Roger Responde 095 – Reflexões sobre a viagem ao Egito

095 – Pergunta (10/10/2011): Roger, desculpe a indiscrição, mas fiquei sabendo que na viagem ao Egito em julho você torceu o joelho em frente a esfinge de Gizé, e essa torção resultou em uma ruptura de menisco. O que mais me impressionou sobre esse relato é que você na personalidade de Radamés no livro Akhenaton e depois como Natanael nos livros sobre Moisés, também teve um problema semelhante no mesmo joelho direito. Tanto que mancava “na pele” de Natanael devido a esse problema que só foi solucionado quando Moisés o curou durante a fuga do Egito. Por Deus, o que seria isso? Um carma ainda não totalmente cumprido? Rememorações muito intensas causaram essa revivificação cármica? E, claro, eu gostaria de saber também como você está agora, após a cirurgia. Espero que esteja bem! Todas as noites peço por você em minhas orações, de todo coração, para que o “Espírito Criador” lhe dê muita saúde e luz para prosseguir nos iluminando com mais belas obras literárias e com essa mensagem abençoada do Universalismo Crístico, que nos fez perceber que somos livres para fazermos a nossa caminhada espiritual independente das religiões.

Roger:  Querida, obrigado por se preocupar comigo. No dia 29 de agosto fiz uma cirurgia de ruptura do menisco medial, removendo-o. Foi uma cirurgia simples, mas mexer no joelho sempre resulta em inchaço e necessidade de fisioterapia para recuperar o movimento. Agora já estou quase plenamente recuperado. Inclusive voltei a nadar para fortalecer a musculatura da perna. Eu pensei que somente nadando já estaria bem fortalecido para as “maratonas do Egito”, mas o sol escaldante do verão e o cansaço de caminhar de um lado ao outro pelo extenso platô de Gizé cansaram as minhas pernas. Em um momento de desequilíbrio, em frente a esfinge (a foto antes da torção até está no meu facebook) ou eu caia de cima daquelas pedras imensas, da altura de uma pessoa, ou me apoiava no joelho torcido, o que terminou causando o rompimento do menisco. Ainda bem que tínhamos três médicos na expedição e um deles me emprestou anti-inflamatórios e assim pude prosseguir a viagem normalmente. Claro que mancando levemente, assim como Natanael há 3 mil anos… O que terminou se tornando motivo de brincadeiras por parte do divertido grupo da expedição de julho 2011.

O grupo de pessoas que já está fechando o pacote para a próxima viagem em maio de 2012 deve procurar realizar caminhadas e algum trabalho de reforço muscular nas pernas. Farei isso também. Ainda mais que a subida ao monte Sinai exigirá bastante das pernas daqueles que irão a pé. Mas não se preocupem, quem quiser pode subir o Sinai montado em um camelo. Uma experiência que deve ser fantástica também. Não vejo a hora… será algo tão interessante em termos de meditação e vivência quanto a caminhada de Santiago de Compostela, no nordeste da Espanha.

Tenho recebido perguntas sobre a viagem ao Egito em 2012, ano da entrada da Terra na “Era da Luz”, se a viagem tem algo de “experiência energética”. Viajar ao Egito sempre é uma experiência energética e transformadora. E creio que em 2012 isso será ainda mais intenso. É impossível ir ao Egito e não ter “insights” de vidas passadas, principalmente para quem já teve encarnações na terra dos faraós. Independente de já termos superado esse ou aquele carma, as lembranças retornam fortes, fazendo-nos reviver consciente e inconscientemente alegrias e traumas do passado, permitindo-nos retornar ao Brasil renovados e com uma nova consciência, libertando-nos de nossas limitações. Tenho observado isso nos que foram na viagem de julho. Hoje estão mais fortes, confiantes e com elevada autoestima. Uma semana de vivências no Egito pode ser mais eficaz do que anos de terapia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *