Roger Responde 112 – Por que os animais sofrem? É carma?

112 – Pergunta (06/02/2012): Roger, venho desta vez buscar esclarecimento de nossos mentores espirituais com relação ao carma que todos temos que resgatar desde os tempos de Atlântida e de todas nossas vidas passadas. Tenho dúvidas com relação à geração desses carmas, os quais são originados pelos nossos erros cometidos e que, através dos obstáculos que precisamos superar, têm a finalidade de nos ensinar o caminho da retidão e da luz. Consigo compreender a finalidade didática destes carmas que vamos eliminando, fazendo com que tenhamos um comportamento mais crístico, possibilitando-nos conexões cada vez mais sutis. Não obstante, quando vejo animais, como cães e gatos moribundos, entre outros, sofrendo durante toda a sua existência me pergunto: Isto também é carma? Como animais irracionais irão aprender o que eles não compreendem? Será que eles têm culpa, em sendo irracionais, de eventuais erros cometidos no passado?

Roger: A evolução é única. A nossa alma, antes de se individualizar e tornar-se apta para encarnar no mundo hominal, passa pelos reinos mineral, vegetal e animal, onde experimenta as primeiras sensações e adquire lampejos de consciência, antes de individualizar-se no seio da alma grupo de determinada espécie e partir para a sua primeira experiência no mundo humano. Claro que as suas primeiras experiências são muito primitivas. Todas as formas de vida criadas por Deus, possuem alma, ou seja, uma entidade espiritual que impulsiona a vida daquele organismo biológico. No mundo hominal isso ocorre por meio de uma alma consciente e individualizada que reencarna infinitas vezes para promover a sua evolução espiritual. No caso dos animais irracionais e vegetais (almas ainda não individualizadas), isso é realizado por almas grupos que regem toda uma determinada espécie, de forma interligada entre si.

Sendo assim, os animais mais próximos do homem, pouco a pouco, começam a migrar para uma nova condição, que é a de espíritos individualizados e conscientes. Isso os leva a manifestarem necessidades de despertamento da consciência por meio da dor. Necessariamente não se trata de um carma para resgatar um ato negativo do passado, mas sim uma nova experiência de aprendizado com o objetivo de sensibilizar aquela alma em despertamento para as suas primeiras experiências conscientes.

Vale, também, lembrar, que o sofrimento desses animais é, em muitas situações, imposto pela crueldade do homem e do meio que os cerca. Nem todas as dores do mundo são frutos de carma. Se fosse assim, teríamos que entender que Jesus sofreu na cruz para resgatar carmas. E isso não é verdade. Sabemos que ele desceu ao mundo físico na condição de alma absolutamente angelizada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *