Tag Vril

034 - Pergunta 4/5 (09/08/2010): O livro “Atlântida- No reino das Trevas” é repleto de narrativas épicas, como por exemplo as batalhas, homem a homem, entre os exércitos branco e vermelho, os fantásticos duelos dos sacerdotes do Vril e, também, o apoteótico cataclismo que levou a Grande Ilha para as profundezas do oceano Atlântico. No entanto, em minha opinião, o momento mais impressionante do livro é a batalha no astral entre os magos negros atlantes e os dragões, após a submersão da Atlântida, para ver quem regeria o astral inferior da Terra. Por isso perguntamos, existe alguma programação de Hermes para termos um livro exclusivo sobre esse intrigante tema?

Roger: Esse capítulo, eu também achei muito interessante, ao ponto de deixar o apocalipse atlante realmente em um segundo plano. E eis que o afundamento da Atlântida naturalmente seria o ponto máximo da narrativa, contudo, tornou-se secundário perto do capítulo a que te referes. Nem eu sabia que Hermes tinha intenção de abordarmos esse tema (e suas consequências) nesse livro. Nele podemos entender melhor o perfil desses enigmáticos seres, que inspiraram a lenda dos vampiros, no caso dos magos negros, e dos demônios, com relação aos dragões. Esse capítulo mostra-nos, também, as suas ações e a função dos magos negros como “Senhores do Carma” na regência evolutiva da humanidade terrena pelo lado negro, sempre sob o olhar regulador das Altas Esferas Espirituais. Aquilo que chamamos de caos e anarquia, em nada foge ao planejamento divino, apenas ainda não o compreendemos. E, inclusive, a ação do mal na Terra é fruto da lei de ação e reação que rege os nossos destinos. Infelizmente, a nossa imaturidade espiritual nos leva a necessitar da dor para despertarmos, e esse é o papel desses terríveis seres. Antes de acusar as trevas pelos nossos infortúnios, vamos analisar as nossas vidas para vermos se não estamos “acionando”, com o nosso mal proceder, os mecanismos da justiça divina, através da lei de ação e reação. Quem planta espinhos, jamais colherá flores. Se ilude quem pensa o contrário.

Creio que a curto prazo não existe a intenção de abordarmos esse tema em um livro exclusivo. Porém, isso depende das decisões de Hermes. Talvez ocorra como no caso da Atlântida, que foi mencionada em 2002 no livro “Akhenaton – A revolução espiritual do antigo Egito”, e agora recebeu dois livros exclusivos. O projeto que tenho conhecimento a curto prazo é o de consolidar o ideal do Universalismo Crístico, motivo pelo qual o próximo livro tratará exclusivamente desse assunto.

Lembro aos leitores que se identificam com essa ideia sobre a importância de divulgá-la sempre. Indiquem aos amigos o livro Universalismo Crístico e o site www.universalismocristico.com.br . Somente o nosso esforço conjunto poderá despertar a humanidade para uma nova forma de pensar, agir e viver. Temos a grata oportunidade de fazermos a diferença em beneficio dos planos da Luz e em prol de nossos irmãos. Não vamos esconder a luz debaixo da mesa ou enterrar os talentos que recebemos de Deus. Temos uma significativa consciência espiritual em meio a um mundo obscurecido pela alienação espiritual! Façamos a nossa parte e o Universo conspirará para a nossa felicidade hoje e sempre. A felicidade eterna está em participar do grande plano divino. Feliz daquele que já percebeu isso.

Roger Responde 034 – Narrativas épicas do livro Atlântida – No Reino das Trevas.

034 – Pergunta 4/5 (09/08/2010): O livro “Atlântida- No reino das Trevas” é repleto de narrativas épicas, como por exemplo as batalhas, homem a homem, entre os exércitos branco e vermelho, os fantásticos duelos dos sacerdotes do Vril e, também, o apoteótico cataclismo que levou a Grande Ilha para as profundezas do oceano Atlântico. No entanto, em minha opinião, o momento mais impressionante do livro é a batalha no astral entre os magos negros atlantes e os dragões, após a submersão da Atlântida, para ver quem regeria o astral inferior da Terra. Por isso perguntamos, existe alguma programação de Hermes para termos um livro exclusivo sobre esse intrigante tema?

Roger: Esse capítulo, eu também achei muito interessante, ao ponto de deixar o apocalipse atlante realmente em um segundo plano. E eis que o afundamento da Atlântida naturalmente seria o ponto máximo da narrativa, contudo, tornou-se secundário perto do capítulo a que te referes. Nem eu sabia que Hermes tinha intenção de abordarmos esse tema (e suas consequências) nesse livro. Nele podemos entender melhor o perfil desses enigmáticos seres, que inspiraram a lenda dos vampiros, no caso dos magos negros, e dos demônios, com relação aos dragões. Esse capítulo mostra-nos, também, as suas ações e a função dos magos negros como “Senhores do Carma” na regência evolutiva da humanidade terrena pelo lado negro, sempre sob o olhar regulador das Altas Esferas Espirituais. Aquilo que chamamos de caos e anarquia, em nada foge ao planejamento divino, apenas ainda não o compreendemos. E, inclusive, a ação do mal na Terra é fruto da lei de ação e reação que rege os nossos destinos. Infelizmente, a nossa imaturidade espiritual nos leva a necessitar da dor para despertarmos, e esse é o papel desses terríveis seres. Antes de acusar as trevas pelos nossos infortúnios, vamos analisar as nossas vidas para vermos se não estamos “acionando”, com o nosso mal proceder, os mecanismos da justiça divina, através da lei de ação e reação. Quem planta espinhos, jamais colherá flores. Se ilude quem pensa o contrário.

Creio que a curto prazo não existe a intenção de abordarmos esse tema em um livro exclusivo. Porém, isso depende das decisões de Hermes. Talvez ocorra como no caso da Atlântida, que foi mencionada em 2002 no livro “Akhenaton – A revolução espiritual do antigo Egito”, e agora recebeu dois livros exclusivos. O projeto que tenho conhecimento a curto prazo é o de consolidar o ideal do Universalismo Crístico, motivo pelo qual o próximo livro tratará exclusivamente desse assunto.

Lembro aos leitores que se identificam com essa ideia sobre a importância de divulgá-la sempre. Indiquem aos amigos o livro Universalismo Crístico e o site www.universalismocristico.com.br . Somente o nosso esforço conjunto poderá despertar a humanidade para uma nova forma de pensar, agir e viver. Temos a grata oportunidade de fazermos a diferença em beneficio dos planos da Luz e em prol de nossos irmãos. Não vamos esconder a luz debaixo da mesa ou enterrar os talentos que recebemos de Deus. Temos uma significativa consciência espiritual em meio a um mundo obscurecido pela alienação espiritual! Façamos a nossa parte e o Universo conspirará para a nossa felicidade hoje e sempre. A felicidade eterna está em participar do grande plano divino. Feliz daquele que já percebeu isso.

Roger Responde 033 – Narrativa sensual do livro Atlântida no Reino das Trevas.

033- Pergunta 3/5 (02/08/2010): Nesse novo livro, percebemos, também, uma linguagem diferenciada dos demais, em alguns momentos com um sutil apelo sensual ainda não utilizado em suas obras. Poderíamos afirmar que você foi um pouco mais além do estilo das magníficas obras de Rochester, nesse quesito. O que poderia dizer-nos sobre isso e como você espera que seja a reação dos leitores a esse novo estilo?

Roger: O livro “Atlântida – No reino das Trevas” é um livro especial e diferenciado. Ele traz uma abordagem que não é comum em nossos trabalhos, ou seja, ver os fatos pelo olhar do lado sombrio. Naturalmente, tive que ser fiel a cada momento, a cada narrativa. Claro que sem perder a elegância e os termos condizentes com uma literatura espiritualista voltada para o amor e a busca da luz de Deus. Em nosso trabalho sempre buscamos ser o mais verdadeiro possível. Logo, não faria sentido algum “mascararmos” esse livro para realizarmos uma narrativa com enfoque somente altamente espiritualizado, como é o usual em nossos livros. Decididamente esse não é o objetivo desse livro. Também, não é a nossa proposta ficar batendo e menosprezando a ação do lado negro, como é tão comum lermos em outros livros desse gênero. Jamais utilizaríamos esse clichê antifraterno, sectário e de aspecto doutrinário, típico das religiões em geral.

Não estamos aqui realizando uma defesa da ação das trevas, no entanto é ingenuidade desprezar o que podemos aprender com o lado sombrio. Rotulá-los de ignorantes porque não seguem a mesma estrada que nós, é um comportamento semelhante ao daqueles que julgam de forma negativa aquilo que desconhecem, por puro medo ou arrogância. Podemos encontrar a presença de Deus tanto na luz como nas trevas, basta termos lucidez e sabedoria para isso. Não existe um demônio soberano regendo as trevas. Talvez até alguns acreditem nisso. E esse é um comportamento muito comum entre os dragões. Mas é pura ilusão. Somente Deus é o Senhor de toda a Criação! Luz e treva estão sob o seu Augusto controle.

Nesse livro tivemos uma rara oportunidade de utilizar um outro estilo literário, e isso com o apoio e a autorização de Hermes, o mentor espiritual de nossos livros, portanto tenham a certeza de que cada linha relatada está em conformidade com as Altas Esferas Espirituais que coordenam o nosso trabalho. Os leitores que lerem o livro com a mente aberta, procurando absorver os ensinamentos ali contidos, sem “pré-conceitos” estabelecidos, terão a oportunidade de enriquecerem a sua compreensão do mundo, através de um outro prisma. Já aqueles que se “fecharem”, perderão uma boa oportunidade de crescimento interior.

Devemos abrir as nossas mentes, somente assim poderemos compreender melhor o Espírito Criador. Criticar e negar a existência do outro lado das questões, somente nos dará um atestado de ignorância com relação a compreensão alheia. Além do mais, geralmente criticamos mais intensamente aquilo que ainda nos fragiliza. Vemos o cisco no olho de nosso irmão, devido a termos uma trave em nossos olhos. As pessoas que ficam horrorizadas com certas atitudes e narrativas é porque ainda não se resolveram bem naquela específica questão que condenam. A alma sábia e livre trata a tudo com moderação, respeito e interesse, mesmo quando as questões em foco não fazem mais parte de seu ego. Elas simplesmente não se afetam, mas desejam estudar e analisar com o objetivo de adquirir aprendizado. O sábio é puro equilíbrio…

Procurei relatar o livro “Atlântida – No reino das Trevas” da exata forma como eu sentia e agia naquele distante período, há 12 mil anos, porém, nos momentos em que relatava os textos como narrador, fiz as iluminadas reflexões necessárias, sempre sob a orientação de Hermes, a nobre Ártemis nesse livro. Contudo, abusei um pouco desse estilo, digamos assim… mais profano, até mesmo como um exercício literário para mim e, também, para não tornar-me repetitivo para os leitores mais exigentes. Mas fiquem tranquilos, pois em nosso próximo livro que abordará o Universalismo Crístico de forma mais avançada, traremos um conjunto de diálogos com Hermes, em diferentes paisagens, repleto das mais elevadas reflexões espirituais, bem ao estilo “mestre e discípulo”. Algo bem distante desse mundo sensual e sombrio do livro “Atlântida – No reino das Trevas”, que será lançado agora em setembro. Essa obra, apesar de mostrar o passado distante, reflete bem o momento presente de nossa humanidade, e o leitor poderá facilmente se identificar nesse cenário, ou identificar personalidade atuais. Esse livro, também é um importante objeto de estudo para todo aquele que busca o despertamento espiritual. Confiem em mim! O livro é fabuloso dentro daquilo a que se propõem.

Roger Responde 028 – A energia Vril da grande pirâmide atlante ainda está desperta 12 mil anos depois no Triângulo das Bermudas?

028- Pergunta (28/06/2010): Acabei de ler Atlântida – No Reino da Luz e estou com uma dúvida. Após a destruição do continente atlante, a grande pirâmide de cristal ficou submersa na região que hoje chamamos de Triângulo das Bermudas, daí a razão das alterações nos radares de alguns navios e aeronaves, e do desaparecimento de outros tantos (certamente caíram, no caso dos aviões, ou afundaram, no caso dos navios). A minha pergunta é: então até hoje a energia Vril ainda se encontra ativa na pirâmide, correndo por entre suas paredes? Seria possível?

Roger: Como explicamos na primeira pergunta dessa coluna, muitas das informações que ficaram sem maiores detalhes ou esclarecimentos no livro “Atlântida – No reino da Luz” serão respondidas no final dessa saga, no livro “Atlântida – No reino das Trevas”, que será lançado no início de setembro desse ano. Aproveito para informar a todos que o livro já está concluído. No momento estamos realizando as revisões e acabamentos finais para enviá-lo à editora. Ele terá em torno de 30 a 50 páginas a mais que o primeiro e posso garantir-lhes que será uma leitura eletrizante. Impossível parar de ler!

Abaixo segue um pequeno trecho do livro, em primeira mão, que esclarece a dúvida do leitor:

O Vril passara a vibrar em sua forma inversa, após a ruptura de seu maior templo. De alguma forma, até mesmo o símbolo máximo da inteligência atlante vingava-se de nós, os capelinos céticos e arrogantes, os amaldiçoados algozes daquele paraíso sagrado!

Talvez esse rompimento das paredes da pirâmide, liberando as cadeias de Vril, tenha contribuído para os fenômenos que até hoje ocorrem no Triângulo das Bermudas, como, por exemplo, o desaparecimento de navios e aeronaves, além da alteração da leitura dos instrumentos de navegação.

A energia Vril é autossuficiente! Se fosse trabalhada por sacerdotes hábeis poderia tornar-se eterna, principalmente em um ambiente neutro e sem influências mentais, como o fundo do mar das Bahamas. A chama de Antúlio era uma prova disso. Ela permaneceu incólume por séculos, até a sociedade atlante começar a se corromper.

Roger Responde 024 – A energia Vril pode ser usada em nosso tempo?

024- Pergunta (31/05/2010): “Eu estou lendo o seu livro “Atlântida – No reino da luz” e tive uma dúvida: os personagens Andrey e Evelyn realmente existiram, e você foi Andrey em sua vida passada? Também quero lhe perguntar se o Vril, energia que gosto de estudar e comprei até seu livro por causa dela, poderia ser usada em nosso tempo, alguém poderia usá-la ainda neste século ou ainda teríamos que esperar mais para conseguirmos usar está tão poderosa energia? E outra pergunta, já li muito sobre a sociedade Vril, nos tempos da guerra, e eles se comunicavam com seres de outros planetas, a energia Vril poderia fazer isto, conectar nossas mentes com outros seres de outros planeta? Bom trabalho, estou gostando muito da leitura de seu livro, obrigado por nos oferecer esta excelente leitura em busca do saber.”

Roger: As informações espirituais que escrevemos são baseadas em fatos sob a orientação de Hermes. Os únicos relatos que ainda não sei se são uma simbologia ou fatos a acontecer, são os referentes a Gabriel no livro “A história de um anjo” e os de Rafael no livro “Universalismo Crístico”. Hermes não deixa claro esse assunto por motivos que já expomos aqui em pergunta anterior. Tudo mais é fato! Não escrevemos ficção. No entanto, a realidade está de acordo com a percepção de cada um. Não nos importamos se as pessoas leem as nossas histórias como se fossem ficção. O importante é a mensagem espiritual inserida dentro delas. Se o leitor acredita ou não que fui Andrey, Radamés ou Natanael e que Crystal foi Evelyn, Isetnefret ou Rute, isso não faz diferença. O que importa para nós é o quanto essas narrativas podem transformar as pessoas rumo a uma verdadeira consciência espiritual. Fazemos o nosso trabalho com o máximo de seriedade e comprometimento. O objetivo é oferecer informações e reflexões que nos auxiliem a nos tornarmos pessoas melhores.

Algumas pessoas afirmam que seria muita coincidência eu ter vivido sempre em momentos tão especiais da história da humanidade e próximo dos acontecimentos que marcaram o mundo. Inclusive isso acontecerá também na narrativa sobre a vida de Jesus. Quanto a isso só posso reproduzir a mesma pergunta que Andrey faz ao final da história da Atlântida: Por que, Espírito Criador, me colocas em meio a esses fatos tão fundamentais de nossa história? Provavelmente seja para fazer o que eu faço agora: relatá-los como testemunha ocular dos fatos. Elucidando, assim, o que o tempo, os interesses dos poderosos ou apenas a incompreensão da época, distorceu.

Outros poucos leitores protestam, dizendo que só quero exaltar o meu ego nos livros. Mas não me importo. Não é para eles que escrevo! E sim para pessoas de mente aberta, aqueles que já se libertaram da “velha forma de pensar”.

Creio que no livro Atlântida – No reino da Luz afirmamos que a humanidade futura da Terra voltará a dominar o Vril. Na verdade o fluido cósmico universal está aí, cada vez mais presente, ao alcance de todos. Infelizmente ainda não temos a capacidade desenvolvida para manipulá-lo como os antigos atlantes faziam. Ainda nesse século, ele será novamente manipulado a olhos vistos. Por enquanto alguns poucos iniciados estão tendo essa oportunidade, tão rara como o oricalco. Mas nada que possa ser revelado.

No livro Atlântida – No reino das trevas falaremos sobre a sociedade do Vril e sobre os estudos realizados pelos nazistas, inspirados pelas trevas, para dominar essa energia e consequentemente o mundo. Graças a intervenção do Alto, eles não conseguiram. Inclusive o desenvolvimento da bomba atômica foi um trabalho sutil realizado pelos magos das sombras tanto entre os alemães como entre os americanos.

Existe também muita lenda por trás do Vril. Não se pode acreditar em tudo que lemos por aí. Inclusive não sei nada a respeito da utilização do Vril para comunicar-se com outros planetas.

 

Roger Responde 023 – Semelhanças dos livros Atlântida com a série “Star Wars”.

23- Pergunta (24/05/2010): “Lendo o livro Atlântida no Reino da Luz me bateu uma curiosidade à respeito de uma coisa: a enorme semelhança com os filmes da série “Star Wars”! Foi algo proposital fazer essas alusões aos nomes e particularidades do filme no seu livro ou você nem percebeu? O lado negro, ou lado escuro, e Magos Negros que podem ser comparados aos “Sith” do filme; O poder do Vril, que pode ser comparado ao poder “Jedi” do filme; a menção que Gadeir faz sobre a possibilidade de Atlas criar um exército de “Clones”, como os do filme; a grande guerra que ocorre entre o lado negro e o lado da luz, exatamente como a guerra do filme; as gêmeas, que lembram o fato de, no filme, haver um casal de gêmeos, etc… É impressionante!”

“Roger: Essa é uma resposta que talvez não agrade a todos ou gere descrença. O fato é que George Lucas, o criador da série Star Wars, é um atlante-capelino que viveu os acontecimentos finais da Atlântida e, portanto, guarda em seu inconsciente as informações que serviram de base para o seu roteiro de ficção científica espacial. Certamente a Espiritualidade Superior se utilizou disso, aliando a capacidade tecnológica de Lucas, típica dos capelinos, para criar um dos mais importantes enredos cinematográficos da história do cinema. Lembrem-se, como disse-nos Kardec: somos mais governados por espíritos do que podemos imaginar! A fronteira entre “imaginação” e “realidade invisível aos olhos” é bem pequena. As obras de Julio Verne são uma prova disso.

Seria muito difícil utilizarmos informações da época, relatar aspectos culturais e a linguagem da extinta Atlântida, segundo os moldes dos dias atuais. Por exemplo, realizar uma tradução literal da saudação dos atlantes não faria sentido algum nos dias atuais, porque era adequada a uma cultura já extinta. Não traria o entendimento necessário! Já tivemos essa dificuldade ao relatar os fatos ocorridos no antigo Egito durante o reinado do faraó Akhenaton. Portanto, nos utilizamos da linguagem utilizada por Geroge Lucas na série Star Wars. A saudação “Que a paz do Espírito Criador esteja com você” é uma representação semelhante a utilizada pelos Jedi no filme e retrata melhor a intenção dos sacerdotes do Vril da época de ouro da Atlântida.

Já a “força” relatada por Lucas no filme, representa o poder do Vril dos antigos atlantes, e assim por diante. Ele captou em uma linguagem bem atual aqueles acontecimentos, e nós nos utilizamos da linguagem que ele popularizou para tentar narrar a história como ela foi dentro de uma forma fácil e simples de compreender, sem a utilização de termos incompreensíveis que nada acrescentariam ao objetivo maior da obra, que é provocar reflexão sobre os caminhos do Bem e do Mal e também sobre o início e fim dos ciclos de evolução das civilizações, fato muito atual no momento em que vivemos e que a Terra como um todo está passando.

Sobre as gêmeas, nisso em nada se casa com a série “Star Wars”. Os leitores terão uma leitura surpreendente delas no livro Atlântida – No reino das Trevas. Elas deixam de ser coadjuvantes e tornam-se personagens fundamentais da narrativa. Lembrem-se: “O Bem e o Mal são apenas os dois opostos da mesma força!” Assim como o calor e o frio são os dois opostos de algo que chamamos temperatura.

 

Roger Responde 019 – Ataques das sombras às iniciativas de Luz.

019- Pergunta (26/04/2010): “Amo seus livros.Creio que aprendi a lê-los com a mente aberta, liberta dos paradigmas, conforme você indica. Ao reler alguns deles percebi muitas outras coisas que não havia percebido anteriormente. Realmente é uma leitura transformadora. Peço a Deus em minhas orações para que as pessoas despertem para a visão espiritual do 3° milênio: o Universalismo Crístico.
Eu gostaria de perguntar sobre como está sendo a elaboração do livro “Atlântida – No reino das Trevas”. Tenho percebido em algumas respostas suas que você está um pouco estressado e menos amoroso como estávamos acostumados. Estão ocorrendo ataques das sombras a esse projeto? De alguma forma eles estão lhe influenciando para irritá-lo e assim essa revelação não chegar as nossas mãos?”

Roger: Fico feliz em saber que tu estás compreendendo, em essência, a mensagem. Eis o meu sonho dourado nesse mundo! E que Deus ouça as tuas preces para que possamos ter, em breve, uma humanidade que entenda a mensagem do Universalismo Crístico, sem distorcê-la de acordo com os seus traumas, bloqueios, ou visões carregadas de preconceito por não conseguirem libertar-se do modelo espiritual anterior.

A elaboração do livro “Atlântida – No reino das Trevas” realmente está sendo muito difícil. Os ataques das sombras estão sendo contínuos, procurando prejudicar a concretização desse projeto. Infelizmente é comum termos o apoio dos leitores quando estão satisfeitos ou com algum interesse específico, mas quando necessitamos de auxílio, em momentos de dificuldade energética ou ataques obsessivos, geralmente se melindram ou retiram o apoio. Esperam somente receber, jamais apoiar ou se doar por esse projeto que é de todos nós. Isso é natural do ser humano, entretanto todos os estudos espirituais que realizamos poderiam ser suficientes para percebermos, compreendermos e refletirmos sobre isso. A vida não é um mar de rosas e não tenho a alma abnegada como o nosso querido Chico Xavier, que a tudo se submetia por amor à causa que abraçou. Na verdade não me proponho a isso. O meu caminho nessa existência é outro.

O novo livro traz informações sobre a ação dos magos negros atlantes no processo de alienação espiritual da humanidade, suas tentativas de impor seu poder sobre a humanidade no transcorrer dos séculos, principalmente durante a segunda guerra mundial, o poder da energia inversa do Vril, a manipulação do “Sol Negro”, entre outras informações. É natural que desejem evitar o acesso da humanidade a essas informações. Mas tenho certeza que isso seria bem pior se os livros tivessem um alcance significativo. Eles sabem que pouquíssimas pessoas leem e compreendem a mensagem, portanto os ataques não são tão incisivos, apesar de causar alguns estragos em minha psique, desequilibrando-me em momentos de vacilo. Mas tenho realizado trabalhos espirituais em centros espíritas para evitar a obsessão sutil que realizam e também para desativar os dispositivos que regularmente instalam em meu corpo astral com essa finalidade. Além, obviamente, de realizar a prática salutar do “Evangelho no Lar”, que é fundamental para afastar a ação desses nossos irmãos que ainda trabalham pelo domínio das trevas.

Apesar de tudo isso, temos uma boa notícia para dar aos leitores que apreciam o nosso trabalho. Nesse domingo concluímos 50% do novo livro. E podemos afirmar que, além das informações inéditas, o leitor será brindado com uma leitura instigante do início ao fim.

 

Roger Responde 018 – Por que o continente Atlântico parece não se encaixar com a Euráfrica e as Américas?

018 – Pergunta (19/04/2010): “Antes de tudo gostaria de parabeniza-lo pelo trabalho de divulgação do Universalismo Crístico e também agradecer a você e aos mentores, especialmente ao Hermes.
Tenho umas dúvidas e se for possível e oportuno responder eu ficaria muito grato. O desenho que a faixa de terras do continente atlântico forma parece não ter conexão alguma com as extremidades da Eurafrica e das Américas. Algo como uma peça de um quebra-cabeça que não faz parte do jogo. Pergunto: a Atlântida é uma faixa de terras deslocadas do super continente Pangéia? No caso positivo, por que então aparenta não ter nenhuma ligação com os outros continentes?Gostaria de saber também, qual o tronco biológico dos corpos usados na Atlântida. Se a raça primitiva provém do macaco, qual a raiz das raças existentes da Atlântida?”

Roger: Obrigado pelo apoio ao nosso trabalho! Os abraços e os agradecimentos a Hermes e aos demais mentores são sempre ouvidos por eles. São almas em avançado estado de evolução, que percebem com facilidade os nossos sentimentos, principalmente os mais sublimes. Muitas pessoas me escrevem pedindo que eu envie um abraço a eles. Todos podem fazer isso diretamente em suas preces ou após as leituras. Garanto que eles ouvirão e responderão no íntimo de cada um.

A pangéia, continente único durante a formação da Terra, contornado por um único Oceano primordial, se fragmentou há milhões de anos. No meu entender, a conexão entre a América e a Euráfrica é visível, quando observamos o mapa mundial, demonstrando ser impossível existir um continente das proporções da Atlântida entre eles, desde as primeiras fases de formação do nosso planeta. A Atlântida, conforme narra o livro, fazia parte da quarta dimensão da Terra e foi descendo, gradativamente, para o plano físico grosseiro da Terra durante os seus últimos séculos. Processo que se acelerou nos derradeiros anos, fazendo com que navegadores do mundo primevo descobrissem a “ilha mítica”. A Atlântida tornou-se então um elemento extraordinário em uma dimensão que não era a sua. Tanto que a sua submersão até hoje é um mistério. Na região do Triângulo das Bermudas, alguns pesquisadores na década de 70 do século passado afirmaram ter encontrado a Grande Pirâmide. Quando retornaram lá com equipamentos mais apropriados para a expedição, ela já tinha desaparecido, demonstrando a sua natureza semimaterial. Eis o grande mistério do Triângulo das Bermudas, região onde navios e aviões desaparecem com frequência sem deixar vestígios. Sem falar nas estranhas alterações ocorridas nas bússolas devido a energia intensa ainda gerada pelo Vril constante nas paredes internas da pirâmide submersa.

Sobre o tronco biológico dos corpos usados na Atlântida, eles eram oriundos do processo biológico mais sutil da quarta dimensão. Provavelmente provinham de uma evolução natural de hominídeos daquela dimensão. Como isso havia ocorrido há vários milhares de anos, Arnach desconhecia esse fato, e achava-se um ser divino, em comparação com os hominídeos da Terra que mal estavam avançando para um organismo mais evoluído de manifestação física. Os próprios habitantes do mundo primevo chamavam os atlantes de “filhos dos deuses”, fato que tornava a soberba de alguns atlantes distanciados da luz ainda maior.

Next Page →