Vibração Coletiva (27/05/2015) Tolerância – Somos o que criamos

Tolerância – Somos aquilo que criamos.

Queridos (as) amigos do UC.

Vamos juntos concentrar nossos pensamentos e ações, na tolerância consigo mesmo e ao nosso próximo.

A tolerância é também um dos preceitos do U.C. Como lembramos na semana passada.

“A compreensão do modo de pensar de nossos semelhantes, com o objetivo de aceitá-los com mais tolerância”.

E como seria o modo de pensar estimulado atualmente, pelas mídias, padrões e sobrevivência?

Na ideia capitalista e material como humanidade, se pensarmos nos padrões estabelecidos, como pessoas frias e robotizadas pela falta de sensibilidade e busca de interesses, status e valores, chegaremos a realidade das relações humanas atuais, quando não queremos mas a presença de uma pessoa, por ela não trazer o prazer que queremos, descartamos a pessoa.

Se estudarmos esse comportamento, o que seria essa reação?

A falta de interesse em si mesmo como o excesso de egoísmo, motivados por uma sociedade que valoriza a imagem mas não conteúdo, geram atitudes como essa, na qual esquecemos nosso: Ser humano nos voltando as relações materialistas, em que queremos algo das pessoas e se não temos da forma como queremos, pronto, essa pessoa não serve, não importando os sentimentos e nem a construção de uma relação, seja de amizade, companheirismo e ou amor.

Quando estamos doentes pela intolerância, não queremos ver ou pensar, no grande ensinamento que o Mestre Jesus nos repassou:

“Não faça ao teu próximo, aquilo que não gostaria que fizessem contigo”.

Nesta revelação do amado Mestre, a clareza no direcionamento que é tolerância, de sermos responsáveis por aquilo que cativamos dentro e fora de nós.

Como já somos cientes que “A plantação é livre, mas a colheita obrigatória” dito e refletido por muitos Mestres espirituais, na tentativa de nos conscientizarmos de nossa sensibilidade espiritual na ação do carma em nossas atitudes e o atraso muitas vezes de nossa evolução, pela não aceitação da manifestação do amor em nossas vidas.

Vemos a importância deste preceito, irmãos e irmãs de humanidade, neste momento destinado a nós para vibrar em comum ação energética, vamos mentalizar os nossos bons sentimentos dentro de nosso interior como ao próximo, em todas as pessoas que estão e passam por nossas vidas e muitas vezes não as valorizamos, por nossa ignorância ou egoísmo, de parar um momento em compreender o nosso próximo e a nós mesmos.

O tempo destinado a nosso interior e ao nosso próximo, é a senda que pode fazer ser, aquilo queremos em ser.

Muita luz, e clareza nessa vibração! Para expandirmos a compreensão que muitas vezes adormece em nossas vidas!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *