Roger Responde 068 – Explicações sobre os magos negros

068 – Pergunta (04/04/2011): O que mais me chama atenção em seus livros, são algumas descrições de sensações que os personagens passam, como vaidades, egoísmos, ou seja, sensações que todos sentimos, mas nem sempre admitimos, nos seus livros é muito bem expresso e causa a reflexão. A minha pergunta é sobre a evolução dos magos, pois como espíritos tão baixos podem ser mais inteligente que nós. Como eles podem ter tanto poder se são tão pouco evoluídos?  Ou eles na verdade são evoluídos, mas sem moral? Para terminar faço uma deixa que não é pergunta nem pegadinha, no livro Akhenaton, você diz que teve sua primeira experiência com Ramatis, sob a encarnação de Meri-Rá. Mas no livro Atlântida, que ocorreu 12 mil anos antes, você narra a convivência com Ramatis sob o nome de Násser.

Roger:  A tua afirmação está correta. Os magos negros tem uma evolução da consciência superior, fruto de anos de estudo e aperfeiçoamento. Assim como um cientista, que é um gênio nas áreas técnicas, mas tem o coração frio e indiferente. No campo moral é que reside a inferioridade deles e é nesse ponto que se diferenciam dos espíritos de luz. Para atingir a angelitude, precisam trabalhar o seu “corpo emocional”. No “corpo mental” já estão bem desenvolvidos; mais do que inúmeros trabalhadores da luz que conhecemos nas esferas intermediárias.

E sobre a pegadinha. Realmente foi falha minha. Bem observado! Na época do livro Akhenaton, eu havia obtido poucas informações a respeito da Atlântida. Não tinha a consciência que tenho agora para escrever esses livros. Tanto que Hermes achou melhor não respeitar a ordem cronológica dos fatos para preservar minha psique. Caso eu soubesse de tudo isso que ocorreu na Atlântida lá em 2001 (quando escrevemos Akhenaton) talvez eu tivesse surtado.

E para tu perceberes como esses detalhes são complicados, ainda mais em um livro como Akhenaton, que tem mais de 750 mil caracteres, veja que na pergunta tu também te equivocaste. Os acontecimentos da Atlântida ocorreram 9 mil anos antes da décima oitava dinastia egípcia, e não 12 mil, como afirmaste. Hoje em dia, em seis meses, lidamos com mais informações do que nossos avós lidavam durante toda a vida. Impossível não ocorrer equívocos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *