Notícia da Semana – Morador do DF produz energia em casa e vende parte à rede pública

Por: Gláucia Andare
Colaboração: Sheila Medonça – Universalismo Crístico Brasília
Fonte: Site G1

O servidor público Carlos Eduardo Tiusso ostenta orgulhoso um “título” importante: ele é o primeiro morador de Brasília a adotar o sistema de medição bidirecional de energia domiciliar. Na prática, isso significa que Tiusso produz parte da energia que consome e o excedente ele vende à rede pública. No fim do mês, ele consegue um desconto de até 70% na conta de luz.

Ainda pouco difundida, a proposta amplia os benefícios para quem usa alguma fonte geradora de energia em casa, como a solar, permitindo que o cliente tenha o controle do que produziu, não consumiu e forneceu à rede e, assim, tenha abatimento nas despesas.

A situação foi regulamentada pela Aneel em abril de 2012 e parte do pressuposto de que quem gera energia em casa compartilha o excedente com a rede pública. Os equipamentos instalados na casa do consumidor permitem medir a energia gerada pelas placas e a que ele entrega à rede de clientes da região. A diferença corresponde ao que ele usou.

Então, duas questões são analisadas: primeiro, a soma entre o que foi fornecido pela companhia energética para a casa e o quanto o cliente usou da energia gerada na própria residência; segundo, a quantidade de energia excedente que ele entregou à rede. Caso ele consuma mais energia do que produziu, paga a diferença. Se a produção for maior do que o consumo, ele fica com crédito para as contas futuras.

Painel solar instalado na casa do servidor público Carlos Eduardo Tiusso, em Brasília  (Foto: Carlos Eduardo Tiusso/Divulgação)
Painel solar instalado na casa do servidor público Carlos Eduardo Tiusso, em Brasília
(Foto: Carlos Eduardo Tiusso/Divulgação)

O servidor público mora em uma casa de 430 m² no Jardim Botânico. São quatro suítes, para dois adultos e duas crianças. A adesão ao sistema custou R$ 16,5 mil e levou sete meses para ser concluída. No período, Tiusso precisou levar certificados internacionais e outros documentos comprovando a eficiência do projeto. A expectativa é de que o investimento tenha retorno em oito anos e de que a vida útil do sistema seja de 30 anos.

De acordo com Tiusso, a adesão dele ao novo sistema ocorreu por três motivos: financeiros, ambientais e de eficiência energética. “Nesses dias de intenso calor, momento em que a rede pública está mais saturada, fornecendo energia para todos aqueles que estão utilizando aparelhos de ar-condicionado, é exatamente o momento em que o sistema [instalado em casa] está gerando mais energia e a injetando na rede pública”, afirmou.

Segundo a Companhia Energética de Brasília, a Embaixada da Itália também aderiu ao novo sistema. Além disso, um morador do Lago Sul apresentou proposta recentemente para instalar os equipamentos na casa dele.

” Precisamos passar da conscientização para a ação. Já sabemos que nosso planeta não suporta mais a extração violenta de seus recursos. Precisamos buscar novas fontes, que venha, diminuir  o máximo possível a extração de suas riquezas. E este exemplo dado pelo servidor público de Brasília, demonstra que é possível. Uma iniciativa sustentável de coexistência. Se você tem outra ideia ou já fez algo semelhante, conte-nos. Ajude-nos a transformar ideias em atitudes.  E mostrar a nossa sociedade as possibilidades existentes de preservação da nossa moradia, o Planeta Terra.”

3 Responses
  • Adoramos esse sistema quem sabe até instalamos aqui no futuro
    pois moramos em um sitio de lazer e falta muita luz devido os fios
    passarem pela mata que ainda temos com a graça de Deus

    [Reply]

    Responder
  • Gilson Trevisan
    fev 27, 2014

    Em um momento oportuno com certeza vou fazer um empreendimento desse !

    [Reply]

    Gilson Trevisan fev 27, 2014
    Responder
  • out 17, 2015

    Obrigado por me ajudar a entender, realmente me foi útil.

    [Reply]

    Renato out 17, 2015
    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *