Vibração Coletiva (05/07/2017) – Transmutação dos Vícios

Transmutação dos Vícios 

Irmãos de caminhada, convidamos a todos para que nesta semana, período em que nos aproximamos do final de mais um abençoado ano de infinitas reflexões e oportunidades, possamos meditar de maneira mais profunda acerca de nossas limitações e vícios. Utilizemo-nos dos sete pecados, tão difundidos durante um longo período da história do nosso amado planeta Terra, para que possamos nos compreender de maneira mais clara e assumir assim uma maior consciência em busca do auto aperfeiçoamento.

Os sete pecados capitais nada mais são do que uma classificação dos vícios do homem, praticados em demasia ainda por toda a humanidade. Essa é uma classificação muito antiga que precede ao surgimento do cristianismo, mas que durante o período da Idade Média foi difundida pela Igreja Católica a fim de educar seus seguidores, controlando os instintos básicos do ser humano.  Por vícios, entendem-se os maus hábitos vividos pelo homem, contrários aos preceitos de amor ao próximo e de amor a si mesmo, trazidos pelas mensagens dos grandes mestres que por aqui passaram.   

Propomos a todos conhecer um pouco mais a fundo cada um dos sete vícios, refletindo sobre nossos comportamentos, pensamentos e atitudes, e buscando reverter esses vícios/pecados, em virtudes e sentimentos renovadores e nobres.

Inicialmente pensemos a respeito da Gula, representada pelo desejo insaciável, que está além do que o homem necessita para viver, e que está no imaginário da sociedade relacionado ao exagero na alimentação. Porém, a gula conecta-se diretamente com o egoísmo humano, da sua insatisfação e da vontade de querer sempre mais do que já possui, da dificuldade em se contentar.  A virtude contrária a Gula é a Temperança, ou seja, a busca pelo equilíbrio, pela moderação e pelo comedimento. Lembre-se sempre de nosso Senhor está sempre no controle, e que nada nos é dado sem que tenhamos merecimento, assim como nada nos falta sem que seja necessário para nossa evolução. Contente-se com o que lhe foi dado e não permita que a insatisfação, principalmente material, lhe tire da direção correta e lhe faça esquecer do que realmente importa nessa vida.

Como segundo pecado, temos a Avareza, símbolo do apego excessivo e descontrolado pelos bens materiais e pelo dinheiro. Esse é um dos sentimentos mais presentes em nossa sociedade moderna, levada aos extremos pela divulgação da mídia que incentiva o aumento demasiado ao consumo. O homem atual só pensa no “ter”, e esquece-se do “ser”. A virtude contrária a Avareza é a Generosidade, a bondade em doar, em se desapegar das futilidades e dos bens materiais, tão efêmeros, passageiros.

Já a Luxúria, consiste no desejo passional e egoísta por todo tipo de prazer ligado a matéria, em se deixar dominar pelas paixões mundanas. Em contraponto, a virtude que deve ser enobrecida para a superação da luxúria, é a Castidade, no sentido de se abster do prazer que leva o homem a pensar e ser controlado pelas paixões, pela sedução e pela banalização da sexualidade.

Como quarto pecado/vício, pensemos na Ira, que engloba todo sentimento intenso e descontrolado de raiva, ódio, rancor ou vingança. O homem que alimenta o sentimento de Ira permite que a fúria tome conta do seu ser e acaba não conseguindo controlar suas atitudes e seus pensamentos contra aquele em que acredita ter-lhe feito mal. O irado não percebe que todos os infelizes sentimentos que alimenta, somente alimentam e enegrecem seu próprio coração. Para superar a Ira, pratique a Paciência, saiba compreender o outro, coloque-se em seu lugar, reflita sobre os motivos do outro agir de determinada maneira, mesmo que não concorde. A paciência é uma nobre virtude que nos aproxima da resignação, da tolerância e do amor aos nossos irmãos, não importando eles quem sejam ou o que façam.

Agora, reflita sobre a Inveja, sentimento que envenena o espírito de quem a fomenta. A inveja leva a pessoa a não valorizar e a ignorar as bênçãos que recebe, e acaba por enobrecer e cobiçar o que é conquistado pelo outro. O invejoso nutre um ciúme por tudo aquilo que o outro tem, posses, status, habilidades, conhecimento e até mesmo a elevação moral é um grande motivo de inveja. A virtude, em contraponto, é a Caridade, uma das mais sublimes qualidades que o homem pode adquirir na busca pelo verdadeiro sentido do amor. Nosso maior exemplo, Jesus, nos ensinou que a caridade é a benevolência para com todos, indulgência para com as imperfeições alheias e o perdão das ofensas. O amor e a caridade estão intrinsecamente ligados, pois amar ao próximo é fazer-lhe todo o bem possível, assim como desejaríamos que nos fosse feito, de acordo com as palavras de nosso Irmão Maior: “Amai-vos uns aos outros, como irmãos”.

A Preguiça foi classificada como outro importante vício. Ela gera no homem a inércia, a falta de empenho, o ócio, a ausência de estímulo ao trabalho e a busca por conhecimento, impedindo a sua evolução. Contrária a Preguiça está a Disciplina, a organização e a vontade em se efetivar tarefas, em agir e em entrar em ação. A melhor maneira de se afastar a preguiça é através do trabalho, pois é ele que honra e dignifica o homem, é o que o faz progredir, é o que consola e que o preserva contra as aflições e tristezas. Já o ócio, pelo contrário, torna o homem propenso aos vícios e aos maus pensamentos.

Por fim, pensemos na Soberba, sinônimo do Orgulho e da Vaidade. Em conjunto, tais sentimentos inferiores conduzem o homem para a exclusão, para a falta de amor, para a arrogância, acreditando ser superior e melhor do que os outros seres. O orgulho, ou sentimento de amor-próprio exagerado, é considerado um grande estorvo da elevação espiritual do homem, porquanto não o permite examinar suas fraquezas. Como sinal de reconhecimento do seu orgulho, pense nas vezes em que você discutiu e revidou alguma crítica que recebeu. É natural do homem devolver uma crítica com discussões, pois ainda possuímos uma grande dificuldade em aceitá-las, e não queremos ouvi-las novamente. Nada fere de forma tão profunda o orgulho do que olhar para dentro de si mesmo, e em aceitar nossas limitações e fraquezas. A Humildade é a virtude que contrapõe a Soberba/Orgulho, sendo um dos valores essenciais da Alma, exaltando a modéstia, a simplicidade e a pureza de espírito. O homem verdadeiramente bom procura elevar o inferior aos seus próprios olhos, diminuindo a distância entre ambos, exercendo assim a verdadeira humildade e caridade.

Com o devido esclarecimento, compreendemos que a vivência desses vícios, quando praticados em excesso pelo homem, acabam por formar uma “nuvem” mental, atraindo a influência de espíritos inferiores, ainda muito apegados as baixas vibrações da Terra. Portanto, não permitamos que essas influências e que os nossos vícios controlem nossas vidas, ações e pensamentos. Sejamos mais fortes, para que dia a dia conquistemos um maior domínio sobre nossas fraquezas, transmutando nossos vícios e trabalhando arduamente para desenvolvermos nossas virtudes, pelo caminho do autoconhecimento e sob a luz da ampliação das nossas consciências.

Paz e Luz a todos!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *