Duas vacinas fazem tumores de câncer desaparecer

vacina_câncer

Mais um passo na cura do câncer. Pesquisadores usaram vacinas experimentais contra a doença e tiveram resultados animadores.

Em dois estudos, feitos na Europa e nos EUA – e publicados nesta semana pela revista Nature – eles usaram vacinas para tratar pacientes com melanoma gravíssimo, o câncer de pele.

Em ambas pesquisas, os tumores desapareceram completamente em mais da metade dos pacientes.

Os outros pacientes receberam outro tipo de tratamento para aumentar ainda mais a proteção do sistema imunológico, e em alguns desses casos, os tumores desses pacientes também desapareceram.

Os pesquisadores também estão desenvolvendo vacinas semelhantes contra outros tipos de câncer, incluindo um tipo de câncer cerebral chamado glioblastoma, câncer de rim, câncer de células sanguíneas e câncer de ovário.

A informação é da Dra. Catherine Wu, médica-cientista do Dana-Farber Cancer Institute em Boston, nosn EUA, responsável por um dos novos estudos.

“Muitos outros tipos de câncer podem se beneficiar dessa abordagem”, disse Wu.

As vacinas

Os cientistas querem desenvolver vacinas que carregam moléculas vistas apenas em células cancerosas .

As vacinas poderiam ajudar o sistema imunológico a reconhecer essas células como prejudiciais, levando o sistema a reforçar a própria defesa incluindo células T e outras células defensoras, para procurar e eliminar o câncer.

Nos novos estudos, duas equipes de pesquisa separadas usaram dois tipos diferentes de vacinas para atacar o melanoma.

Os cientistas detalharam suas descobertas on-line nesta semana em dois estudos publicados na revista Nature.

Os melanomas geralmente apresentam mutações resultantes da exposição da pele aos raios ultravioleta.

As mutações podem resultar em proteínas anormais vistas em nenhum outro lugar no corpo humano e conhecidas como neoantigênios, que podem se revelar alvos úteis para as vacinas, disse o Dr. Cornelius Melief, médico-cientista do Centro Médico da Universidade de Leiden, na Holanda.

Testes

Em um dos estudos, Wu e seus colegas vacinaram seis pacientes que já haviam sido submetidos a cirurgia de remoção de tumores.

A vacina que eles usaram foi personalizada para cada paciente.

Os pesquisadores analisaram o DNA de células cancerosas e saudáveis de cada pessoa para identificar mutações específicas de tumores e seus neoantigênios associados.

Wu e seus colegas usaram modelos de computador para prever quais neoantigênios podem ser os melhores para que as células imunes reconheçam.

Os cientistas em seguida deram aos pacientes vacinas contendo até 20 neoantigênios específicos para o câncer de cada paciente.

Os pesquisadores descobriram que as vacinas eram seguras e desencadeavam respostas imunes .

Quatro pacientes não mostraram sinais de câncer recorrentes após 25 meses.

Os outros dois pacientes, que apresentaram formas progressivas de melanoma, foram tratados com as chamadas terapias de bloqueio de pontos de controle, que bloqueiam os mecanismos pelos quais o câncer às vezes suprime o sistema imunológico de uma pessoa.

Após este tratamento adicional, ambos os pacientes tiveram regressão tumoral.

“Ficamos encantados de ver uma resposta forte e consistente entre os seis pacientes que tratamos”, disse Wu à Live Science.

“As vacinas podem se concentrar e mobilizar o exército permanente das células T”.

O outro estudo

Em outro estudo, o Dr. Ugur Sahin, do Centro Médico Universitário da Universidade Johannes Gutenberg e Biopharmaceutical New Technologies Corporation, ambos em Mainz, na Alemanha – e seus colegas – analisaram os cânceres de 13 pacientes, escolhendo até 10 mutações por pessoa para criar vacinas.

Essas vacinas foram feitas de moléculas de ARN, os compostos que codificam as instruções usadas para produzir proteínas como neoantigênios.

Sahin e seus colegas descobriram que as vacinas reforçavam as respostas imunes em todos os pacientes.

Oito dos 13 pacientes permaneceram livres de tumores após 23 meses.

Os cinco restantes tiveram recorrências tumorais;

No entanto, uma dessas cinco experimentou regressão completa do tumor após ter recebido terapia de bloqueio de pontos de verificação.

Wu e seus colegas observaram que os eventos adversos relacionados ao tratamento consistiam em sintomas leves de gripe, reações no local da injeção, erupção cutânea e fadiga.

Ensaios iniciais

Ambos os estudos foram ensaios clínicos de fase I, o que significa que eles foram realizados com um pequeno número de pacientes para testar a segurança do tratamento e encontrar a melhor dose de um novo tratamento com o menor número de efeitos colaterais.

“Estes são estudos em pequena escala. Ainda precisam ser confirmados com um número maior de pacientes”, disse Melief.

Ainda assim, “são emocionantes”, falou Melief.

“Eu acho [que estamos] virando o jogo contra o câncer”.

 

FONTES: http://www.sonoticiaboa.com.br/2017/07/08/duas-vacinas-fazem-tumores-de-cancer-desaparecer/

https://www.livescience.com/59696-cancer-vaccines-help-patients-become-tumor-free.html?utm_source=notification

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *