Category Roger Responde

Somente publicações do Roger Responde

273 – Pergunta (20/07/2015):  Oi Roger, tudo bem. Eu li recentemente o livro espírita “Dragões”, e lembro bem que a autora espiritual nos esclarece que alguns espíritos trevosos, como alguns dragões, perderam a chance de reencarnarem na Terra e aguardam apenas o momento de serem transferido para o planeta que está sendo preparado para recomeçarem. Então minha dúvida é que se para os magos negros atlantes que ainda continuam nas trevas vale essa mesma regra, se irão para o outro planeta recomeçarem mais uma vez ou terão outra chance aqui mesmo no nosso planeta. Gostaria se fosse possível, e me perdoe a ousadia e intromissão, mas surgiu essa curiosidade quando eu lia o seu “Atlântida - No Reino da Luz”, na passagem em que você fala que o homem atual desconhece a força do Vril que encontra-se adormecida na pirâmide de Keops. Então, se caso você tivesse a oportunidade de visitá-la e tendo sido no passado um grande mestre dessa força ainda seria capaz de desenvolver algum fenômeno? Obrigada pela atenção, aprendo muito com seus livros, que Jesus continue abençoando seu trabalho nesse novo despertar de consciência. Um abraço.

Recentemente li os dois livros: “Atlântida - No Reino da Luz” e “Atlântida - No Reino das Trevas” e estou lendo agora o “Universalismo Crístico Avançado”. Fiquei muito impressionado com o poder da Energia Vril... Poderia passar mais informações sobre essa energia e se hoje ela é utilizada por encarnados, evidentemente para realizar o Bem ou se as  “sombras” também a utilizam hoje. Abraço fraterno.

Roger: Vou responder essas duas perguntas ao mesmo tempo por serem focadas no mesmo tema: a fascinante energia Vril, descrita nos livros que elaboramos sobre a Atlântida. Este realmente é um tema impressionante e que resulta em dezenas de perguntas a respeito. Lembro aos amigos que nesta sessão de perguntas e respostas do site temos mais de 270 perguntas respondidas, sendo boa parte a respeito dos livros sobre a Atlântida e sobre a energia Vril.

O Vril nada mais é que o fluido cósmico universal presente em todo o Universo. O que permitiu que os atlantes realizassem maravilhas foi a sua incrível habilidade em manipular esta energia. E, para isto, é preciso acreditar nesta energia invisível, ter um grande poder mental e fé para acreditar que isto é possível. O que atrasa o nosso progresso neste campo é o fato de não termos nem a fé do tamanho de um grão de mostarda... Além disto, a atmosfera da Terra atualmente encontra-se muito pesada e materialista, dificultando realizar feitos notáveis com o Vril. Mesmo assim, hoje em dia, conseguimos transformar realidade com o quinto elemento, através de curas e outras aplicações vinculadas ao campo da fé e da Espiritualidade. Mas, no futuro, a humanidade da Nova Era, o “homem novo”, voltará a utilizar o Vril em todo o seu potencial, evitando que o “homem velho” destrua o planeta pela excessiva emissão de carbono na atmosfera, resultado do modelo energético de queima de combustíveis fosseis, que atualmente é a principal fonte de energia no mundo, e que a ganância dos poderosos insiste em manter.

E sobre visitar a pirâmide de Quéops, eu não só já tive a oportunidade de entrar nela, como farei isso novamente pela terceira vez em nossa próxima viagem ao Egito em setembro. Viagem que divulgamos aqui no site e no Facebook para reunir um grupo de colaboradores e simpatizantes do Universalismo Crístico. Nas duas vezes anteriores que entrei na Grande Pirâmide, em 2011 e 2012, tentei realizar algo com o Vril, mas ele se manifesta apenas no plano espiritual, inclusive dentro desse imenso catalisador de energia. Ainda mais que o Egito hoje em dia não é mais a terra das altas vibrações espirituais. O período faraônico tornou-se apenas história. A cultura islâmica que domina hoje em dia a região criou um véu que encobre a elevada energia espiritual de outrora. Expliquei isso em um capítulo inteiro no livro “Universalismo Crístico Avançado”, onde descrevemos detalhes das duas viagens ao Egito que já fizemos com leitores.

Sobre os dragões e magos negros atlantes poderem reencarnar na Terra ainda ou não... Tudo pode acontecer. Estabelecer regras absolutas sobre reencarnações é como estabelecer datas para grandes transformações no mundo. O próprio mago negro Arnach dos livros Atlântidas reencarnou faz pouco mais de cinco anos. Não houve nenhuma proibição para isto. No caso dele seria algo útil tanto para ele como para os projetos da Espiritualidade Superior.  Talvez a gente aprofunde mais sobre todas essas informações em nosso próximo livro, que será sobre esse tema. Mas, fundamentalmente, ele abordará questões mais urgentes, como a desconexão da humanidade atual com a Espiritualidade, abrindo brechas para a ação de todas estas coisas torpes que estamos vendo pelo mundo, atualmente.

Por fim, gostaríamos de informar aos amigos que apoiam e desejam auxiliar o projeto Universalismo Crístico na Terra que imprimimos 20 mil exemplares da nova revista do Universalismo Crístico (edição 2015), com recursos obtidos justamente com a viagem ao Egito, citada acima. Quem tiver onde distribuir estas revistas em sua região (local com pessoas interessadas no tema), envie e-mail para uc.novaera@gmail.com solicitando exemplares, provável quantidade e informando o seu endereço completo para a entrega.

Roger Responde 273 – Reencarnação de Magos Negros Atlantes e a possibilidade de se realizar algum fenômeno com o poder do Vril nos dias atuais.

273 – Pergunta (20/07/2015):  Oi Roger, tudo bem. Eu li recentemente o livro espírita “Dragões”, e lembro bem que a autora espiritual nos esclarece que alguns espíritos trevosos, como alguns dragões, perderam a chance de reencarnarem na Terra e aguardam apenas o momento de serem transferido para o planeta que está sendo preparado para recomeçarem. Então minha dúvida é que se para os magos negros atlantes que ainda continuam nas trevas vale essa mesma regra, se irão para o outro planeta recomeçarem mais uma vez ou terão outra chance aqui mesmo no nosso planeta. Gostaria se fosse possível, e me perdoe a ousadia e intromissão, mas surgiu essa curiosidade quando eu lia o seu “Atlântida – No Reino da Luz”, na passagem em que você fala que o homem atual desconhece a força do Vril que encontra-se adormecida na pirâmide de Keops. Então, se caso você tivesse a oportunidade de visitá-la e tendo sido no passado um grande mestre dessa força ainda seria capaz de desenvolver algum fenômeno? Obrigada pela atenção, aprendo muito com seus livros, que Jesus continue abençoando seu trabalho nesse novo despertar de consciência. Um abraço.

Recentemente li os dois livros: “Atlântida – No Reino da Luz” e “Atlântida – No Reino das Trevas” e estou lendo agora o “Universalismo Crístico Avançado”. Fiquei muito impressionado com o poder da Energia Vril… Poderia passar mais informações sobre essa energia e se hoje ela é utilizada por encarnados, evidentemente para realizar o Bem ou se as  “sombras” também a utilizam hoje. Abraço fraterno.

Roger: Vou responder essas duas perguntas ao mesmo tempo por serem focadas no mesmo tema: a fascinante energia Vril, descrita nos livros que elaboramos sobre a Atlântida. Este realmente é um tema impressionante e que resulta em dezenas de perguntas a respeito. Lembro aos amigos que nesta sessão de perguntas e respostas do site temos mais de 270 perguntas respondidas, sendo boa parte a respeito dos livros sobre a Atlântida e sobre a energia Vril.

O Vril nada mais é que o fluido cósmico universal presente em todo o Universo. O que permitiu que os atlantes realizassem maravilhas foi a sua incrível habilidade em manipular esta energia. E, para isto, é preciso acreditar nesta energia invisível, ter um grande poder mental e fé para acreditar que isto é possível. O que atrasa o nosso progresso neste campo é o fato de não termos nem a fé do tamanho de um grão de mostarda… Além disto, a atmosfera da Terra atualmente encontra-se muito pesada e materialista, dificultando realizar feitos notáveis com o Vril. Mesmo assim, hoje em dia, conseguimos transformar realidade com o quinto elemento, através de curas e outras aplicações vinculadas ao campo da fé e da Espiritualidade. Mas, no futuro, a humanidade da Nova Era, o “homem novo”, voltará a utilizar o Vril em todo o seu potencial, evitando que o “homem velho” destrua o planeta pela excessiva emissão de carbono na atmosfera, resultado do modelo energético de queima de combustíveis fosseis, que atualmente é a principal fonte de energia no mundo, e que a ganância dos poderosos insiste em manter.

E sobre visitar a pirâmide de Quéops, eu não só já tive a oportunidade de entrar nela, como farei isso novamente pela terceira vez em nossa próxima viagem ao Egito em setembro. Viagem que divulgamos aqui no site e no Facebook para reunir um grupo de colaboradores e simpatizantes do Universalismo Crístico. Nas duas vezes anteriores que entrei na Grande Pirâmide, em 2011 e 2012, tentei realizar algo com o Vril, mas ele se manifesta apenas no plano espiritual, inclusive dentro desse imenso catalisador de energia. Ainda mais que o Egito hoje em dia não é mais a terra das altas vibrações espirituais. O período faraônico tornou-se apenas história. A cultura islâmica que domina hoje em dia a região criou um véu que encobre a elevada energia espiritual de outrora. Expliquei isso em um capítulo inteiro no livro “Universalismo Crístico Avançado”, onde descrevemos detalhes das duas viagens ao Egito que já fizemos com leitores.

Sobre os dragões e magos negros atlantes poderem reencarnar na Terra ainda ou não… Tudo pode acontecer. Estabelecer regras absolutas sobre reencarnações é como estabelecer datas para grandes transformações no mundo. O próprio mago negro Arnach dos livros Atlântidas reencarnou faz pouco mais de cinco anos. Não houve nenhuma proibição para isto. No caso dele seria algo útil tanto para ele como para os projetos da Espiritualidade Superior.  Talvez a gente aprofunde mais sobre todas essas informações em nosso próximo livro, que será sobre esse tema. Mas, fundamentalmente, ele abordará questões mais urgentes, como a desconexão da humanidade atual com a Espiritualidade, abrindo brechas para a ação de todas estas coisas torpes que estamos vendo pelo mundo, atualmente.

Por fim, gostaríamos de informar aos amigos que apoiam e desejam auxiliar o projeto Universalismo Crístico na Terra que imprimimos 20 mil exemplares da nova revista do Universalismo Crístico (edição 2015), com recursos obtidos justamente com a viagem ao Egito, citada acima. Quem tiver onde distribuir estas revistas em sua região (local com pessoas interessadas no tema), envie e-mail para uc.novaera@gmail.com solicitando exemplares, provável quantidade e informando o seu endereço completo para a entrega.

Roger Responde 272 – Como posso fazer uma jornada de autoconhecimento se grande parte do que eu sou está contido no meu inconsciente?

272 – Pergunta (06/07/2015):  Caro Roger Paranhos, bom dia, Estou lendo o livro “Universalismo Crístico Avançado” e estou gostando muito. Mas há muito tempo que a proposta do autoconhecimento ocupa meus pensamentos e uma dúvida que sempre tive e até o momento não foi elucidado ou abordado pelo seu livro é: como posso fazer uma jornada de autoconhecimento se grande parte do que eu sou está contido no meu inconsciente? Como acessar essa usina de sentido que está oculta para nós mesmos? Você conseguiu através de uma cadeira tecnológica no mundo espiritual. E o resto da população? Como conseguirá? Outros dizem que conseguem por terapia, mas e os outros? Afinal, Deus não deixaria na mão grande parte da população que não pode pagar por uma terapia. O que você poderia acrescentar nesse ponto? Grato pela sua atenção!

Roger: Boa pergunta. Com relação à “cadeira tecnológica” citada no livro “Universalismo Crístico Avançado”, ela teve por finalidade demonstrar aos leitores, de forma didática, o saudável hábito de praticar a empatia, ou seja, mergulhar dentro da consciência de nossos semelhantes para entender a sua forma de pensar e suas atitudes. E para isto não precisamos de elaborados recursos tecnológicos, deste ou de outro mundo. Para ser sincero, creio que até a terapia, conduzida por psicólogos e psiquiatras são úteis até certo ponto. Boa parte dessa caminhada de autodescoberta deve ser realizada por nós mesmos, de forma sincera e determinada. Primeiro buscando nos conhecer sinceramente e depois procurando entender e aceitar verdadeiramente os nossos semelhantes.

Porém, para isto, é preciso desligar-se da rotina alienante em que vivemos e mergulhar dentro de si mesmo, em profundo silêncio e meditação. Algo que poucos realizam hoje em dia. Triste época em que vivemos em uma sociedade enlatada, onde procuramos respostas prontas em todo lugar, seja nas religiões superficiais ou até mesmo nas redes sociais que tanto influenciam tendências nos dias atuais.

O que falta para a humanidade não são recursos especiais para levá-la ao autoconhecimento. Mas sim a consciência desta busca e o desenvolvimento do saudável hábito de pensar por si mesmo e chegar a conclusões de quem somos e que rumos desejamos para as nossas vidas. Já falei em outras oportunidades sobre a importância da filosofia na formação educacional de nossa sociedade. No entanto, devido ao interesse de políticos e poderosos, a humanidade cada vez mais é convidada a viver dentro de um mundo de alienação e entorpecimento. Quem pensa por si só, torna-se um perigo para o sistema social dominante. Este é o pensamento das forças do mal. Já o sublime mestre Jesus nos ensinou: “Conhece a verdade, e a verdade te libertará”.

Se nos propormos a buscar respostas em nosso íntimo, refletindo sobre a vida e a natureza das coisas, acessaremos mais e mais o nosso “eu superior” e encontraremos respostas importantes. Por que hoje em dia vivemos a sociedade da depressão e do rivotril? Porque simplesmente paramos de pensar e buscar o objetivo central da vida criada por Deus. Tornamo-nos robôs inconscientes que seguem modas e tendências fúteis. Somos marionetes de um estilo de vida cada vez mais destrutivo, que aos poucos destrói a nossa alma, através da depressão e da tristeza por vivermos em um mundo desprovido de verdadeiros valores, e que, por fim, causará graves transtornos a vida física do planeta, que já está saturada do nosso estilo de vida baseado na emissão de carbono para a atmosfera, destruição da natureza e outras ações predatórias para alimentar o nosso ego consumista.

Por fim, se desejamos realizar uma jornada de autoconhecimento, devemos começar desligando a televisão, computador e smartphone. Pelo menos um pouco antes de dormir. Nestes instrumentos não encontraremos respostas importante para libertar-nos da cadeira dos terapeutas. E, neste momento, busquemos o verdadeiro conhecimento filosófico e espiritual para integrarmo-nos ao Sagrado e ao Real. Neles, e somente neles, acharemos as verdadeiras respostas da vida, tanto para aflorarmos o nosso inconsciente, que é o “senhor de todas as respostas”, como para entender e aceitar os nossos semelhantes.

As respostas do mundo espiritual estão mais próximas do que se pode imaginar. Nós é que nos encontramos estranhamente distantes de Deus.

Caros amigos e amigas do Universalismo Crístico, devido a mudanças impostas pelo sistema do Facebook, tivemos que transformar nosso perfil oficial do Universalismo Crístico em página (comunidade). Porém já existia uma página antiga e que continuará ativa. Para não haver duplicidade, excluiremos essa nova página que foi criada (Universalismo Crístico). Portanto, solicitamos que vocês que eram amigos do antigo perfil do UC curtam nossa página oficial (Universalismo Crístico – A Consciência Espiritual do 3º Milênio), para continuar acompanhando nossas atividades de divulgação da Consciência Espiritual do Terceiro Milênio.

Roger Responde 271 – Influenciações sutis do mal que controlam a humanidade.

271 – Pergunta (22/06/2015):  Oi Roger! Se os magos negros, com toda a grande intelectualidade que os caracteriza, criaram e criam toda a espécie de artifícios para controlar/hipnotizar as massas (como é o caso das pirâmides hipnóticas), porque é que Jesus e outros espíritos do seu Quilate Espiritual permitem que esses artifícios exerçam impacto sobre a humanidade e não criam outros que tenham o efeito precisamente oposto? Na época em que a Atlântida submergiu, os seres da dimensão primeva da Terra não tinham condição mental para se opor à ciência dos magos negros atlantes, então porque é que isso foi consentido?

Roger: Querido amigo, isto foi consentido devido a um processo natural de simbiose entre a humanidade e as trevas. A nossa humanidade alimenta a ação do mal. Nada ocorre por acaso. É uma lei natural de sintonia e causa e efeito. Falamos disso com profundidade no capítulo adicional do livro “Universalismo Crístico Avançado”, que se encontra disponível para download no site www.universalismocristico.com.br , desde fevereiro de 2012.

Neste capítulo adicional explicamos que não somos vítimas da ação dos magos negros e espíritos maléficos, mas sim a humanidade se alimenta mutuamente da energia que eles intercambiam conosco. Desejamos o Bem e a Paz, mas diariamente alimentamos o mal e o ódio. Basta ver as postagens carregadas de ódio que vemos nas redes sociais e comentários de notícias em sites. Esta frequência destrutiva alimenta e dá poderosa força às trevas. Falamos sobre isso, também, na pergunta 265, do dia 30/03/2015.

Neste texto citado, Hermes nos afirma, entre outras colocações que valem a pena serem lidas:  “A libertação somente ocorrerá quando a humanidade despertar da inércia moral que a envolve. Somente quando a “manada abandonar o pasto da ilusão humana” e enxergar mais além. E isto parece estar muito longe de acontecer”…  “A mudança coletiva realmente é contagiante. Se nos tornássemos pessoas melhores, as trevas se renderiam sem resistência. Mas a humanidade como um todo ainda, em sua inconsciência, prefere manter-se na frequência da alienação e da dor”… “Temos que ter paciência e o bom senso de aceitar isto. Por enquanto, só nos resta conviver com esta influência sinistra que é alimentada pela própria inconsequência de nossa humanidade e trabalhar, mais e mais, pelo despertar de todos.”

Certamente que Jesus e outros espíritos do seu Quilate Espiritual poderiam impedir a ação das sombras. Mas isso não ocorre e não ocorrerá porque eles entendem que a dor e o sofrimento é o único remédio para curar uma humanidade que se encontra doente. O dia em que o ódio e a inconsciência humana desaparecerem da Terra, as forças do mal perderam todo o seu poder e serão vencidas sem nenhuma batalha épica entre o Bem e o Mal. Simplesmente desaparecerão por não alimentarmos mais essa energia negativa e obsessiva que causa tanto sofrimento e tragédias no mundo. A luta não é entre o Bem e o mal, mas sim do Conhecimento contra a ignorância. Enquanto a humanidade ignorar a sua essência divina, ela sofrerá, com o objetivo de provocar um despertamento.

Amigos, a nossa viagem ao Egito está se aproximando! Quem estiver interessado em embarcar nessa jornada, informamos que as adesões se encerram no dia 3 de julho, isto se ainda tivermos vagas. A partir dessa data, a possibilidade de vagas adicionais será analisada caso a caso e de acordo com o valor atualizado de mercado, segundo preços da cia aérea e do cruzeiro pelo Nilo. Caso tenha interesse entre em contato imediatamente com a Caprice Turismo para maiores informações. Roteiro completo no link http://universalismocristico.com.br/eventos/viagens/

Lembre-se que esta é uma oportunidade imperdivel. Roteiro com Pirâmides, Karnak, Luxor, Amarna, Abydos e Dendera entre outros locais especiais, em um cruzeiro cinco estrelas, é muito raro de encontrar.

Roger Responde 270 – Maiores explicações sobre almas gêmeas ou almas afins.

270 – Pergunta (08/06/2015):  Roger, li há alguns dias um postal com citação de um dos seus livros em que você dizia que não existem almas gêmeas. O texto era esse: “Não existem almas gêmeas. Ninguém nasceu para ser a metade de outro. Almas inteiras e realizadas não têm carências. Já são completas. Existem somente almas afins! E elas se unem por ligação, cumplicidade, conexão e semelhança. Jamais por dependência ou para ser uma “bengala” uma da outra.” Eu queria que você explicasse melhor tudo isso. Como se dá a união afetiva de seres tanto no plano material como no plano espiritual? Há almas que se escolhem para caminharem juntas? Toda alma tem outra alma afim com quem caminha junto ou existem almas que não têm ou que preferem caminhar sozinhas? Por que vemos tantas dificuldades nos relacionamentos afetivos no plano material?

Roger: O conceito de alma gêmea é algo humano. Não é espiritual. O amor romântico é uma necessidade de almas ainda atreladas aos conceitos da vida humana. Portanto, trata-se apenas de um conceito criado pelos homens. Jamais Deus criaria espíritos incompletos que necessitam de uma outra metade para se realizarem. Assim como relatamos nesse trecho citado acima do livro “Universalismo Crístico Avançado”.

O que existe são almas afins, que em determinado momento de sua caminhada imortal sentem grande identificação de objetivos e interesses, estimulando-as a caminharem juntas por longos períodos, em diversas vidas. Mas nada impede que durante sua jornada milenar mudem de rumos, obviamente, sem deixar de se amarem. Apenas entendem que objetivos superiores as chamam a trilhar por caminhos diferentes. Almas realizadas desconhecem o “amor apego” ou “amor egocêntrico”. Não precisam estar sempre juntas para manterem e nutrirem o sentimento de amor.

A união no plano material se dá de acordo com a evolução de cada um. Almas mais avançadas se unem pelas afinidades do coração. Já almas primárias se unem pela beleza exterior e o interesse sexual. O que, todos sabem, não é suficiente para manter o amor e a estabilidade da relação por longos anos, causando desavenças e sentimentos negativos, prejudicando sua evolução. E, claro, que existem almas que caminham solitárias por determinado tempo, porém em outras épocas se unem a outras. Somos seres imortais. Temos experiências milenares. Em cada estágio de nossa evolução apresentamos interesses e necessidades diferentes. Se fôssemos nos analisar em um passado remoto, nem nos reconheceríamos, tal o avanço de consciência que já obtivemos no passar dos milênios. Da mesma forma, os séculos futuros nos transformarão de forma determinante. As necessidades afetivas que temos atualmente, e julgamos tão importantes e fundamentais para alcançar a felicidade, serão nada mais do que meros sonhos de crianças apaixonadas no futuro.

Certamente com o passar dos séculos e com nossa aquisição evolutiva perceberemos que relações de amor entre casais é um vínculo um tanto egoísta, porque termina isolando-nos de nossa família universal. No entanto, é uma etapa necessária no atual estágio evolutivo de nosso mundo. É como um processo rudimentar do amor universal. Basta ver que seres evoluídos, como Jesus, não possuem almas companheiras. Eles já superaram essa fase há milênios. Encontram-se agora em uma relação plena de amor com toda a humanidade.

Roger Responde 269 – Jesus evoluiu em linha reta ou cometeu deslizes em sua jornada como todos nós?

269 – Pergunta (25/05/2015):  Bom dia, no livro O consolador pelo Espírito: EMMANUEL, médium: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER, consta a seguinte pergunta: 243 –Todos os Espíritos que passaram pela Terra tiveram as mesmas características evolutivas, no que se refere ao problema da dor? -Todas as entidades espirituais encarnadas no orbe terrestre são Espíritos que se resgatam ou aprendem nas experiências humanas, após as quedas do passado, com exceção de Jesus-Cristo, fundamento de toda a verdade neste mundo, cuja evolução se verificou em linha reta para Deus, e em cujas mãos angélicas repousa o governo espiritual do planeta, desde os seus primórdios. Mas segundo Ramatis, Jesus não evoluiu em linha reta…. Então como entender estas divergências entre estas informações?

Roger: Querido amigo, as nossas paixões e crenças muitas vezes nos pregam peças… o excesso de religiosidade, em algumas vezes, é prejudicial, porque faz com que terminemos endeusando criaturas, enquanto somente o Criador deve ser visto na condição de absoluta e perfeita divindade. Jesus foi o espírito mais excelso a pisar no solo deste nosso mundo, mas não podemos negar que há milhões de anos, em outros mundos, ele realizou a sua jornada evolutiva, assim como nós, entre erros e acertos, até obter o discernimento necessário para atingir o seu estado de plenitude para os padrões espirituais da Terra. Considerar Jesus a personificação de Deus é um erro tremendo. Jesus está a milhões de quilômetros de distância Deus, e nós estamos a bilhões de quilômetros de distância. Esta é uma metáfora que demonstra a distância que estamos de Deus e de Jesus.

Jesus não evoluiu em “linha reta” para Deus, caso fosse assim, ele não conheceria as agruras e dificuldades do pecado, para ser tão misericordioso e compreensivo com as falhas de seus irmãos menores. Quem nascesse na condição de anjo, desconheceria as dificuldades do caminho, e, portanto, não teria credenciais para estar em tão alto patamar. Por isso somos categóricos em afirmar: a classe dos anjos não existe. Anjos são os espíritos comuns, que devido a sua longa jornada pelo caminho da luz, terminam por alcançar este título. Nada mais que uma evolução tão darwinista quanto a evolução das espécies de nosso mundo, que não foi criado por Deus em sete dias, mas em 4,5 bilhões de anos, através de um lento processo de aperfeiçoamento das espécies, desde seres unicelulares até o homem. O tempo não é nada para Deus. E existem infinitas escolas como a Terra por todo o Universo. Não há porque ter pressa na formação de novos mundos.

A excessiva adoração religiosa dos homens, fez com que perdessem a dimensão das coisas. Da mesma forma que o homem achava que a Terra era o centro do Universo e hoje compreende que o nosso mundo é apenas um pequeno planeta em uma das infindáveis galáxias do Universo, assim temos que analisar a distância que nos separa de Deus. O Espírito Criador é infinitamente maior que qualquer um de nós, inclusive Jesus. E o grande mestre Jesus pode ter evoluído de forma “mais reta” que todos nós, mas certamente também cometeu erros e enganos que são naturais a todo aquele que está peregrinando da ignorância para a plenitude da consciência.

Roger Responde 268 – Por que Deus nos cria puros e ignorantes e temos que trilhar todo esse caminho para a Luz? Por que Ele já não nos cria evoluídos? Explicações sobre o terremoto no Nepal.

268 – Pergunta (11/05/2015):  Oi Roger, tudo bem? Na página 226 do livro  “A Nova Era – Orientações Espirituais para o Terceiro Milênio”, Hermes nos diz que Deus nos criou por amor e que Ele nos cria puros e ignorantes. Talvez seja ignorância da minha parte, por não conseguir compreender toda a obra do Criador, mas por que Deus parece criar um jogo para nós? Por que nascemos ignorantes e temos que trilhar todo esse caminho para a luz? Por que Ele já não nos cria evoluídos? Obrigado!

Roger: Querido amigo, evolução é uma conquista, assim como o mal e a imperfeição. Deus nos cria “vazios”, sem nada, nem de bom, nem de mau, sem nenhuma condição ou característica que nos sobreponha aos nossos semelhantes. Se Deus nos criasse evoluídos, esta não seria uma aquisição nossa, mas sim uma condição imposta por Deus, retirando-nos a possibilidade de conquista e de aquisição de uma personalidade especial e única no Universo. Se fôssemos criados evoluídos, seriamos pouco mais do que robôs sem personalidade e mérito.

Sofrer não é ruim. O sofrimento nos leva à reflexão e ao aperfeiçoamento de nossa alma. A vida parece um jogo quando não a compreendemos e não percebemos os resultados a serem colhidos. Aquele que se espiritualiza e compreende os objetivos da vida criada por Deus, torna a caminhada mais fácil e a sua aquisição de evolução se torna uma jornada muito bela, empolgante e maravilhosa, dando sentido a sua própria vida. Já aquele que se prende ao mundo das ilusões, se atormenta, sofre e se enreda nas teias da depressão. Evoluir é uma fantástica jornada de autoconhecimento e aperfeiçoamento da alma, com o objetivo de tornar-se um ser melhor a cada dia. Quem vive distante da sabedoria espiritual, sofre e se deprime, por desconhecer a magnitude da obra de Deus.

Estes dias mesmo uma pessoa me questionou sobre a existência de Deus após as notícias do terremoto no Nepal que vitimou milhares de pessoas. Ele afirmou que a crença em Deus se desmonta a partir de situações como esta. E disse-me que, se há um ente supremo, ele é menos poderoso do que se apregoa, ou não é tão bom; já que permitiu aquela tragédia que resultou em tantas mortes entre um povo pobre, sofrido e tão religioso.

Eis um argumento que passa pela mente das pessoas que vivem longe de um real entendimento de Deus e dos objetivos da vida humana, criada pelo Todo Amoroso e Poderoso Espírito Criador. O povo do Nepal crê em carma, logo (provavelmente) os terremotos sejam frutos das crenças religiosas desse próprio povo, que gerou uma reação de semelhante intensidade por causa de suas crenças…

No final do ano passado cerca  de 1 milhão de fiéis se dirigiram para um remoto templo no sul do Nepal, onde milhares de animais foram abatidos como parte de um ritual de sacrifício para homenagear a deusa hindu Gadhimai. Seus devotos acreditam que sacrificar um animal em sua honra atraí prosperidade. Este é um ritual que é realizado a cada cinco anos. Em 2009, penúltima vez em que foi realizado, homens com espadas executaram cerca de 300 mil búfalos, ovelhas, cabras e galinhas durante dois dias frenéticos de insanidade, assistido por milhares de pessoas.

Sacrifícios geram energias negativas e, consequentemente, geram mais mortes…  Deus está sempre presente. A lei do carma é implacável. A visão estreita dos homens é que não percebe a presença divina em todas as coisas. Existe uma energia universal, oriunda de todos os seres do planeta, que influencia diretamente as reações de Gaia. Eis a presença da energia Vril… O fluido cósmico universal… O planeta reage às nossas ações e intenções. Ele é um corpo vivo que possui alma, também, como nós, e está interligado a todos os seres vivos. O derramamento de sangue, seja em qual circunstância for, fere o equilíbrio das coisas… e resulta em reações de igual intensidade. Como diz o ditado: o planeta não reclama, ele se vinga…

Poucos dias atrás tivemos uma grande derrota aqui em Porto Alegre… Um projeto de lei visava proibir o sacrifício de animais em rituais religiosos.  No entanto, os religiosos que praticam esses rituais estúpidos e medievais pressionaram ferozmente  a assembleia legislativa do RS… O projeto não foi aprovado. E mais uma vez a ignorância das religiões prevaleceu sobre o amor e o bom senso. O derramamento de sangue dos animais continuará em nome de uma fé obsoleta e insana. E assim caminha a humanidade… alienada e reclamando dos infortúnios gerados por ela mesma.

Roger Responde 267 – Moisés teve um interesse romântico em Nefertari, como afirma a novela da Record “Os 10 mandamentos”? Não lembro dela ser mencionada em seu livro “Moisés – O libertador de Israel”. Isto realmente aconteceu ou é fantasia da novela?

267 – Pergunta (27/04/2015):  Boa tarde Roger, estou vendo a novela “Os 10 mandamentos” da TV Record e li os seus dois livros sobre Moisés: (Moisés – O Libertador de Israel e Moisés – Em busca da Terra Prometida). Eu não lembro de você ter citado a personagem Nefertari e ela ter tido um interesse romântico em Moisés, e vice-versa. Isto realmente aconteceu ou é fantasia da novela?

Roger: Boa tarde, sobre a novela “Os 10 mandamentos” da Record, só tenho elogios a fazer. Excelente produção e estória. Contudo, os leitores devem entender que o enredo da trama é baseado nos pouquíssimos relatos da Bíblia, que estão no livro do “Êxodo”. Além disto, a Record é uma emissora vinculada à Igreja Universal, logo, segue uma interpretação evangélica dos fatos. Sem contar que este triangulo amoroso de Moisés, Ramsés e Nefertari trata-se de uma licença poética da autora da novela. Em nenhum texto existe qualquer menção bíblica sobre o nome do faraó do Êxodo. A novela adotou a crença de que o faraó na época da libertação dos hebreus da escravidão por Moisés seria Ramsés II. Esta é mais uma interpretação de pompa e grandeza do que baseada em fatos reais. Alguns escritores e historiadores adotam essa linha por ser a mais grandiosa, mas nós não.

Em nossos livros “Moisés – O Libertador de Israel” e “Moisés – Em busca da Terra Prometida”, afirmamos que Moisés nasceu durante a vida de Ramsés II, mas não eram da mesma idade. O faraó era muito mais velho que o Libertador de Israel. Inclusive, quando Moisés nasceu, Nefertari já havia até morrido. Ela morreu muito jovem e Ramsés II ergueu em sua homenagem o famoso templo de Abu Simbel no Alto Egito. Nesta época Ramsés tinha menos de 30 anos. Ele veio a falecer com 92 anos de idade, tornando-se o faraó com reinado mais longo do Egito. Ele governou as Duas Terras por 67 anos. Logo, quando Moisés nasceu, Nefertari já havia morrido e Ramsés II já era um idoso desdentado (ele sofreu muito no final da vida com inflamações nas gengivas). Moisés foi criado pela sobrinha de Ramsés II, a princesa Thermutis. Por este motivo, Nefertari é apenas mencionada brevemente em alguns poucos comentários em nossos livros. Ela não viveu os fatos da libertação do povo de Israel do jugo egípcio. Ela morreu muito antes destes fatos, o que torna o triangulo amoroso da excelente novela da TV Record, apenas ficção.

Moisés, então, foi expulso do Egito e retorna muitos anos depois para libertar o seu povo do cativeiro. Nesta época Ramsés II já havia morrido e quem reinava era o seu decimo terceiro filho, chamado Merneptah. Ramsés viveu tanto tempo que muitos de seus filhos já haviam falecido quando chegou a vez dele seguir para a Terra do Sol Poente. Ele teve mais de cem descendentes e um harém com mais de cem mulheres. Após a morte de Nefertari ele não assumiu nenhuma outra concubina do harém como a “Grande Esposa Real”, título que foi dado unicamente a sua grande amada. Ela foi tão importante para ele que, além do templo de Abu Simbel, foi construída uma tumba para ela maior do que de muitos faraós do Egito. A tumba de Nefertari no “Vale das Rainhas” é uma das mais impressionantes do Egito. Certamente o amor entre eles foi algo grandioso, o que torna essa especulação da novela (sobre ela gostar mais de Moisés do que de Ramsés) um tanto injusta…

Aproveito esta pergunta para lembrar aos nossos leitores sobre a nossa fantástica viagem ao Egito agora em setembro. Esta será a nossa maior e mais bem elaborada expedição ao Egito. Uma viagem realmente imperdível. Tivemos neste ano a alta surpreendente do dólar e uma instabilidade econômica. No entanto, aconselho aos interessados a entrarem em contato com a Caprice Turismo o quanto antes. Eles tem um plano de pagamento que preserva os clientes de surpresas do dólar até a viagem. Vale lembrar, também, que o Egito nunca esteve tão seguro como este ano. A posse de um presidente militar e a deposição do partido radical Irmandade Muçulmana trouxe um período de estabilidade que não sabemos quando veremos outra vez. Este é o ano de conhecer a terra mais bela e rica em espiritualidade e em artefatos históricos do mundo. Sem contar que navegar 12 dias pelo Nilo em um cruzeiro cinco estrelas e ficar dois dias hospedado no hotel Le Meridien Pyramids (de frente para as pirâmides de Gizé) é uma experiência marcante para toda a vida.

Nesta viagem visitaremos novamente a cidade de Tell-el-Amarna, que foi edificada por Akhenaton há 3.300 anos atrás. Esta é uma visitação muito rara nas viagens tradicionais de turismo ao Egito. Pouco resta daquele tempo em Amarna, mas é algo inesquecível pisar no solo sagrado onde foi realizado tão importante projeto, que relatamos com profundidade no livro Akhenaton. Visitar as tumbas de Akhenaton e Meri Rá (Ramatís) é outro ponto marcante da viagem. Quem deseja realizar este sonho inesquecível, veja o roteiro completo que está disponível para download (em arquivo PDF) no site www.universalismocristico.com.br e entre em contato com a Caprice Turismo para informar-se. E-mail para contato: sigmar@capricetour.com.br  Fones: (11)4523-0782 / (11) 98233-1630 (TIM).

Roger Responde 266 – Roger, Jesus não morreu crucificado? Tem uma mensagem circulando na Internet afirmando isso. O que nos diz a respeito?

266 – Pergunta (13/04/2015):  Oi Roger, tudo bem? Está circulando na Internet uma mensagem atribuída a Jesus em que ele mesmo diz não ter morrido na cruz. E que esse culto de sofrimento que realizamos todo ano na Páscoa é prejudicial para o mundo. A mensagem diz mais! Diz que “seres escuros” criaram essa realidade falsa de que Jesus foi crucificado e morreu na cruz para nos envolver em uma energia de dor e sofrimento para, assim, nos manter sob a influência depressiva e maléfica das trevas. A mensagem também afirma que deveríamos despertar deste sofrimento e nos conectar com o fato real: “o Caminho de Jesus com o Pai”. O que você nos diz sobre isto?

Roger Responde 265 – A humanidade está regredindo? Temos hoje avanços reais ou a sociedade, em geral, perde cultura e cultua apenas a beleza em detrimento dos valores da alma?

265 – Pergunta (30/03/2015):  Amigo Roger, se puderes, responda esta pergunta de um idoso desalentado com o mundo. Por que sinto que estamos involuindo, em vez de evoluir, como apregoa a chegada da Nova Era? Sinto as pessoas mais vazias, sem conteúdo, e imbecilizadas pela TV e Internet. Meus netos não leem nada e, quando escrevem, é uma tragédia. Muitos erros de gramática e ortografia. Isto que eles estudaram em bons colégios. A juventude anda tão vazia por dentro. Só pensam na beleza exterior. Não sei. Talvez seja só um devaneio de um homem velho no final de sua jornada terrena. Sinto saudades da época em que as pessoas liam bons livros. Hoje em dia estão hipnotizadas por uma tela de telefone celular que não agrega sabedoria nem conhecimento.  Abraços, querido amigo! Continue firme na sua missão de espargir luz entre as trevas da vida humana. O teu trabalho é um manjar celestial para pessoas como eu.

Roger: Querido amigo, desculpe pela demora em responder a este teu questionamento. Mas cada resposta tem o seu momento para ser trazida à luz. Concordo muito com as tuas argumentações. Muito mesmo… Apesar de não ter a tua idade, quando eu era adolescente, lembro como era salutar as boas leituras e divagações filosóficas com os amigos, onde todos baseavam seus argumentos em sábios pensadores e renomados professores. Hoje em dia, com a febre das redes sociais, todo mundo se acha qualificado para comentar assuntos que desconhece, tornando o conhecimento geral algo muito pobre e de credibilidade duvidosa; sempre baseado no “achismo” de cada um… Sem contar que as pessoas perdem importantes horas em discussões estéreis e improdutivas em redes sociais, sendo que poderiam estar se dedicando a adquirir verdadeira cultura que encontramos nos livros. Basta verificar as postagens de seu Facebook por meia hora para perceber o quão pobre encontra-se o nível de consciência e de cultura geral.

Outro sintoma desse declínio cultural é a aversão pelos textos escritos mais longos e bem elaborados. As pessoas não leem mais. E não é apenas preguiça, mas sim total falta de capacidade de concentração mental para ler textos mais elaborados. Assim como acontece com aquela pessoa sedentária que sente rápida fadiga muscular ao correr ou realizar atividade esportiva, assim acontece também com pessoas que não têm o hábito diário de realizar leituras edificantes. Tanto que se a postagem numa rede social não tiver uma “figurinha significativa”, ninguém lê. E como esta nova geração “desconhece” a grafia das palavras, (devido a raramente olharem para elas) nos deparamos com palavras como “difíssil”, “viajem”, “comunicassão”, “ezijir”, “percurço”, “ezalstivo”  entre outros crimes ortográficos. Sei que o importante é se comunicar, e não apenas escrever bem. No entanto, geralmente quem escreve errado não possui clareza de pensamento para elaborar um texto inteligível. E isso ocorre por um simples motivo: não existe o hábito de ler textos elaborados por pessoas qualificadas.

Tenho observado, em função disso, um grande desinteresse dos leitores por essa sessão de perguntas e respostas. Raros comentam e raros “curtem” quando divulgamos no Facebook. Em vista disso, e para poder me dedicar mais integralmente ao novo livro, a partir dessa semana a sessão Roger Responde se tornará quinzenal. Responderei perguntas, semana sim, semana não. Até mesmo por já termos 265 perguntas respondidas, muito ricas em informação. E mesmo assim, com frequência, recebo perguntas que já foram respondidas. Bastaria procurarem em todo o acervo de respostas no site (que é fácil de pesquisar). Isto talvez seja fruto de um outro fenômeno gerado pela “era digital”: a ansiedade crônica e o déficit de atenção. Hoje em dia poucos dedicam mais do que cinco segundos em cada texto, fazendo com que não absorvam a informação com qualidade. Soma-se a isso o conjunto enorme de informação distorcida que temos na Internet (principalmente nas redes sociais) para causar uma grave distorção na percepção e entendimento dos fatos por parte das pessoas em geral.

De antemão, peço desculpas aos fiéis leitores da sessão Roger Responde. Mas sei que eles entendem que um bom livro lançado é mais importante que respostas semanais. Além disso, procurando adaptar-me aos “novos tempos”, pretendo realizar alguns vídeos sobre temas importantes, de no máximo dez minutos, e postar no Youtube e divulgar nas redes sociais. É uma forma de manter vivo o saber espiritual em um tempo em que, infelizmente, a humanidade está “afastada das letras”. Da mesma forma, continuarei escrevendo livros com firmeza e prazer. O bom de escrever livros é que eles são eternos, imortais! Todos nós voltaremos para o plano espiritual e eles continuarão aqui, atendendo às gerações futuras que, esperamos, resgatará a verdadeira cultura, longe dessa comunicação quase tribal, por sinais e imagens, e longe das mensagens enlatadas com conteúdo questionável que vemos todos os dias. Infelizmente, o saber não se popularizou com a era da Internet. Os sábios continuam os mesmos: aqueles que buscam desenvolver e ampliar a sua consciência por meio de conteúdos nobres. Os demais continuam fazendo o mesmo que faziam na época das cavernas: utilizam a plataforma tecnológica para atender seus interesses pequenos, geralmente em torno de fofocas e debates improdutivos. Não basta apenas aprender a ler. É preciso entender o que se lê e desenvolver o gosto por leituras nobres. O índice de analfabetismo melhorou muito no último século. No entanto o “analfabetismo funcional” continua grave.

Roger Responde 264 – Manifestações contra a corrupção e os valores e a ética na sociedade.

264 – Pergunta (23/03/2015):  Roger, penso que a sociedade brasileira está vivendo um momento único, de ir para as ruas, pedir um basta na corrupção e lutar pela ética. Entendo que isso faz parte de um processo de amadurecimento do povo brasileiro que vai trazer grandes benefícios para o nosso país. Mas muitas vezes tenho a impressão de que as pessoas não se dão conta de que lutar pela ética e contra a corrupção não se resume a tirar um partido do poder. A corrupção é multipartidária e não se restringe à classe política. Ela está presente no dia-a-dia das pessoas, no velho e conhecido jeitinho brasileiro, na falta de visão do todo, na prevalência do interesse pessoal sobre o coletivo. Parece que a corrupção está tão arraigada na nossa sociedade que nem ao menos percebemos o quanto nos corrompemos em nossa vida cotidiana. E muito me preocupa o fato de não aproveitarmos o momento precioso que estamos vivendo para fazer as reflexões necessárias sobre a nossa própria conduta. Cobrar ética da classe política mas também cobrá-la de nós mesmos, repensando as nossas atitudes e a educação que passamos para os nossos filhos. Como você vê essa questão?

Next Page → ← Previous Page