livro “Universalismo Crístico Avançado” que será lançado em setembro desse ano, abordamos o tema com profundidade, dedicando a ele um capítulo exclusivo e diversas outras reflexões durante todo o livro.

Um dos principais pontos abordados diz respeito a estimularmos nos jovens o saudável hábito de filosofar, ao invés de apenas ensinarmos o conteúdo tradicional de forma mecânica, que é importante para a formação humana. Hoje em dia os homens parecem robôs, que são facilmente manipulados por instrumentos de manipulação de massas. Tudo porque a filosofia, o ato de pensar e chegar a conclusão por suas próprias reflexões, foi completamente abandonada do modelo educacional vigente. As escolas precisam resgatar o modelo educacional filosófico e reflexivo. Hoje em dia os alunos apenas decoram as matérias, sem “integrar o conhecimento”. Eles não compreendem o significado daquele saber para o seu desenvolvimento humano e espiritual. Muitos nem lembram mais o que estudaram no ano seguinte, tornando-se adultos sem opinião própria e sem capacidade de conceber reflexões que poderiam ajudar muito em suas profissões e vidas.

Outro ponto que abordamos é que a educação familiar e a escolar são os alicerces máximos da boa formação do homem. A criança que recebe uma educação positiva e com bons valores, através dessas duas estruturas, tornar-se-á um adulto de sucesso e feliz. Precisamos preparar o terreno para as novas gerações que se sintonizarão naturalmente com a luz. Precisamos educá-las desde cedo para que vejam o caminho de paz e amor que devem seguir. Uma revolução na educação precisa ser iniciada. Esse é um dos principais papéis que o Universalismo Crístico defenderá quando estiver plenamente estruturado por todo o pais. As novas gerações, de boa índole, se bem formadas desde a infância, estabelecerão na Terra a Nova Era.

Se nós desejamos perpetuar na Terra um elevado padrão de vida e desenvolvimento humano e espiritual, tornando os homens conscientes, livres e pacíficos, esse caminho encontra-se, sem dúvida alguma, na educação através de efetivos modelos de conscientização e despertar. Ensinar os nossos filhos a pensarem e lhes oferecer conhecimento é a melhor herança que poderíamos dar a eles e ao mundo como um todo. Os pais e educadores devem perceber isso e ensinar e estimular nas crianças o que realmente importa. Não se consegue formar homens e mulheres valorosos por meio de elogios fúteis, focados no ego de cada um. Para isso é preciso incentivá-los a comportamentos e valores dignos.

Infelizmente esse espaço é muito pequeno para abordar com profundidade um tema tão importante. Mas logo logo, o livro “Universalismo Crístico Avançado” estará disponível para todos com dezenas de páginas a respeito desse tema.

Roger Responde 125 – Aborto em bebês anencéfalos

125 – Pergunta (07/05/2012): Olá Roger, tudo bem? Você poderia me elucidar uma questão? Gostaria de saber qual a posição Universalista acerca da temática do aborto em bebês anencéfalos… Sou a favor da vida, mas quando entra em questão a vida da mãe, entro em conflito… Você poderia me ajudar a clarificar essa questão que me afeta tanto o íntimo? Afinal, tendo a mãe risco de vida, ela não deve ser preservada?

Roger: Amigos, recebi dezenas de emails a respeito dessa questão que foi aprovada no Congresso faz poucas semanas. Vale ressaltar que foi aprovado o direito de realizar o aborto, e não a sua obrigatoriedade. O livre arbítrio de cada um, nosso direito mais precioso, está preservado. No entanto, vale algumas considerações para que seja tomada a decisão consciente.

Esse é um assunto muito delicado e que devemos opinar com prudência. Na compreensão que tenho das coisas que me foram passadas até hoje pelos mestres, entendo que o aborto só deve ser realizado quando existir risco de morte da mãe. Se for esse o caso, indiscutivelmente sou favorável a realização do aborto. Caso não seja esse o caso, sou contra até mesmo ao aborto em situações de estupro que não haja risco de morte da mãe. A experiência na vida humana é um campo de aprendizado de Deus, e não obra do acaso. Não vivemos situações as quais não necessitamos passar. Colhemos o que plantamos e vivemos segundo a lei de “ação e reação”. A gestação de um filho concebido em um ato de estupro ou com deficiências pode resultar na encarnação de um espírito iluminado que irá trazer grande aprendizado para os pais e para o meio onde viverá. Não devemos nos focar somente na “casca” e/ou na situação trágica da concepção.

Logo, nada ocorre por acaso. A gestação de anencéfalos trata-se de um aprendizado para os pais e um processo de retificação cármica para o espírito que está ligado a esse corpo em formação, com o objetivo de reconstruir o seu corpo perispiritual degradado devido a algum ato destrutivo de suicídio. Nessas situações, geralmente os pais e o nascituro estão ligados por laços cármicos, e é um gesto de generosidade dos genitores acolhe-lo até o momento de sua inevitável morte prematura, permitindo assim a reconfiguração de seu corpo perispiritual através do molde físico transitório. E, também, essa gestação serve de instrumento para amenizar as dores de sua alma sofrida, através do amor que receberá de pais conscientes que lhe devem dirigir pensamentos e sentimentos de amor. Se não implica em risco direto de morte para mãe, por que não realizar o gesto generoso de vibrar com energias de amor para esse irmão que necessita de carinho e encontra-se acolhido em seu útero?

É um tema realmente difícil e delicado. E nós, espíritos encarnados, por mais contato que tenhamos com a Espiritualidade Superior, não temos todas as respostas. No entanto, creio que o gesto mais sensato e de acordo com a vontade divina, é o de respeitar essa aparente “obra do acaso”, com uma predisposição e determinação divinas de fazer o bem ao nosso semelhante, no caso, o feto anencéfalo.

Ninguém vive experiências as quais não necessita para seu aprendizado. Acreditar no acaso, é não crer na Inteligência divina. Infelizmente, a humanidade ainda vive muito distanciada do saber espiritual para compreender o quão importante é esse gesto de amor de permitir que essa gravidez siga o seu curso normal. A realidade espiritual ainda é invisível aos olhos dos leigos. Na minha opiniãoa lei está certa em não ser proibitiva. O que falta em nossa humanidade é o desenvolvimento da consciência espiritual para saber decidir qual o caminho correto a seguir.

Além disso tudo, achar natural o aborto de anencéfalos pode ser o primeiro passo para justificar o aborto de qualquer outras situações de gestações fora dos padrões da normalidade. E em breve poderemos até mesmo estarmos abrindo as portas para interromper, de forma aparentemente justificável, gestações de crianças que não nasçam loiras e de olhos azuis por meio de técnicas de engenharia genética. A defesa do aborto, seja de que forma for, permite a humanidade inconsequente caminhar em direção a um pensamento nazista e típico dos magos negros atlantes, assim como narramos no livro “Atlântida – No reino das trevas”, onde se procurava dar oportunidades de reencarnação somente a filhos ditos perfeitos. Os demais deveriam ser eliminados.

 

Roger Responde 123 – Roger discorda de algo que ensina o Espiritismo?

123 – Pergunta (23/04/2012): Roger, acredito firmemente no Universalismo Crístico e já li todos seus livros, sou espírita, acredito firmemente em todos os ensinamentos da Doutrina Espírita e tento professar o máximo possível aquilo que tenho aprendido com ela, não é fácil para nós seres ainda tão imperfeitos. Minha dúvida é a seguinte: Você discorda de alguma coisa que nos ensina o espiritismo?

Roger: Boa pergunta. Em minhas reflexões e segundo orientações de Hermes passei a crer que no estudo da sabedoria espiritual jamais devemos julgar os ensinamentos como certos ou errados, verdadeiros ou falsos. Acredito no conceito de verdades relativas. Por isso no livro “Universalismo Crístico – O futuro das religiões” afirmamos que a verdade é relativa, pois ela é um reflexo da percepção limitada, de cada época, de cada cultura e de cada povo. Com o avanço da consciência e compreensão espiritual dos alunos da “escola Terra”, a verdade vai se revelando de forma mais ampla, iluminando e libertando-nos de antigos preconceitos e crenças limitantes, mostrando-se de forma mais universal, tolerante e com maior clareza.

As normas religiosas e sociais do passado não estavam erradas. Eram apenas o entendimento limitado daquela época; a verdade daquele momento evolutivo de nosso mundo. Refletia a capacidade evolutiva de compreensão daquela humanidade, que era a mesma de hoje, mas que estava em sua infância espiritual. Nós estamos em constante evolução, portanto, o entendimento espiritual também deve sempre evoluir. Eis o motivo de existir do Universalismo Crístico: promover o avanço do entendimento espiritual em uma época de nossa evolução em que estamos propensos a dar rápidos saltos conscienciais.

Logo, não cabe a mim concordar nem discordar do que as religiões ensinam. Todas provém de Deus. Compete a cada um fazer essa análise, conforme o seu entendimento. Não vem ao caso eu julgar se elas estão certas ou erradas. Porém, é minha tarefa convidar todos a refletirem sobre esses ensinamentos e verificarem se aquela “verdade relativa” que creem ainda é necessária para a sua caminhada evolutiva. Ou seja, refletir se já não está na hora de analisar com mais profundidade as suas crenças e procurar ter visões mais universalistas e mais tolerantes com o pensamento do próximo, avaliando se o que acredita está de acordo com o bom senso e a lógica dos tempos atuais, sem, jamais, obviamente, afastar-se do amor, que é a única verdade absoluta que possuímos em mãos no atual estágio evolutivo de nosso mundo.

Roger Responde 121 – Existe a chama violeta? Ela transmuta carmas?

121 – Pergunta (09/04/2012): Li no livro “Universalismo Crístico O futuro das religiões” que a chama violeta não ajuda a transmutar os carmas do passado e purificar o espírito. Pergunto: Existe a chama violeta? Para que serve? Por que tanto se fala nela? Como ela se encontra em tantos sites e vídeos? Tinha uma grande atração por Saint Germain e a chama violeta e fiquei desapontada com essas afirmações.

Roger: Esse questionamento tem o mesmo enfoque da pergunta da semana passada. Amigos, como afirma o livro, purificar o espírito, ocorre porque em conexão com a crença da Chama Violeta entramos em um estado vibracional superior, ou seja, de oração. Saint Germain e os outros mestres trabalham conosco nessa vibração que nos impulsiona e cria melhores condições para evoluirmos, como falamos na semana passada. Agora, quanto a queimar o carma, não existe queima de carma sem mudança de padrões de comportamento. Não basta sintonizar-se com a Chama Violeta e continuar repetindo os mesmos padrões de comportamento que levam ao desequilíbrio.

Como diz o livro “Universalismo Crístico básico”: queimar carma só se consegue através da correção do mal cometido, ou seja, através da prática direta do Bem. Não se iludam com relação a isso. Mesmo porque aquele que fica em pleno estado de meditação e purificação jamais consegue perfeita harmonia de espírito se ainda encontra-se em desavença com algum irmão ou realizando práticas antifraternas. Não existe queima de carma sem reforma íntima e harmonização com o seu próximo.

Se não fosse assim, onde estaria o mérito de resolvermos os nossos problemas somente meditando, sem uma real ação para corrigir os nossos erros e sem ajudar aqueles a quem fizemos mal? Em nosso novo livro “Universalismo Crístico Avançado” falamos em determinado capítulo sobre o carma. Até revelei esse trecho do livro em nosso grupo de emails do UC-Brasil. http://groups.google.com/group/uc-brasil Vou reproduzir aqui, também, no “Roger Responde” para que todos tenham acesso de forma antecipada a parte do conteúdo do novo livro.

Eu analisei o caso, consultando a sua tela mental e as anotações feitas pelos demais atendentes na ficha do paciente. Verifiquei o carma que teria de resgatar nessa última existência e percebi algo muito interessante: não havia ocorrido o resgate cármico, apesar de todo o sofrimento que vivera devido ao seu corpo ter sido consumido pela doença.
As pessoas com consciência espiritual acreditam que estamos aqui para regatar carmas do passado. Só que, algumas vezes, não tem consciência de que não basta apenas “resgatar carmas”, é necessário realizar uma mudança de padrões de comportamento. Só assim o ciclo se encerra!
O paciente que eu estava atendendo desencarnou consumido por um terrível câncer de pâncreas, devido ao rancor e ressentimento em sua alma. E já era a sua terceira reencarnação consecutiva que descia à matéria para vencer o mesmo desequilíbrio da alma.
Nas questões cármicas, o que realmente importa, é o aprendizado. Se ele não ocorrer, o carma não é regatado, por mais que tenhamos sofrido com a sua ação impiedosa.
Inclusive, o carma pode até ser mudado, ou anulado, a partir do aprendizado. A função de nossas experiências na matéria é provocar evolução interna, ou seja, aprendizado em direção à luz. Não existe punição divina! O homem é que ainda percebe a causa da dor dessa forma distorcida.
Apenas viver o carma não é suficiente. É necessário aprender com ele e modificar-se para melhor. No caso que eu analisava era possível ver que o seu corpo espiritual ainda repetiria aquele mesmo padrão enfermiço em sua existência seguinte. E isso ocorre com muitas pessoas teimosas que não aceitam o ponto de vista de seus semelhantes quando lhes indicam a necessidade de se modificarem para melhor.

Roger Responde 119 – Finalidade da viagem ao Egito

119 – Pergunta (26/03/2012): Roger, qual a finalidade dessa viagem ao Egito? Eu vi no site que é para debater o Universalismo Crístico. Isso não poderia ser feito aqui mesmo no Brasil? Existe algum motivo para ser lá no Egito? Eu gostaria de participar desses debates. Mas não tenho tempo nem disponibilidade financeira para realizar a viagemao Egito nesse momento?

Roger: A finalidade da viagem ao Egito é realizar um sonho de todos que tem ligação com o nosso trabalho e, também, redescobrir-se através da energia especial daquele local com cultura milenar. Ao ver e tocar cada estátua, cada parede dos templos, somos transportados às nossas vivências do passado, momento em que boa parte do grupo iniciava o seu roteiro evolutivo na Terra. Certamente que os debates do Universalismo Crístico não precisam ser realizados lá. Mas foi a oportunidade que surgiu para convivermos 15 dias juntos e assim confraternizarmos e trocarmos ideias sem pressa.

Algumas pessoas tem me reclamado que nos eventos não tenho dado a devida atenção a cada pessoa. Desculpem-me amigos, mas isso está se tornando cada vez mais difícil. São poucas horas para atender a centenas de pessoas. Já em uma viagem como essa, tomaremos café da manhã juntos, almoçaremos, jantaremos, passearemos pelos pontos turísticos todos juntos, conversaremos nos finais de tarde e, então, poderei dar essa atenção com calma e sem que seja desgastante para mim. Vocês não imaginam como é desgastante para uma pessoa como eu, acostumada ao isolamento, ter que atender diversas perguntas ao mesmo tempo em um curto espaço de tempo, e isso depois de realizar uma palestra de uma hora e meia. Como já falei em outras oportunidades, o meu forte é escrever livros, e não essas maratonas longas que outros médiuns realizam tão bem.

Entretanto, vamos pensar em uma forma de realizar alguns eventos de final de semana aqui mesmo, em uma região central do Brasil, onde as pessoas possam se hospedar em um hotel fazenda ou algo semelhante. Dessa forma poderemos ter mais tempo para conversar e para esses debates tão importantes para o futuro espiritual de nosso mundo. À medida que mais pessoas se unirem ao projeto Universalismo Crístico, organizar eventos como esse serão mais fáceis e rotineiros.

E sobre a viagem ao Egito e monte Sinai lembramos que estamos nas últimas semanas para contratar a viagem. O prazo limite é dia de 10 de abril. O grupo que está se formando é tão especial quanto da viagem anterior, sendo que alguns do grupo anterior irão novamente. Pessoas especiais e queridas as quais poderemos trocar experiências e conhecimentos espirituais para o nosso crescimento interior. E não se preocupem com o sequestro de duas brasileiras ocorrido na estrada para o monte Sinai. Esse grupo estava realizando uma longa viagem de 8 horas pelo deserto até chegar ao Sinai pela estrada que vai para Israel. Nós faremos o translado do Cairo para o Sinai de avião. Sobrevoaremos as regiões mais perigosas. Não estaremos de ônibus nesses locais. Na viagem passada fomos a Amarna que é até mais perigosa e nada aconteceu. Nesse ano passaremos boa parte do tempo a bordo do barco, realizando o cruzeiro, em regiões bem seguras e fascinantes para todos. Particularmente a região de Luxor e seus diversos templos e o vale dos reis é algo memorável e com clima bem tranquilo e interiorano.

Aproveitem essa oportunidade. Será a última viagem para o Egito nos próximos anos. Ano que vem faremos a viagem para a Terra Santa, como preparativo para escrever os futuros livros sobre Jesus, e depois encerraremos essas viagens até novas orientações de Hermes nesse sentido.

 

Roger Responde 118 – Vibração Coletiva do Universalismo Crístico

118 – Pergunta (19/03/2012): Hermes, conforme havíamos combinado, gostaria que nos falasse sobre a importância, finalidade e benefícios da “Corrente Vibratória pelo Universalismo Crístico”, que estamos realizando todas as quartas-feiras das 22:00 as 22:15, e que recebeu amplo apoio da equipe espiritual responsável pela implantação da consciência espiritual do terceiro milênio na Terra.

Hermes: Caros irmãos, é com grande satisfação que nos dirigimos pela primeira vez através desse canal de divulgação do Universalismo Crístico. Sem dúvida, a “Corrente Vibratória pelo Universalismo Crístico” é uma importante ferramenta de união de pensamentos que já estávamos planejando implantar faz algum tempo. A iniciativa dos membros do grupo do Universalismo Crístico de São Paulo foi o resultado da sintonia entre plano espiritual e encarnados que, cada vez mais, se torna realidade por todo o Brasil. Somos todos um! À medida que nos conectarmos profundamente com esse ideal estaremos mais próximos de atinigirmos o resultado a que nos propomos e pelo qual por tantos anos todos foram orientados no astral antes de suas respectivas reencarnações na matéria.

A “Corrente Vibratória” é uma iniciativa importante que visa higienizar e harmonizar as vibrações energéticas do planeta, ainda mais nesse delicado periodo de transição planetária em que vivemos. Em certas épocas do ano a concentração energetica perniciosa torna-se muito grande afetando de forma preocupante à humanidade e o planeta como um todo, causando distúrbios psiquicos e convulsões geológicas e climáticas. A união de todos em pensamento gera uma poderosa energia que, aliada a ação das equipes espirituais, regulariza e equilibra o planeta, evitando graves tragédias executadas tanto pela ação física do homem como a partir do esgotamento de Gaia, a alma planetária, devido aos pensamentos em desequilíbrio de toda a família terrena. Na última virada do ano ocorreu um grande processo nesse sentido, preparando a Terra para a sua entrada na “Era da Luz”, que já relatamos no novo livro.

O enfoque da vibração coletiva deverá ser sempre, como pano de fundo, a mentalização e o desejo da efetivação da implantação do Universalismo Crístico na Terra, fato que permitirá grandes avanços de nossa humanidade, não só no campo da Espiritualidade, mas em todas as áreas da vida humana, como estamos explicitando no livro novo que estamos elaborando. O tema proposto no dia 07/03/2012, focado na “Natureza”, já mostra que a proposta do Universalismo Crístico transcende o campo espiritual e religioso.

Além desse enfoque principal, toda semana teremos um tema que estimule os participantes a se conectarem com as virtudes crísticas e as questões espirituais e sociais da humanidade que precisam ser refletidas. Às terças-feiras esse tema será divulgado no site e contamos com a corrente de pensamentos de todos os simpatizantes do U.C. Quando mentalizarmos a caridade, tema dessa semana, por exemplo, estaremos envolvendo a grande parte da humanidade que ainda encontra-se alienada, intuindo-a a tratarem com esse sentimento os seus semelhantes, criando, assim, relações mais harmônicas no mundo.

E como cada um recebe de acordo com as suas obras, todos que participarem da corrente vibratória receberão a devida contrapartida. É dando que se recebe! As equipes espirituais estabelecerão conexões com os participantes abençoando-os com energias salutares que visem reestabelecê-los psiquica e organicamente, além de atuar diretamente em seus problemas especificos de saúde. Avisem aos amigos que estejam envolvidos em processos de enfermidade. Todos que mentalizarem conosco serão atendidos! Basta sintonizarem-se com o ideal do Universalismo Crístico. O ato de orar, meditar e estabelecer conexão com o Alto gera energias internas preciosas em mundo íntimo, elegendo-nos à cura. O amor e as boas vibrações produzem luz de dentro para fora em nossas almas, curando os distúrbios que possam estar se formando ou já estarem em atuação em nossos corpos astrais, e que depois inexoravelmente são refletidos no físico.

A vibração será realizada todas as quartas-feiras das 22:00 as 22:15. Com exceção da penúltima semana do ano, quando se realizará na quinta para sexta, madrugada do dia 21/12/2012, das 00:00 as 02:00, momento em que estaremos desativando a quarta e última pirâmide hipnótica atlante. Nesse dia, precisaremos contar com o apoio de todas as almas já conscientizadas sobre a importancia de cultivar o amor e os valores espirituais em suas vidas para construir um novo mundo. Não precisam ficar as duas horas acordados meditando. Iniciem a meditar a meia noite e durmam. Os que estiverem aptos serão levados por nós para participarem em desdobramento da atividade no astral.

No novo livro “Universalismo Crístico Avançado” relatamos a desativação da terceira pirâmide que ocorreu faz alguns dias. Nele divulgamos as “três chaves” de desativação das pirâmides anteriores e que serão necessárias para o desligamento da estação hipnótica derradeira e, também, a preparação necessária para realizar a atividade em 21/12/2012. Essas informações serão divulgadas aqui nesse espaço, dentro em breve, para que todos possam se preparar antecipadamente e, também, para atender aqueles que não terão a oportunidade de ler o nosso novo trabalho que será lançado em setembro.

Paz e luz a todos irmãos, e contamos com o vosso apoio. A união faz a força. E se desejamos que a grande mudança planetária ocorra, estabelecendo na Terra um mundo novo, todos precisamos fazer a nossa parte. A Nova Era na Terra depende fundamentalmente da ação e conscientização de todos. Precisamos fazer o mundo conhecer o Universalismo Crístico!

 

Roger Responde 115 – Denominação “Universalismo Crístico”.

115 – Pergunta (27/02/2012): Da mesma forma que dar um nome a Deus, seria rebaixar a divindade que é única; dar um nome à Religião, nesse contexto básico de se religar ao criador é perigoso, tendo-se em vista a grande quantidade de religiões existentes. Por isso não concordo com o termo UNIVERSALISMO CRISTICO que soa como mais uma seita, favorecendo o surgimento de seus respectivos “bispos”, que se acham donos da religião. A verdadeira religião com contato direto com Deus e com o conhecimento espiritual, não deve ter nome, como o Criador não o Tem.

Roger: Já falamos alguma coisa sobre isso na pergunta 49 do dia 22/11/2010. Mas, para sermos mais diretos, essa tua forma de ver seria ótimo se todas as pessoas já tivessem um entendimento perfeito e absoluto de Deus. Mas sabemos que não é assim. O uso do termo Universalismo Crístico, que é tão abrangente como a palavra Deus, e que não tem a finalidade de denominar nem uma seita, nem uma religião, tem a função de chamar a atenção dos leigos e daqueles que ainda não perceberam que a verdade é uma só, independente das religiões.

Se todos tivéssemos um profundo entendimento de Deus, como o leitor que fez a pergunta, ou se ficássemos sentados em casa meditando sobre isso o dia todo, nos dedicando somente ao saber espiritual, certamente isso não seria necessário. Quanto mais nos aprofundamos no saber espiritual, mais entendemos Deus e seu Grande Plano. Por isso pergunto: como ficarão as pessoas que não fazem essa busca se ninguém as chamá-las para essa reflexão? E como denominar essa compreensão de Deus, senão utilizando um termo de fácil entendimento para isso? Essa ideia é livre e possui preceitos fundamentais, que estão descritos no site com a finalidade de não permitir distorções na ideia. Quem fizer algo diferente estará divulgando qualquer outra coisa, menos o Universalismo Crístico, como já falamos na pergunta 49.

Em debates democráticos com as pessoas que mais se interessaram em ajudar na divulgação desse ideal (seriam esses os bispos, novos donos da religião?) chegamos a conclusão de que a logomarca que utilizávamos para o Universalismo Crístico era um equívoco. Realmente o Universalismo Crístico não pode ter símbolos e imagens. Ele é um ideal, uma metodologia de compreensão espiritual, e não uma marca, religião ou seita. Portanto decidimos abolir o símbolo da pomba e utilizar apenas o próprio nome Universalismo Crístico no novo site e faremos o mesmo em todos os demais materiais impressos de divulgação de agora em diante.

É preciso entender que a nossa humanidade ainda é muito primária para reflexões filosóficas mais profundas. Se não criarmos uma ponte que os leve da velha religião para os conceitos da consciência espiritual do terceiro milênio, essas pessoas ficaram para trás. E Jesus mesmo nos pediu para que “não perdêssemos uma só ovelha de seu rebanho”. Logo, entendemos que o nome Universalismo Crístico possui a força necessária para despertar as pessoas que ainda não possuem a sua espiritualidade desenvolvida. Depois de elas compreenderem isso, naturalmente farão a sua busca espiritual comungando diretamente com Deus. E, se forem generosas, compreenderam que essa é uma metodologia que tem uma importante função nos dias atuais, e passará a trabalhar ativamente para ajudar a despertar seus outros irmãos através dela, assim como ela também foi despertada pelo Universalismo Crístico.

E amigos, vejam e participem da “Corrente Vibratória pela implantação do Universalismo Crístico na Terra”, neste site, na aba “Notícias”. Nas próximas semanas responderemos uma pergunta específica sobre esse tema através da orientação direta de Hermes.

Next Page → ← Previous Page