Tag Sob o Signo de Aquário

190 – Pergunta (05/08/2013):  Olá Roger, talvez seja paranóia minha... mas acho que tu é a única pessoa que pode responder isto. Tem uma passagem na Bíblia, no Apocalipse: “16. Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa, 17. para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome. 18. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis”. Hoje, quase todos compram e vendem pelo número WWW. Daqui mais um tempo todos vão estar com a marca na mão direita: tablet, smartphone, dispositivos móveis. E na testa também: Google Glass. É mera coincidência?

Roger: Que pergunta interessante... Realmente muito interessante. Eu creio que todas as coisas não são boas, nem más. O homem que, ao fazer uso delas, é que as torna boas ou más. O álcool, por exemplo, é fundamental para o homem quando utilizado como combustível, esterilizante ou solvente. Mas também pode ser utilizado como uma perigosa e viciante droga, que além de causar as mais diversas doenças por seu consumo exagerado, ainda causa milhares de mortes no trânsito.  O mesmo acontece até mesmo com a maconha, que possui propriedades medicinais. Ela poderia ser aplicada como sonífero, anestésico, antidepressivo, entre outras aplicações, obviamente que sob controle médico. No entanto, a nossa juventude “frita” os seus neurônios consumindo-a de forma ilegal e prejudicial à saúde, gerando um exército de jovens com limitada capacidade cognitiva.

Obviamente que no uso da Internet também é assim. Se quem a utiliza tiver bom coração e estiver focado em uma saudável evolução espiritual, a utilizará buscando informações e fazendo ações para o seu desenvolvimento e de seus irmãos da grande família humana. Já quem vive para os seus vícios e está escravizado à alienação humana certamente a utilizará para objetivos hediondos e vulgares, como a pedofília, tráfico de drogas e para alimentar os seus vícios e interesses fúteis. A Internet não é boa ou má. Nós, a humanidade, é que somos. Ao ver a nova geração, crianças e adolescentes hipnotizados frente ao computador ou aos smartphones e tabletes, o utilizando de forma fútil e improdutiva, parece que a pergunta do leitor faz muito sentido...

Talvez o apóstolo João, que escreveu o livro do Apocalipse da Bíblia, tenha tido essa visão futurista de ver-nos, (a atual humanidade), conectada a estes dispositivos e vinculados ao número “WWW” para selarmos a nossa falência espiritual, que vemos ocorrendo no mundo todos os dias. A Internet, este fantástico instrumento de acesso ao saber, um verdadeiro “oráculo de informações”, não é bem aproveitado pelo homem. Infelizmente, a “Internet do mal” ainda é a maioria, mas isso tão-somente porque os interesses da maior parte de nossa humanidade ainda é algo que a distancia dos sublimes valores espirituais.

Vale lembrar que João, o Evangelista, relata neste mesmo livro que no futuro “pássaros de aço lançariam dos céus ovos de fogo”. E isto se confirmou durante as guerras atuais, onde os pássaros de aço são os aviões e os ovos de fogo são as bombas incendiárias. Como ele poderia relatar a nossa atual tecnologia no início da era cristã, se o homem ainda vivia sendo transportados por cavalos e carroças? Ele utilizou-se da linguagem que lhe era conhecida. Talvez realmente o relato acima tenha muito a ver com a nossa atual “Era da Informação”.

Porém, vale lembrar, que já relatamos nos livros “Sob o Signo de Aquário” e “A Nova Era” que a marca da besta é um símbolo que inconscientemente é gravado no corpo perispiritual daqueles que faliram em sua tentativa de se tornarem os “Bem aventurados mansos e pacíficos que deverão herdar a Terra na Nova Era”. Entretanto, nada impede que este símbolo tenha, também, a interpretação relatada no questionamento desta pergunta.

Roger Responde 190 – Internet, www, smartphones, tablets e Google Glass seriam aquilo que João Evangelista se referiu ao relatar o “número da Besta” no livro do Apocalipse?

190 – Pergunta (05/08/2013):  Olá Roger, talvez seja paranóia minha… mas acho que tu é a única pessoa que pode responder isto. Tem uma passagem na Bíblia, no Apocalipse: “16. Também obrigou todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, a receberem certa marca na mão direita ou na testa, 17. para que ninguém pudesse comprar nem vender, a não ser quem tivesse a marca, que é o nome da besta ou o número do seu nome. 18. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, pois é número de homem. Seu número é seiscentos e sessenta e seis”. Hoje, quase todos compram e vendem pelo número WWW. Daqui mais um tempo todos vão estar com a marca na mão direita: tablet, smartphone, dispositivos móveis. E na testa também: Google Glass. É mera coincidência?

Roger: Que pergunta interessante… Realmente muito interessante. Eu creio que todas as coisas não são boas, nem más. O homem que, ao fazer uso delas, é que as torna boas ou más. O álcool, por exemplo, é fundamental para o homem quando utilizado como combustível, esterilizante ou solvente. Mas também pode ser utilizado como uma perigosa e viciante droga, que além de causar as mais diversas doenças por seu consumo exagerado, ainda causa milhares de mortes no trânsito.  O mesmo acontece até mesmo com a maconha, que possui propriedades medicinais. Ela poderia ser aplicada como sonífero, anestésico, antidepressivo, entre outras aplicações, obviamente que sob controle médico. No entanto, a nossa juventude “frita” os seus neurônios consumindo-a de forma ilegal e prejudicial à saúde, gerando um exército de jovens com limitada capacidade cognitiva.

Obviamente que no uso da Internet também é assim. Se quem a utiliza tiver bom coração e estiver focado em uma saudável evolução espiritual, a utilizará buscando informações e fazendo ações para o seu desenvolvimento e de seus irmãos da grande família humana. Já quem vive para os seus vícios e está escravizado à alienação humana certamente a utilizará para objetivos hediondos e vulgares, como a pedofília, tráfico de drogas e para alimentar os seus vícios e interesses fúteis. A Internet não é boa ou má. Nós, a humanidade, é que somos. Ao ver a nova geração, crianças e adolescentes hipnotizados frente ao computador ou aos smartphones e tabletes, o utilizando de forma fútil e improdutiva, parece que a pergunta do leitor faz muito sentido…

Talvez o apóstolo João, que escreveu o livro do Apocalipse da Bíblia, tenha tido essa visão futurista de ver-nos, (a atual humanidade), conectada a estes dispositivos e vinculados ao número “WWW” para selarmos a nossa falência espiritual, que vemos ocorrendo no mundo todos os dias. A Internet, este fantástico instrumento de acesso ao saber, um verdadeiro “oráculo de informações”, não é bem aproveitado pelo homem. Infelizmente, a “Internet do mal” ainda é a maioria, mas isso tão-somente porque os interesses da maior parte de nossa humanidade ainda é algo que a distancia dos sublimes valores espirituais.

Vale lembrar que João, o Evangelista, relata neste mesmo livro que no futuro “pássaros de aço lançariam dos céus ovos de fogo”. E isto se confirmou durante as guerras atuais, onde os pássaros de aço são os aviões e os ovos de fogo são as bombas incendiárias. Como ele poderia relatar a nossa atual tecnologia no início da era cristã, se o homem ainda vivia sendo transportados por cavalos e carroças? Ele utilizou-se da linguagem que lhe era conhecida. Talvez realmente o relato acima tenha muito a ver com a nossa atual “Era da Informação”.

Porém, vale lembrar, que já relatamos nos livros “Sob o Signo de Aquário” e “A Nova Era” que a marca da besta é um símbolo que inconscientemente é gravado no corpo perispiritual daqueles que faliram em sua tentativa de se tornarem os “Bem aventurados mansos e pacíficos que deverão herdar a Terra na Nova Era”. Entretanto, nada impede que este símbolo tenha, também, a interpretação relatada no questionamento desta pergunta.

Roger Responde 042 – Livros sobre Atlântida e sua narrativa pessoal.

042- Pergunta (04/10/2010): Um dia li teu livro “A história de um Anjo”, acho que era este o título, achei muito bonito, até pesquisei para ver se o anjo estava mesmo por ai reencarnado… mas confesso que tive alguns preconceitos… Posteriormente, li Moisés, Atlântida 1 e estava esperando o 2 com bastante ansiedade e soube que já está à venda. Gostei demais do livro “Sob o signo de aquário”. Só há uns questionamentos: porque o título do livro Atlântida, não é “A história de um jovem atlante”? Sabe, você narra sua história na verdade, você é realmente aquele personagem? Outra coisa, você nunca ouviu falar do Dr. José Lacerda de Azevedo, seu livro “Espírito e Matéria” abordam muito do que tratas neste livro “Sob o signo”. Você coloca como se os aparelhos parasitas fossem a grande coqueluche… brother, me senti triste, pois Dr. Lacerda a quem prezamos de coração era aí de tua cidade, um grande pesquisador e foi a pessoa que melhor pesquisou este assunto. Adorei saber de teu e-mail…estava com estes questionamentos na garganta. Abraço. Desculpe o desabafo…de qualquer modo gosto do teu trabalho.

Roger: Várias perguntas desse e-mail estão respondidas na coluna “Roger Responde” do site WWW.universalismocristico.com.br Lá tu encontrarás respostas e esclarecimentos sobre o nosso trabalho.

Sobre as informações do livro “Sob o Signo de Aquário”, claro que conheço o trabalho do Dr. Lacerda, que é excelente por sinal. Porém, o nosso trabalho visa principalmente atingir a um público leigo, e não a estudiosos do assunto, como é o teu caso. Para muitos desses leitores as informações ali contidas são novidades. Talvez a grande falha tenha sido não citarmos os estudos do Dr. Lacerda no livro, mas creio que isso foi uma decisão dos mentores, haja vista o preconceito que ele ainda sofre dentro do retrógrado cenário espírita, assim como ocorre com Ramatís, que também é um dos mentores espirituais de nossos trabalhos.

Eu não me enquadro no perfil de escritor espírita ou apométrico. Sou apenas um romancista espiritualista que tenta trazer informações profundas para um público menos preocupado com os dogmas das religiões, mas procuramos atuar em todos os segmentos. Essa é a essência do Universalismo Crístico (veja no site). Existem outros escritores mais qualificados que eu para abranger estudos mais atuais e profundos sobre Apometria. Somente o nosso livro “A Nova Era – Orientações espirituais do terceiro milênio” é que é mais técnico. Os demais são romances que buscam conscientizar o leitor mais pela reflexão e emoção, do que por questões técnicas espirituais.

E os dois livros sobre a Atlântida (vol.2 lançado faz pouco) são mais válidos pela reflexão sobre “A história do jovem atlante” do que se narrássemos aquilo que já estamos acostumados na literatura sobre esse tema, e que, em geral, pouco acrescenta ao nosso crescimento interior.

Roger Responde 021 – Implantes eletrônicos de obsessão. Quais são os sintomas?

021- Pergunta (10/05/2010): “Estou lendo o livro “Sob o signo de Aquário” e estou no capítulo que fala sobre os implantes eletrônicos e estou achando surpreendente e ao mesmo tempo horrível! Gostaria de te perguntar como podemos saber se estamos com o tal implante? Quais seriam os “sintomas” físicos ou emocionais que apresentamos quando estamos com tal equipamento?”

Roger: Ilude-se quem crê que o plano espiritual é menos avançado tecnologicamente que o físico. E também quem acha que os espíritos das sombras se resumem a seres ignorantes e turrões. Entre eles existem grandes cientistas com elevado poder mental, fator fundamental para realizar qualquer técnica avançada, tanto da luz como das trevas.

Como diz no livro, esses dispositivos provocam sintomas como fortes dores de cabeça, irritabilidade e profundo estresse. Eles são instalados pelas equipes das sombras no corpo elétrico, uma das subdivisões do corpo astral, onde desencadeia-se todas as descargas energéticas oriundas do sistema nervoso central.

Para sabermos se temos algum dispositivo eletrônico de obsessão instalado basta meditarmos sobre o nosso comportamento no dia a dia e analisar os sintomas descritos acima. Bem que essas técnicas mais avançadas de obsessão geralmente são utilizadas em encarnados mais perseverantes e que realizam alguma atividade em prol do bem da humanidade. No restante da humanidade, alienada com respeito ao mundo invisível, qualquer obsessão básica realizada por espíritos ainda perturbados já é suficiente e menos custoso de realizar.Nos capítulos 4 e 7 do livro citado existem informações detalhadas sobre o assunto.

Roger Responde 016 – Magos negros: seu poder mental e forma perispiritual.

016 – Pergunta (29/03/2010): “Li todos os seus livros (exceto o A Nova Era) e gostei de todos. Sou adepto do Universalismo Crístico e procuro divulgar conforme minhas possibilidades. Gostaria de perguntar, em meus estudos sobre espiritualidade aprendi que muitas são as motivações de uma reencarnação, entre elas, manter a forma humana. No seu livro “A história de um anjo”, durante um de seus encontros com Arnach, você diz que ele não poderia manter aquela forma humana por muito tempo. É possível sabermos qual a forma dele quando não está na forma humana?”

Roger: Os livros em que Arnach é mencionado são: Sob o Signo de Aquário, Universalismo Crístico e Atlântida – No reino da Luz. (E, a partir de setembro, em Atlântida – No reino das Trevas). O livro em que afirmamos que Arnach não poderia manter-se belo e elegante é o livro Sob o Signo de Aquário. Naquele momento afirmamos que ele não conseguiria manter uma forma perispiritual no astral de beleza e elegância porque espíritos endividados por suas práticas maléficas maculam com cargas espirituais negativas à sua “túnica nupcial” ou seja, o corpo astral.

Não afirmamos que ele não manterá uma “forma humana”, mas sim que essa, em sua real condição espiritual, não seria bela e harmônica, como ele se apresentava através de vigoroso poder mental. Ela seria deformada e envolta por uma graxa negra, como normalmente se apresentam os espíritos sintonizados com as trevas. Inclusive alguns deles se apresentam apenas como um “esqueleto” coberto por um manto negro, devido a não conseguirem se desligar do corpo físico que abandonaram após a morte. Nestes casos, acompanham a decomposição natural do corpo que lhe servia de instrumento durante a vida. Existem outras situações, de acordo com cada nível consciencial. Espíritos com baixa consciência e que alimentam ódio doentio, por exemplo, transformam-se em formas ovoides.

Roger Responde 011 – Os elementais e a sua interação com os homens.

011 – Pergunta (22/02/2010): “Relendo seu maravilhoso livro ‘Sob o Signo de Aquário’ novamente me encanto com a simplicidade de Gaijin e a elevação de Shien. Gostaria que você explicasse mais sobre os Elementais: interação com os homens, origem de sua energia, manipulação dos e seus efeitos e etc. Grande abraço e votos pra que continue esse trabalho maravilhoso.”

Roger: Obrigado pelo apoio ao nosso trabalho. São vocês, os leitores, que nos dão forças para continuarmos nessa abençoada tarefa de divulgar as Verdades Eternas. Todas as formas de vida criadas por Deus, possuem alma, ou seja, uma entidade espiritual que impulsiona a vida daquele organismo biológico. No mundo hominal isso ocorre por meio de uma alma consciente e individualizada que reencarna infinitas vezes para promover a sua evolução espiritual. No caso dos animais irracionais e vegetais (almas ainda não individualizadas), isso é realizado por almas-grupos que regem toda uma determinada espécie, de forma interligada entre si.

O filme Avatar, de James Cameron, nos mostra isso muito bem. O povo de Pandora conhecia essa energia sutil dos espíritos da Natureza e sabia comunicar-se com ela. Logo, os Elementais são os espíritos da Natureza responsáveis pela energia desse organismo vivo, que é o nosso planeta. Gaia! A Terra é um ser vivo. Portanto, os Elementais são os espíritos dos elementos da Terra, que coordenam as mais diversas espécies da Natureza.

Aquele que entende a linguagem dos Elementais e consegue percebê-la, torna-se um médium dessa energia e adquire habilidade para manipulá-la em beneficio dos seus semelhantes, quer através de curas por meio dessa energia ou, então, através da higienização astral do planeta. Realizar exercícios de meditação em locais da Natureza onde se sinta a sua Grande Energia e também amá-la verdadeiramente, de forma indistinta, tanto aos animais como aos vegetais, permite um eficaz desenvolvimento dessa faculdade. Mas não basta apenas meditar. É preciso despertar a consciência para compreender uma outra relação com o mundo e com a Natureza!